REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

MAIS DO QUE OUVIR, É PRECISO PRATICAR!


Romanos 10.17 nos afirma que a fé vem pelo ouvir. 
É importante ouvirmos a Palavra de Deus. 
No entanto, só ouvir não é o suficiente.
Quando não gera transformação em nós e em nosso meio, aquilo que ouvimos se torna inútil. Jesus espera que ouçamos Sua palavra e a pratiquemos. 
No final, vamos ser julgados não pelo que ouvimos e fomos capazes de repetir, mas pelo que conseguimos fazer com base naquilo que ouvimos. 
O insensato da ilustração usada por Jesus em Mateus 26.24-27 chegou a construir sua casa, mesmo que sobre a areia, e só depois percebeu o prejuízo.
A areia representa o perigo da aparência e da superficialidade.
Aparentemente é seguro, mas não é!  
Tiago 1.22-25 expõe que aquele que ouve a palavra e não a pratica é comparado a um homem que se olha no espelho e depois se esquece de sua aparência?
Um homem quando se olha em um espelho, faz por alguns instantes. Logo, no minuto seguinte, algo aconteceu e sua feição, ou aquele penteado no cabelo foi revolvido pelo vento, ou ficou molhado pela chuva!
Já Tiago 1.25  afirma  que aquele que pratica o que ouviu será feliz em tudo o que fizer.
Se não confiamos em Jesus, vamos achar Suas palavras bonitas de se ouvir e boas para se falar — mas não reais para se viver.
O julgamento para aqueles crentes que ouvem, mas não praticam, será a ausência da comunhão divina: ‘Nunca vos conheci’.
Existe uma diferença entre os sinais do poder e da ação de Deus e os sinais de que pertencemos a ele. 
Deus pode expulsar demônios usando qualquer pessoa.
Os milagres são sinais do poder de Deus, não de que pertencemos a Ele.
Os sinais de nosso pertencimento SÃO OS FRUTOS DA OBEDIÊNCIA, DE PRATICAR AQUILO QUE JESUS ENSINOU.
São estes os frutos que Jesus espera encontrar naqueles que dizem: Senhor, Senhor!  
Não se esqueça: a fé em Jesus não é fé real enquanto não fazemos o que Ele nos manda fazer. 

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

AJUDA-ME SENHOR NA MINHA FALTA DE FÉ!

O texto de Marcos 9.14-27 nos narra mais uma intervenção sobrenatural de Jesus Cristo. Desta feita, trata-se de uma libertação de um jovem que se achava possesso de um espírito maligno; o destaque de tudo está no v.24b quando o pai do jovem afirma ao Messias: " Creio, mas ajuda-me a vencer a minha incredulidade". Este versículo é muito apropriado e bem retrata a situação de muitos, hoje em dia!Você está assim? Diante de muitas situações difíceis, aflitivas, até, você vê o quanto sua fé parece ser tão pequena! E aí você fala ao Senhor: Eu creio em ti, ó Senhor, ajuda-me até para crer e me firmar mais!!!Você percebe o quanto é fraco e dependente dEle? Como bem disse Paulo “ quando sou FRACO, é que sou FORTE (2 Coríntios 12.10b), porque Deus está comigo e Ele é quem me fortalece! Deus não depende de nossa fé para agir – tanto que o menino foi liberto apesar da admissão sincera do seu pai.Já pensou se Deus agisse assim: Digamos que você como um pai ou uma mãe, esteja orando e pedindo por um milagre na vida de seu filho que está na UTI de um hospital. Mas aí digamos que o Senhor observa que você está orando sem ter muita fé, e até vê com Seu olhar Todo Poderoso que você está muito ansioso e até amedrontado, desesperado sem muita fé. E se o Senhor dissesse para Si mesmo: "Ele está orando a mim mas existe muita dúvida em seu coração. Então, não vou ouvir sua súplica". O que acontecerá, então? O doente, simplesmente, morreria! Então, você se sentiria culpado, porque sua pouca fé fez seu filho morrer. Na realidade, Deus age QUANDO e COMO Ele quiser! Ele não precisa esperar termos fé SUFICIENTE, mas se agrada quando buscamos confiar mais nEle. Um pedido como o daquele pai demonstra humildade e o desejo sincero de fazer a vontade de Deus. Não há media certa para a fé – isso só traria comparações até orgulho para as pessoas cuja fé fosse considerada maior. Mas é importante que sempre busquemos crer mais. Quando pedimos ajuda de Deus para vencer nossa incredulidade, Ele provavelmente vai nos fazer passar por outras situações que testem nossa confiança nEle. E assim, de experiência em experiência, vamos crescendo nEle por vermos Seu agir diário em nossa vida. Se você gostaria de pedir para ter mais fé, não hesite ou tenha vergonha de pedir ajuda a Deus. Ele não nos rejeita por causa de nossas fraquezas e incapacidades. Ele nos criou e sabe de nossas imperfeições e limitações. Mas Ele transforma nossas vidas, quando a entregamos em Suas mãos! Deus está sempre disposto a nos ajudar! Então, não se esqueça: PEÇA AJUDA A ELE, ATÉ MESMO QUANDO FOR PARA CONSEGUIR TER MAIS FÉ NELE! (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 13/11/2016).


