quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

GRAÇA RECEBIDA ... GRAÇA LIBERADA!

Quando lemos Lucas 19.1-10, o tão conhecido encontro de Jesus com Zaqueu, e a nossa leitura bíblica se dá “com os olhos da graça” (v. a publicação de Caio Fábio, neste blog), identificamos algo extraordinário: graça recebo, graça preciso liberar. Durante anos e anos, muitas foram as pregações e as reflexões que ouvi e mesmo as preparadas por mim em que, praticamente, apenas um foco era interpretado, a partir desse episódio. Falava-se da pequena estatura de Zaqueu, o chefe dos publicanos de Jericó. Falava-se sobre seu extraordinário exemplo em superar seus limites e até sobre sua grande visão em querer encontrar-se com Jesus, embora com tantos obstáculos. Enfim, já ouvi e até li coisas muito boas e edificantes sobre Zaqueu e o exemplo que ele nos legou. Mas hoje, certamente que o texto é o mesmo, mas com os olhos da graça, a hermenêutica é diferente. Vejamos alguns pontos que destaco à titulo de introdução:1) Zaqueu demonstrou interesse por Jesus. 2) Mas havia um obstáculo, a multidão que O seguia era muito grande e ele era pequeno. 3) Mas esse obstáculo poderia ser superado, e ele correu adiante e subiu em uma figueira e esperou para ver Jesus passar. 4) Jesus lançou Seu olhar sobre Zaqueu e ordenou a ele que descesse depressa, pois naquele dia Ele seria hóspede em sua casa. 5) Extraordinariamente o publicano – uma autoridade do império romano - não contesta a ordem de alguém a quem ele nunca vira antes. 6) Ao contrário, ele obedece à voz de comando, desce depressa e recebe Jesus alegremente em sua casa. Com os olhos da graça, relendo esse episódio bíblico, fica claro que a graça é liberada por Jesus sem condições. Assim não é preciso ser santo ou religioso, não é necessário fazer nada, absolutamente nada exteriormente falando para receber a graça. Mas é certo que Zaqueu demonstrou interesse por Jesus, tendo uma atitude de adorador, de procura por Ele e desejo de estar com Ele. E então recebeu de Jesus “o olhar da graça”. Jesus olhou para ele, e mesmo sabendo que ali estava – talvez o pecador mais desprezado entre os judeus presentes - o escolheu para pousar em sua casa. Os religiosos de hoje continuam afirmando o que os fariseus daquela época diziam: somente os santos podem hospedar Jesus, somente os religiosos podem ter intimidade com Deus. Assim Jesus nega com sua atitude isso: Ele tem interesse especial pelos pecadores. Você e eu somos pecadores? Que bom! Ele tem interesse por você e por mim. Então a graça foi liberada sobre o odiado pecador Zaqueu; e como reage Zaqueu? Ele recebe Jesus alegremente. E aqui na seqüência algo extraordinário acontece: impactado pela força da graça liberada por Jesus, Zaqueu, o pecador, o desprezado publicano tomou uma atitude. Declarou – sem que Jesus tivesse cobrado nada – que daria a metade de tudo quanto possuía aos pobres e que para aqueles que em negócios com ele tinham o que reclamar, ou seja, àqueles que se sentiram enganados por ele, eis que restituiria tudo acrescido de 400% de juros e correção monetária. Extraordinária compreensão da graça: Recebi graça, graça quero liberar. E como acaba esse episódio? Jesus declarando – e observem que somente após a declaração de Zaqueu é que Jesus afirma - hoje veio salvação a esta casa, posto que ele também é filho de Abraão. E afirma mais: que Ele tem uma missão, buscar e salvar o que se havia perdido. Assim aprendemos que a salvação não veio pelo que Zaqueu fez – ele fez tudo errado em sua vida - traiu seu povo, tornou- se cobrador de impostos à serviço dos opressores romanos e enriqueceu as custas do povo sofrido e pobre. Zaqueu por suas obras, pelos seus feitos não era merecedor de nada, muito menos de salvação. Como se justifica, pois, a salvação? Pela Graça – o favor não merecido. É a GRAÇA que liberta e que salva. É A GRAÇA que importa. GRAÇA recebemos de Jesus. E assim como Zaqueu só devemos ter uma atitude. Liberar GRAÇA. D’Ele recebemos, para o outro devemos dar. Jesus tem sido generoso com você? Ótimo! Seja, então, generoso, com todos os que o cercam e os que se aproximarem de você. Foi abençoado? Que alegria! Abençoe outros. Uma porta se abriu para você? Que legal! Abra as portas para outros, no que depender de você. Descubra a alegria de servir. Descubra a alegria de fazer a alegria do Senhor. Pois a alegria dEle é a nossa força.