REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

quinta-feira, 17 de julho de 2014

CUIDADO COM A INFLUÊNCIA DOS QUE NÃO CREEM!


Em 2 Coríntios 6.14-18, o apóstolo Paulo faz o alerta sobre a necessidade que tem o cristão de não manter comunhão com os incrédulos ou com o paganismo. Ele usa uma linguagem objetiva para falar de uma relação que não pode existir na vida de um discípulo de Cristo.
A relação denominada de “jugo desigual”, uma alusão à proibição do Antigo Testamento de se lavrar a terra com dois animais diferentes, sendo um mais forte que o outro, está em Deuteronômio 22.10: “Com boi e com jumento não lavrarás juntamente”.
Paulo mostra que deve haver separação entre “fiel e infiel”, justiça e injustiça” “luz e trevas”, “templo de Deus e templo de ídolos”. Assim como água e óleo não se misturam, a comunhão dos santos com os infiéis equivale a “um jugo desigual”;
No versículo 16 Paulo declara que “não há consenso entre Deus e os ídolos”. Você que se confessa cristão e é templo de Deus, templo do Espírito Santo, não pode guardar em seu interior sujeiras que profanem a vida cristã.
A lição que o apóstolo transmite para os coríntios - e para nós - é que a cultura do mundo exterior, extremamente pagã, não deve interferir na vida dos cristãos. Devemos abster-nos de todo tipo de relacionamento que nos leve a transigir nossa fé perante os descrentes e os que tripudiam sobre nossa fé.
O apelo de Paulo para o cristão não se colocar sob um jugo desigual com o incrédulo não é um incentivo à discriminação social. Mas contém a recomendação para que as ações do cristão influenciem as pessoas não cristãs, e não o contrário.
Deve existir uma separação espiritual entre o cristão e os que não creem. Quando corretamente nos separarmos do mal, o próprio Deus nos recompensará, acercando-se de nós com Sua proteção, Sua bênção e Seu cuidado paternal. Ele promete ser tudo o que um bom Pai deve ser. Ele será nosso Conselheiro e Guia; Ele nos amará e de nós cuidará como Seus próprios filhos (v.16-18).
O discípulo que não procura se separar da prática do mal, do erro e da impureza, certamente perderá a comunhão com o Senhor (6.18), perderá a aceitação do Pai (v.17) e até seus direitos de filho (v.18, conforme Romanos 8.15,16).  
Ampliando o entendimento do texto paulino, concluímos que todo cristão que busca compromisso com o Senhor precisa viver em santidade.
A santificação é um processo longo, e é realizada paulatinamente por meio do Espírito Santo, naqueles que a buscam com um coração sincero e puro.
Paulo amava os coríntios, por isso, os advertiu a viver uma vida de santidade na presença de Deus.
O apóstolo, com amor e zelo, advertiu os cristãos de Corinto sobre o jugo desigual e a parceria com os incrédulos.
Ele enfatizou o fato de que é necessário haver separação entre "luz e trevas", "justiça e iniquidade", "templo de Deus" e "templo de ídolos".
Seja luz – ilumine e transmita a Graça e a Paz de Cristo – assim, influencie para o crescimento pessoal e espiritual de tantos quanto estejam perto de você. Influencie, não seja influenciado! (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 13/07/2014).