REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

O PERDÃO E A LIBERAÇÃO DAS BÊNÇÃOS DE DEUS!

Por que é tão difícil, às vezes, perdoar?
Todos querem ser abençoados, mas muito poucos aceitam perdoar a quem, por alguma razão, o ofendeu ou prejudicou.
Saiba que há uma relação bem direta entre a bênção e o perdão! Quem quiser que a bênção prossiga e seja abundante em sua vida deve perdoar, porque, à medida que perdoar, será perdoado (Lucas 6.37).
Uma das palavras para perdoar, encontradas na Bíblia, é "apoluo", que no grego significa "soltar, deixar ir, cortar as correntes, liberar". O contrário de perdoar é "prender, reter".
Quando você não perdoa ao outro, está retendo a bênção na vida dele.
Perdoe, então, a quem ofendeu você, e de igual forma, peça perdão a quem você ofendeu, para que as bênçãos de Deus não sejam impedidas ou retidas, mas sim liberadas!
Reflita sobre isso e perdoe...... e no Senhor, aguarde, pois, as bênçãos, que até agora estavam retidas, jorrarão como cachoeira sobre você!
Quem verdadeiramente ama, perdoa!
À todos vocês, leitores deste blog, um final de semana abençoado e na proteção de Deus, que, em essência é Amor, e, portanto, Perdoador, por excelência!
Não se esqueça: quem verdadeiramente ama, perdoa! 

terça-feira, 8 de setembro de 2015

COMO DEVE SER IDENTIFICADA A IGREJA QUE DERIVA DOS ENSINAMENTOS DE CRISTO?

A Igreja de Cristo deve ser aquela em que são evidenciados dois pontos centrais: o amor a Deus, o que nos leva a buscar incessantemente a salvação; e o amor ao próximo, o que nos leva a buscar incessantemente relacionamentos mais solidários e fraternos com todos. Tanto em um caso quanto no outro, o destaque deve ser a verdadeira conversão. 
É preciso entender que o processo de conversão é mais do que a simples aceitação de Jesus como Senhor e Salvador. 
Conversão é sinônimo de transformação – embora gradual e contínua -  que implique em mudança radical de vida. 
Antes, não resistíamos ao pecado; agora, convertidos, o pecado continua a nos rondar, mas resistimos a ele, resistimos a Satanás e ele foge de nós. 
Outro aspecto a considerar: Jesus não confirma a essência da teologia da prosperidade, posto que a palavra prosperidade assume um conceito bem mais amplo do que muitos entendem. Há prosperidade material, mas há, principalmente, prosperidade espiritual. Para Jesus, quem frutifica, espiritualmente, supera em muito quem frutifica materialmente. Não adianta, apenas, ter; é preciso ser. 
A bênção – ou a graça, o favor de Deus – não pode ter o propósito de deixar alguém mais rico, mais próspero, mas o de transformar em uma pessoa melhor.
E quando digo melhor estou me referindo a ser uma pessoa que se doa, entrega-se ao outro e à outra, em atitudes generosas de amor e aceitação. 
A verdadeira Igreja de Cristo é uma igreja onde os relacionamentos são evidenciados, sendo, então, cada vez mais inclusiva, acolhedora, que prega e vive o jeito doador de Jesus, que a Si mesmo se entregou por amor a todos. 
A Igreja de Cristo precisa ser conhecida não pela denominação dada por homens, mas por que prega e vive o amor, posto que   não aceita intolerância, hipocrisia e qualquer forma de preconceitos, uma vez que compreendeu – definitivamente – que não existem méritos, em nós mesmos, que nos façam especiais e dignos de sermos salvos, mas que Deus – que é Amor – deseja que Sua Igreja alcance a todos e que todos – sem exceção - sejam salvos! Assim, quem ficar de fora é por que assim escolheu, assim preferiu!