quinta-feira, 20 de outubro de 2016

COSMOVISÃO CRISTÂ: FÉ E RAZÃO, SIM! FANATISMO E INTOLERÂNCIA, NÃO!

Vivemos um tempo em que cada um tem sua “verdade” e seu modo de interpretar a vida. Mas a questão que coloco é: como são, na visão de Deus, a ciência, a tecnologia, a família, a religião, a juventude, a sexualidade, a educação, os negócios, o governo, a igreja e todas as áreas da vida? Questões assim são diariamente a nós apresentadas, mas muitas respostas são distantes e inconsistentes, respaldadas em uma fé superficial, emocional, muito mais fruto de sensações, do que da razão ou do pensamento bíblico. Nossas respostas a essas questões têm ligações com a forma como interpretamos as coisas e como vemos o mundo em nossa volta, ou seja, com a cosmovisão. Cosmovisão é um conjunto de suposições e crenças que alguém usa para interpretar e formar opiniões acerca da sua humanidade, propósito de vida, deveres no mundo, responsabilidades para com a família, interpretação da verdade, questões sociais, etc. Um cristão deveria ver essas coisas, e todas as demais, guiado pela luz que recebe de  Deus. O problema que se apresenta, em relação ao cristianismo atual, é que muitos mesclam a cosmovisão cristã, que se sustenta na Bíblia como Palavra de Deus, que não faz acepção de pessoas e que é Amor, com a cosmovisão das diversas correntes do pensamento humano. E aí, ao lado da misericórdia de Deus que dura para sempre, convivem a intolerância e a rigidez religiosa de tantos que acreditam expressar Deus, mas o que fazem é afastar o homem cada vez mais dEle! Triste e lamentável! Por isso, busquemos mais de Deus e menos do homem; mais de Deus e menos da religião!  

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

A IGREJA ADORMECIDA!

O que é a Igreja de Cristo? 
Aprendemos em nossa caminhada com Jesus, que Sua Igreja somos nós! 
Eu e você somos a Igreja do Senhor. 
Originalmente, Igreja vem do grego eklesia e significa assembleia por convocação, reunião e ajuntamento dos primeiros cristãos, a comunhão cristã. 
A igreja de Cristo, então, é uma só. 
Ela não tem placa, não possui um nome, uma denominação.
Ela é simplesmente – e maravilhosamente – a IGREJA DE CRISTO. 
Ela nasceu – como nos descreve o livro de Atos dos Apóstolos, no capítulo 2 - de forma simples e majestosa. Os apóstolos, antes homens inseguros e tímidos, depois agigantam-se e se tornam fortes e destemidos. Corajosamente enfrentam, com a mensagem das Boas Novas de Graça e Paz, as forças poderosas do império romanos e de seus deuses. E a partir daí,  resiste aos anos, resiste às décadas, resiste aos séculos e aos milênios seguintes, e se fortalece e atinge todos os continentes. 
A Igreja passa a receber pessoas de todas as classes, de todas as origens, de todas as etnias, e provenientes de todas as crenças. 
Ela, a Igreja, influenciou a história das civilizações, de forma positiva, mas também de forma negativa. Junto com o trigo, adentra à Igreja, a cada dia, também o joio. Junto com as coisas boas, trazemos – cada um de nós – também as mazelas e um saco cheio de maldades. E é claro que isso não agrada a Deus! Mas aí a Bíblia diz que “os que são guiados pelo Espírito Santo são filhos de Deus” (Romanos 8.14).
Portanto, se quisermos ser e estar sempre cheios do Espírito Santo devemos permitir que Ele nos guie. 
Se Ele nos guiar, seremos de fato filhos e filhas de Deus.
Se Ele nos guiar, seremos de fato, a Igreja Imaculada de Cristo! 
Se Ele nos guiar, mais do que cristãos, seremos DISCÍPULOS E DISCÍPULAS DE CRISTO! Fique atento, fique vigilante, não vacile, não durma! 
Se você dormir, a igreja adormece! 
Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas (Apocalipse 3.13).


