REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

quarta-feira, 10 de março de 2010

A FÉ QUE OPERA MILAGRES SOBRE A VIDA E A MORTE

Mc 5.21-43 nos descreve parte de um dia estafante no ministério de Jesus, que evidencia o mover da graça e do poder de Deus, mediante a fé de um homem intercedendo por sua pequena filha, à beira da morte, e de uma mulher que padecia de uma enfermidade, há muitos anos. Inicialmente assistimos a cena em que Jairo, um dos principais da sinagoga, vai a Jesus e roga que ore pela filha, impondo-lhe as mãos, posto que estava muito enferma, no leito. Depois da decisão imediata de atender ao pedido de Jairo, Ele o segue e é acompanhado por grande multidão. Mas no caminho para a casa de Jairo uma mulher movida pela fé, tem um gesto de coragem e ousadia e, comprimida pela multidão, acerca-se de Jesus e toca em Suas vestes. O gesto foi de coragem e ousadia por que, segundo as Sagradas Escrituras, ela estava imunda - pelo fluxo hemorrágico, incessante -e isolada de todos deveria estar e permancer, jamais tocar em algo ou alguém, posto que ficariam impuros como ela. Mas ignorando os preceitos sagrados e os costumes e hábitos da sociedade hebraica, que discriminava a mulher e sua condição de inferioridade perante os homens, ela TOCOU em Jesus,na certeza de que se tão somente tocasse as vestes, cessaria sua hemorragia. A reflexão de hoje é sobre esses dois momentos. Dessses encontros, tanto com o judeu religioso, que se sabe o nome, quanto da mulher enferma, que não se sabe o nome, aprendemos muito sobre o poder de Deus, em Cristo Jesus, sobre a vida e a morte, mas aprendemos, também, sobre a fé que move a ação de Deus. Vamos aos fatos expostos no texto biblico e sua exegese:
I - O HOMEM COM PROBLEMA SE ENCONTRA COM A COMPAIXÃO DE JESUS.
O que sabemos sobre Jairo? Que ele era superintendente da sinagoga de Cafarnaum, que presidia o conselho dos anciãos e, aos sábados e dias especiais, dirigia os cultos. Sabemos que os seus pares faziam oposição a Jesus, e seria natural que ele também assim procedesse. Mas, ao contrário, quando o problema da enfermidade da filha se agravou, Jairo não vacilou e procurou por ajuda daquele que estava curando enfermos, expulsando demônios, pregando salvação e a chegada do Reino de Deus. Essa atitude de fé, pode-se perfeitamente afirmar que foi motivada pela grande aflição, posto que ao ver sua filha à morte, ele vai a Jesus, esperando que Ele a curasse. É exatamente neste momento, na aflição, quando o homem se depara com um problema de difícil solução ou insolúvel, mesmo, que a fé encontra solo para frutificar. No meio das situações adversas, do choro e da tristeza, é que Jesus pode se tornar mais real na vida do homem, que se sente fraco e impotente, dada a gravidade do problema. A fé em Jesus conduziu Jairo à oração sincera. Ele como judeu estava habituado a ler e recitar as orações na sinagoga. Mas orações quando lidas não passam de meros rituais, repletas de formalismos, mesmo que sejam faladas com voz forte e alta, não passam de simples palavras. Para Deus importam as palavras da oração que faz vibrar o coração. A oração com fé obtém resposta, sempre. E assim aconteceu com a oração de Jairo. Ele se chegou à Jesus, falou-lhe do problema, a enfermidade da filha, pedia Sua ajuda, em um gesto de fé, e Jesus respondeu positivamente, movido por Sua compaixão, que dura para sempre (Sl 136).
II - O HOMEM APRESSADO SE ENCONTRA COM A CALMA DE JESUS.
