REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

sexta-feira, 23 de maio de 2014

APENAS FÉ OU FÉ COM OBRAS?

Em Tiago 2.14-26 fica evidente que a fé sem obras é morta. Como dizem os nordestinos, não tem serventia alguma! É certo que a salvação é pela fé, mas a fé impulsiona os salvos a praticarem obras de misericórdia e graça. Esta é a síntese de toda a mensagem bíblica extraída dos ensinos de Jesus. É possível ter uma fé imensa e não alimentar alguém faminto ao seu lado? 
A verdade que fica evidente, ao reunir os ensinamentos, tanto de Paulo, quanto de Tiago é esta: obras e fé se completam. Um cristão – ou melhor um verdadeiro discípulo de Cristo – tem fé e pratica o bem, não em troca de recompensas, mas por praticar o amor ao próximo.
Justificação somente pela fé é importante, e deve ser destacada, mas fé mais obras é igual a Fé atuando através do Amor.
O apóstolo Paulo afirma em Gálatas 5.6 que a fé opera pelo amor!  O maior de todos os mandamentos expressa bem essa síntese: amar e adorar a Deus (ato de fé, somente quem tem fé, pode adorar o ser divino) é complementado pelo amor ao próximo (ato de amor, somente quem ama é capaz de fazer e praticar o bem a outrem).
“A fé, se não tiver obras, está morta em si mesma.” (Tiago 2:17). As obras se expressam através da ação e do agir, conforme a fé de cada um, caso contrário não faz nenhum sentido simplesmente acreditar.
Se há um sonho em você, por exemplo, ser um médico, ou advogado, enfim seja qual for a profissão, mas não se empenhar por ela, não estudar, não gastar tempo e esforço físico e mental, para conseguir o que deseja e acredita, pode-se dizer que esse desejo ou essa "fé" não vale nada! Parece mais coisa da imaginação, apenas um sonho, nada mais. 
A fé sem obras não vale nada! Deus aprova e se agrada da fé, é verdade! Mas é preciso mais!
Temos que viver conforme o que cremos. 
‘Mostra-me a tua Fé sem obras que, eu lhe mostro a minha Fé pelas minhas obras." Muitos são os que não aceitam essa afirmação, pois evidencia que mais que crer (ter fé), importa fazer. Jesus não quer discípulos ociosos e que, apenas, anseiam por receber.
Ele aprova sua fé, mas igualmente aprova sua capacidade e disposição de fazer o bem ao outro, sempre que este precisar. 
O verdadeiro cristão é aquele que cumpre a vontade de Deus e, ajuda o outro a suportar seu fardo, contribuindo como puder e sendo generoso com seus semelhantes.  
Infelizmente muitos não aceitam isso no coração, como se apenas bastasse crer ou aceitar Jesus" para supostamente ser "salvo", mas esses só têm Deus de boca, não de coração.
Importa, ainda, distinguir bem o entendimento de obras e sua aplicação na ação de Jesus e o que Ele espera de Seus discípulos.
É certo que os marginais e os líderes do tráfico -por exemplo – realizam bastante obras em proveito dos moradores (as comunidades dos morros cariocas, como são chamadas), mas eles não aceitam Jesus como seu único e suficiente Senhor e Salvador. Logo, o que fazem não são obras de Deus. Mas Jesus nos ensina: .... “A obra de Deus é esta: que creiais nAquele que Ele enviou”.
Então, não há contradição. Realiza a obra de Deus aquele que crê em Jesus! Assim, o que é feito (as obras) é impulsionado por Deus, não somente para proveito próprio, mas para benefício direto e indireto de seus semelhantes! Louvado seja o Senhor por isso! (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 18/05/2014).