sábado, 2 de julho de 2016

SE ESTÁ EM CRISTO, NOVA CRIATURA É, EIS QUE TUDO SE FAZ NOVO!

            ”Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já  passaram; eis que tudo se fez novo." 2 Coríntios 5.17

Muitos são os que conhecem este versículo, mas não têm uma visão e percepção clara sobre ele. Muitos até supõem que a afirmação de que "as coisas velhas já passaram" se referem a sofrimentos, ou qualquer coisa ruim que tenhamos passado, e que, agora, que aceitamos a Cristo, nossa vida será agradável, pura alegria. Mas a mensagem é bem diferente disso! Contextualizando os fatos: Paulo, apóstolo de Jesus, foi convertido ao evangelho de uma maneira diferente dos demais apóstolos, que por sua vez passaram anos convivendo diariamente com Jesus. Lemos sobre a conversão de Paulo em Atos 9. Em Corinto, a igreja era frágil, cercada pela idolatria e pela imoralidade. Seus membros passaram por dificuldades em questões que envolviam a fé e o estilo de vida cristão. 
Assim, Paulo precisou adverti-los inúmeras vezes a respeito destes pontos.Ainda havia a presença dos falsos profetas, que tentavam levar o povo de Deus ao engano.Portanto,fez-se necessário instruir os novos convertidos.No versículo citado, Paulo começa com uma importante observação: "...se alguém está em Cristo...". Estar em Cristo não significa ter feito uma oração em uma igreja dizendo que aceita Jesus como Salvador. Isto é o início. Estar em Cristo significar viver com Cristo. Estar bem próximo de Cristo. E isto se dá através da oração, do estudo da Palavra. Enfim...para ter proximidade com Jesus é preciso ser íntimo de Jesus! Se você acaba de conhecer uma pessoa no local de trabalho ou na escola, por exemplo, você não é íntimo desta pessoa, concorda? Você apenas a conhece superficialmente... porém, se você, a partir do dia que a conheceu, passar a conversar mais com ela, frequentar sua casa, participar de vários momentos da sua vida, você se tornará íntimo! De igual maneira, deve ser nosso relacionamento com Jesus. O primeiro passo é conhecê-Lo, pedir para Ele entrar em nossas vidas, e aí damos continuidade ao processo de conhecimento e intimidade.E como poderemos conhecer melhor a Jesus? Orando, lendo a palavra, levando o evangelho a quem não o conhece. Desta forma seremos íntimos de Deus. E é o que Ele deseja! Porém, depende de nós! Quando nos tornamos novas Criaturas em Cristo, precisamos que as coisas velhas passem. E qual é o significado das coisas velhas? Coisas velhas são todas as coisas que praticávamos quando não éramos salvos, antes de nos entregarmos a Ele. Todo o pecado, todas as coisas do mundo que praticávamos, pensamentos,  lugares e ambientes frequentados! Enfim, tudo aquilo que fazíamos e que não pertence a Deus. Importa hoje praticar uma espécie de filtro na vida, para julgar o que agrada ou não a Deus. É bem simples, e basta você se perguntar: "eu convidaria Jesus para ir comigo neste lugar?" ou "Jesus faria isso?". Se a resposta for não, então, o lugar ou a coisa, não pertencem a Deus. Quando tomamos consciência disso, tornamo-nos novas criaturas, e tudo se fará novo! Quando agimos assim, ganhamos de Deus, uma nova vida, pois somos perdoados de nossos pecados e Ele nos dá uma nova chance! A hora é agora! Ore, peça perdão a Deus, peça a Ele para ajudá-lo a mudar de vida e, certamente, tudo se fará novo! Glória a Deus, por isso! (Mensagem anunciada na Comunidade no culto de domingo 19/06/2016).

terça-feira, 24 de maio de 2016

A GRATIDÃO DESPERTA O INTERESSE DO SENHOR!