O v.24 afirma de forma única e plena de significado, pela própria simplicidade da frase: "Jesus foi com ele". É assim que Jesus age. Quando identifica uma necessidade humana, quando clamam a Ele, vê-se a reação mediante a atitude de ir ao problema para resolvê-lo. Mas eis que no caminho,Jesus, Jairo e a multidão que os acompanhavam são interrompidos por uma mulher que, em outro gesto de fé, toca em Jesus esperando ser curada. Imediatamente Jesus interrompe a caminhada, procura por quem o havia tocado - pois lhe saíra poder de cura - e quando a mulher se identifica, fala com ela. Alguns minutos certamente se passaram e aí Jairo que estava apressado, viu-se impedido de prosseguir, pois o Mestre estava tratando de outro problema; a diferença é que na mulher já havia chegado a cura... mas sua filha ainda esperava ser curada. E o Mestre estava ali parado....e ele Jairo nada podia fazer. Para a mulher que já sentia a cura atingir seu corpo, a bênção havia chegado. Ela alcançara o favor do Rei. Mas para Jairo que tinha pressa, eis que surgira um contratempo. Jairo estava ansioso, tinha pressa, afinal era a vida de sua filhinha. Mas Jesus estava calmo. Ele sabia que a bênção que vem sobre um não impede a que está para acontecer sobre o outro. Aqui há, ainda, outro ensinamento: o atraso concorreu para o bem daqueles que buscavam a Cristo. Somente isto explica o fato de que um homem fora a Jesus com fé, esperando pela cura de sua filha, mas na realidade vai presenciar a ressurreição dela.
III - O HOMEM DESESPERADO SE ENCONTRA COM O CONSOLO DE JESUS.
Logo após a cura da mulher com o fluxo de sangue, quando Jesus ainda falava com ela sobre fé, salvação e cura, eis que chegam emissários da casa de Jairo com péssimas notícias, pois sua filha havia morrido, portanto não precisava mais incomodar Jesus. A morte pusera um fim na possibilidade de cura, tudo estava perdido, nada mais fazia sentido. Por que incomodar o Mestre? Ocorre que antes que a bênção chegue e contemple os que com fé a buscam, muitas vezes ouvimos palavras duras que nos fazem mal, gerando desânimo e até desespero, pondo-nos à prova. O v. 36 afirma que Jesus não deu ouvido a tais palavras e disse a Jairo:"Não temas. Crê somente". A intervenção de Jesus é sempre imediata. Ele consolou aquele pai, não permitindo que seu desespero se transformasse em amarga descrença. Então, depois disso, Jesus prosseguiu para a casa de Jairo; como não queria o alvoroço da multidão e dos demais discípulos que O seguiam, pediu que apenas fosse acompanhado por Jairo e por Pedro, Tiago e João.
IV - O HOMEM AGITADO SE ENCONTRA COM O CONTROLE DE JESUS
Ao chegar à casa de Jairo o quadro era desolador. Havia muita agitação, choro e desespero. A menina havia morrido, era tarde demais. mas logo Jesus mostrou estar no controle de tudo, perguntando-lhes: "Por que estais em alvoroço e chorais? A criança não está morta, mas dorme". Em resposta as pessoas riram dEle. Como seria possível, todos viram que a menina estava morta e aquele homem, mesmo sendo profeta, ousava dizer que ela simplesmente dormia? Mas Jesus não se importou com a descrença, o desespero e a agitação dos homens e foi ao aposento da menina.
V - O HOMEM INCAPAZ SE ENCONTRA COM O PODER DE JESUS.
Naquele aposento ficou confirmada a incapacidade do homem diante dos revezes da vida, especialmente da morte. Mas com fé sabemos que quando se manifesta a impotência e a incapacidade humana para realizar algo que é impossível para nós, manifesta-se o poder de Deus e, então, Deus age sobrenaturalmente. Na presença daquelas poucas testemunhas Jesus toma a menina pela mão e ordena em aramaico:" Talita cumi", menina eu te ordeno, levanta-te. Imediantamente a menina de 12 anos se levanta e anda, deixando a todos impactados pela manifestação do poder de Deus. Os cuidados de Jesus não cessam, pois ante a extrema perplexidade de todos ali, vê-se a extrema naturalidade e simplicidade de Jesus ao pedir que não tornassem público o que ali ocorrera . Como se isso fosse possível? Todos estavam atônitos e a notícia do milagre da ressurreição da filha de Jairo logo seria de conhecimento público. Por fim, Jesus pede que alimentassem a menina, pois certamente estava faminta. Saibam todos que assim é o nosso Senhor, libera a bênção no presente e se mostra atencioso e zeloso com o futuro de todos quanto O buscam, em espírito e em verdade. (Síntese da mensagem deste pastor levada à Comunidade no culto de domingo 07/03/2010)