Em Lucas 17.11-19 nos deparamos com um encontro de Jesus com 10 leprosos que, de longe, gritam por cura. Vemos que o Senhor os cura. Mas, apenas, um deles, já curado, volta para agradecer pelo milagre.  Este gesto de gratidão tocou tão fundo o Filho de Deus que Ele declarou a salvação sobre ele.
O que é mesmo gratidão?
É o ato de reconhecimento de uma pessoa por alguém que lhe prestou um benefício, um auxílio ou um favor.
No contexto religioso, podemos compreender gratidão como um sentimento de dívida em direção à Deus.
No Caminho com Cristo, a expressão de gratidão a Deus é tema importante, vital até.
1. IMPORTA, ENTÃO, DESENVOLVER UM ESTILO DE VIDA DE GRATIDÃO: O salmo 50. 14 nos ensina que  devemos oferecer em sacrifício à Deus a nossa gratidão, cumprindo nossos votos para com o Altíssimo.
A nossa gratidão é como oferta aos olhos de Deus e devemos fazer votos a Ele como gratidão por nos abençoar.
Outro destaque encontramos no Salmo 50.23: " Quem me oferece sua gratidão como sacrifício, honra-me e eu mostrarei a salvação de Deus ao que anda nos meus caminhos".
Devemos, continuamente, agradecer a Deus pelos dons e privilégios que nos proporciona e pelas oportunidades de posição que Ele nos eleva.
2. NÃO NOS ESQUEÇAMOS: A INGRATIDÃO É PRÓPRIA DOS ÍMPIOS E DE PESSOAS SEM TEMOR À DEUS: 2 Timóteo 3.1,2 afirma que ..."nos últimos dias sobreviverão tempos terríveis, os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios". 
Portanto, a ingratidão é um dos sinais dos últimos tempos.
3. POR ISSO, HÁ UMA CLARA ADVERTÊNCIA BÍBLICA CONTRA A INGRATIDÃO: Em Deuteronômio 8.10-14. Muitos são os que recebem bênçãos, mas se esquecem de que tudo vem do Senhor.
Muitos são os que clamam à Deus quando estão passando por sérias dificuldades, ou desempregadas, em crise financeira, familiar, conjugal, abandono, em situação de injustiça e perseguição, mas que quando são atendidos pelo Senhor, logo se desviam, não mais congregam, não mais contribuem para a Obra, não entregam seu dízimo, sua oferta de agradecimento, ao contrário, mal agradecidos, se afastam da doce comunhão com a igreja e até de Deus.
4. DEVEMOS AGRADECER À DEUS POR TODAS AS BÊNÇÃOS RECEBIDAS: O Salmo 103.1,2 afirma " Bendize, ó minha alma ao Senhor, e tudo o que há em mim, bendiga o Seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios".
Este salmo expressa ação de graças e louvor ao Senhor pelos privilégios e bênçãos que Ele concede ao Seu povo. Não devemos nos esquecer de sua benignidade e bondade, sua misericórdia e compaixão, que duram para sempre.
5. PRECISAMOS LOUVAR A DEUS COM MUITA GRATIDÃO NO CORAÇÃO: Colossenses 3.16 afirma: "Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente com toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração".
6. FINALMENTE, DEVEMOS ORAR E VIGIAR COM GRATIDÃO: Colossenses 4.2 afirma " Dediquem-se à oração e esteja alertas e agradecidos".
Devemos ter uma vida de gratidão, tanto na adversidade, como nos momentos festivos, no bem e no mal, no sucesso e no fracasso, em tudo, enfim.
Neste momento, estamos muito agradecidos a Deus pelos 10 anos da Comunidade.
Por isso nos alegramos e celebramos com muita gratidão ao Senhor! 
Salve 28 de maio! Salve o Senhor!
(Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade no culto de 22/05/2016).

domingo, 22 de maio de 2016

TODO CUIDADO É POUCO COM OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE ADÃO!

Na história da queda do homem, em Gênesis 3, acontece algo que todos nós sempre repetimos.
A história diz que, depois que Adão e Eva pecaram, Deus os chamou para conversar como era de costume.
Porém, eles não responderam e se esconderam. Então, Deus os chamou novamente, e Adão respondeu que, porque ele estava nu, teve medo e se escondeu.
Deus faz duas perguntas para Adão. 1ª) Como ele sabia que estava nu? 
e 2ª) se eles haviam comido da árvore do conhecimento do bem e do mal.
Note como Adão respondeu à pergunta de Deus, dizendo: “A mulher que tu me deste, me deu o fruto da árvore e comi”. Adão não assume o seu erro.
Pelo contrário, joga a culpa sobre Eva, e esta acaba por fazer a mesma coisa.
Depois de analisar este versículo e ver como o ser humano é, percebemos que, em várias situações do dia a dia, o ser humano comete o mesmo erro que Adão: joga a culpa no outro. Chamamos isso de “síndrome de Adão”.
Síndrome tem a ver com uma situação médica descrita como um estado caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas, e que pode ser produzido por mais de uma causa.
Infelizmente isso acontece muito nos relacionamentos: família, namoro, estudos, trabalho, amizades, e outros mais. Gostamos de jogar as responsabilidades dos nossos erros sobre os outros. E por que fazemos isso?
Várias podem ser as respostas.
Porém, o que importa destacar é o fato de que, quanto mais procurarmos culpados para justificar nosso erro, mais continuaremos errando.
Precisamos parar de jogar a culpa sobre os outros e assumir os nossos pecados e erros. Este é o primeiro e maior passo para qualquer mudança em nossa vida.
Se atentarmos para a história das civilizações percebemos que o homem busca incansavelmente desgrudar-se do cordão umbilical de Adão.
Não somente em termos históricos, mas cultural e religiosamente, e a maior testemunha somos nós mesmos, de que a existência humana foi formada nas entranhas da desobediência. Assim como Adão procedeu, assim procedemos nós. 
Olhar para o relato da queda é olhar para a nossa própria história, que se reproduz cotidianamente em nossa caminhada e nos passos da história que Deus traçou.
Estas realidades são marcantes na caminhada da humanidade gerando a desarmonia familiar que cobre toda a humanidade.
Como no Éden a nudez maior era a da alma, inútil foram as folhas de figueira.
Por mais que o homem busque cobrir a nudez da alma com subterfúgios diversos, todo recurso será pequeno, porque o visível jamais poderá cobrir o invisível.
As novas roupas que são necessárias para cobrir o nosso ser, foram tecidas majestosamente na cruz do calvário. 
Adão procurou fugir da presença de Deus, escondendo-se.
A fuga é uma realidade de todos nós, somos errantes peregrinos, procurando os antros dos prazeres mundanos, da intelectualidade, do poder e até  da negação da ação de Deus a favor da humanidade.
Por mais duro que possa parecer o diálogo de Deus com Adão, a Verdade de Deus é extremamente reveladora e transformadora, Jesus é a verdade e amor, pois, “Fez o Senhor Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu” Gênesis 3.12.
O primeiro sacrifício quem faz na Bíblia foi o próprio Deus e o faz para vestir o homem.
Este sacrifício apontava para o sacrifício perfeito, de Cristo Jesus na cruz do calvário.
sangue  de Jesus teceu definitivamente uma roupa de: amor, paz e alegria, para as nossas vidas.  Apesar de agirmos para com Deus à semelhança de Adão, a Bíblia diz que “Deus prova o seu amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. ” Romanos 5.8.
Portanto, a síndrome de Adão está impregnada em nós, porque a síndrome é de cada um, e o melhor a fazer é buscar o Verbo da Vida, Jesus.
Ele é quem definitivamente desarticula os nossos planos de morte.
É nEle que a nossa alma tem descanso, somente nEle a vida tem sentido. 
Glória a Deus, por isso! 
(Reflexão com base em mensagem anunciada no culto de 16/05/2016)


quinta-feira, 14 de abril de 2016

PRECISAMOS SER – COMO IGREJA – UMA COMUNIDADE DE DISCÍPULOS!

O capítulo 17 do Evangelho de João é marcante, posto que é a oração sacerdotal de Jesus, proferida no jardim do Getsêmani, um pouco antes de Sua prisão. Refletindo na oração do Filho ao Pai, vemos que o tempo todo Ele intercede por nós. Cada um de nós é igreja. Cada um é templo e morada do Espírito. Como unidade somos o corpo de Cristo que é a comunidade dos santos, ou seja, de discípulos.  
O Senhor nos desafia não só a ganhar vidas para Ele, pois, vai muito além que é fazer discípulos de todas as nações.
Talvez hoje com tanto descrédito que a igreja tem enfrentado, o maior desafio seja ganhar confiança das pessoas.
Jesus como um bom Mestre foi um bom discípulo do Pai, e nos ensina em João 17 na oração sacerdotal, como deve ser uma comunidade de discípulos! 
Em especial, destaco, o v. 21 :    
 “a fim de que todos sejam um; e como és tu, o Pai, em mim e eu em ti, também sejam um em nós”.
I. EM UMA COMUNIDADE FORMADA POR DISCÍPULOS, PRECISAMOS SER UM!
A pluralidade na unidade revela o caráter de Cristo que mesmo sendo um é um com o Pai. Quando Jesus vai ressuscitar a Lázaro ele fala ao Pai “sei que sempre me ouve” (João 11:42). Ele estava o tempo todo ligado ao Pai. 
Você consegue imaginar um membro, tipo uma perna, ou um braço andando sozinho por aí? Ele disse: “a fim de que sejamos um! ”
Como é uma igreja unidade? Como você pode contribuir para a unidade da igreja em termos práticos?
Outro destaque: (v. 21(b) e 22) “Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado”.
II. EM UMA COMUNIDADE DE DISCÍPULOS REFLETIMOS CRISTO!
Deus tem derramado da Sua Glória através do Espírito Santo com um propósito: “Para que o mundo creia que tu me enviaste”.
Ele nos enviou a fazer discípulos dizendo “Ide e fazei discípulos”. (Mateus 28.19)
Os homens têm um vazio que só Jesus pode preencher e uma paz que só Ele pode dar.
Mas os cristãos agem, às vezes, por partidarismo, vanglória, e isto é totalmente contrário ao que prescreve I Coríntios 13 “o amor tudo crê, tudo espera tudo suporta [...] não busca seus interesses, não se alegra com a injustiça”.
Se Deus é amor, o Espírito Santo é Deus e Ele habita em mim, então, o discípulo que aprende de Jesus, reflete Cristo e Seus atributos.
Mas como podemos manifestar a unidade da igreja em nossa vida, na cidade e no bairro onde moramos?
Que ações práticas podemos realizar para, na unidade, revelarmos Cristo?
(v. 23) “...a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo creia que tu me enviaste e os amastes...”
III. EM UMA COMUNIDADE DE DISCÍPULOS SOMOS APERFEIÇOADOS
Estamos literalmente em um discipulado, pois se estamos sendo aperfeiçoados na unidade significa que somos unidos.
Porém, estamos distantes de uma perfeição, e como pessoas que se autoflagelam.
Precisamos ser ensináveis. 
E como somos aperfeiçoados?
Ninguém aprende algo simplesmente por ouvi dizer. É preciso treinar, praticar!
Muitas vezes, e não poucas, vamos nos estranhar e nos indispormos uns com os outros. 
Gálatas 6:1,2 Paulo nos chama corrigir em amor e suportar uns aos outros.
Jesus na Santa Ceia já sabia que Judas o trairia, mas não o pôs para fora, antes Ele dá sempre a oportunidade de aperfeiçoamento onde errarmos, melhorar.
Você já teve conflitos na igreja? Como você resolveu? No que esses conflitos contribuíram para o seu crescimento?
Saiba que a essência da mensagem de Jesus se fundamenta no relacionamento, pois a pessoa que aceita a Cristo e fica isolada em casa com seu Senhor, torna-se egoísta, pois só quer receber, e não compartilhar.
Muitos são os que dizem algo como: “Jesus resolveu os meus problemas, então, para que vou à igreja? Oro em casa, ouço pregações em casa”.
Porém, se a condição é que todos que recebem a Cristo sejam um, essa pessoa será uma consigo mesma?
Ele disse: “Para que o mundo creia...”
Finalmente, então, precisamos compreender que ser discípulo é abrir mão, é aprender a compartilhar, a viver em comunhão, aceitando e amando o outro, tão falho quanto nós mesmos!(Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 10/04/2016).

quinta-feira, 7 de abril de 2016

SEMEANDO HOJE PARA COLHER AMANHÃ!

 O apóstolo Paulo em Gálatas 6.6-9 nos ensina sobre a lei da semeadura e da colheita. O conceito bíblico de semear e colher se refere às consequências de nossos atos, pois “o que semear a perversidade colherá males” (Provérbios 22.8) e “o que semeia justiça recebe galardão seguro” (Provérbios 11.18). Você tem semeado? Vejamos como desdobramos a Lei da Semeadura e da Colheita: Somente colhe quem planta: v.6 “aquele que está sendo instruído na palavra faça participante de todas as coisas boas aquele que o instrui”. A primeira regra da Lei da Semeadura e da Colheita ensina que somente quem planta é que colhe. Quem deixa de semear por causa de situações adversas, aumenta sua dificuldade, pois “quem observa o vento, não semeará e o que atenta para as nuvens não colherá” (Eclesiastes 11.4). Ninguém pode dizer que não planta por falta de semente, pois quem provê a semente é Deus (2 Coríntios 9.10). Existem pessoas que estão passando necessidades por não terem plantado para o futuro e ainda outros que viveram privações no passado, mas se prepararam e agora estão colhendo abundantemente, porque “os que com lágrimas semeiam, com júbilo ceifarão, quem sai andando e chorando enquanto semeia, voltará com júbilo trazendo seus feixes” (Salmo 126.5,6). Aprendemos que o que devemos fazer em Eclesiastes 11.6 pela manhã e à tarde de cada dia:  “pela manhã semeia a tua semente e à tarde não retenhas a tua mão, pois tu não sabes qual das duas prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas serão igualmente boas” (Eclesiastes 11.6). Você não está colhendo? Plante e então colherá! Você só colhe o que foi plantado: v.7,8 “não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará. Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna”.
O segundo aspecto da Lei da Semeadura e da Colheita ensina que somente colhemos do que semearmos. Quem planta cereal colhe cereal, quem planta frutas colhe frutas e assim por diante, tudo que plantarmos será colhido.  Este conceito é muito sério, baseado na justiça de Deus, nos dando a garantia de que “os que lavram iniquidade e semeiam o mal, segam o mesmo” (Jó 4.8). Plante coisas boas e espere colher seus benefícios. Jesus contou a parábola do joio e do trigo para ensinar que às vezes plantamos algo de bom e o inimigo vem e mistura uma semente ruim (Mateus 13.24-30). Mesmo assim, não podemos separar o bom do ruim por nós mesmos para não arrancarmos o que é bom junto com o que é mal, “por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos” (Gálatas 6.10). O que você tem plantado? Plante somente coisas boas! A colheita é proporcional ao plantio: v.9: “e não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos”. O terceiro aspecto da Lei da Semeadura e da Colheita assegura que a quantidade que colhemos é proporcional ao tanto que semeamos. A quantidade de sementes plantada determina quanto será colhido, porque “aquele que semeia pouco, pouco também ceifará e aquele que semeia em abundância, em abundância também ceifará” (2 Coríntios 9.6). Jesus ensinou que devemos plantar sabendo que embora não sejam todas as sementes que germinam, aquelas que crescem produzem “a trinta, sessenta e cem por um” (Marcos 4.20). Deus é quem “aumentara a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça” (2 Coríntios 9.10). Você deseja uma colheita abundante? Plante o máximo que puder! Sua colheita será farta! Por último, entenda que a Lei da Semeadura e da Colheita nos ajuda a compreender muitas coisas em nossas vidas. Se você plantou coisas ruins em sua vida, peça a Deus misericórdia e perdão. Talvez você deva enfrentar as consequências, mas o Senhor lhe ajudará a vencer tudo. Então, comece a plantar coisas boas para colher posteriormente. Para quem plantou coisas boas a vida toda, e espera a recompensa de Deus, saiba que algumas bênçãos espirituais serão colhidas na eternidade e outras aqui nesta vida (Salmos 27.13). Concluindo, aprendemos que quem planta colhe aquilo que semeia e proporcionalmente à quantidade que plantou. (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, no culto de domingo 03/04/2016).

sábado, 2 de abril de 2016

ELE VIVE....!

Cristo viveu entre nós disposto a ser o maior exemplo de amor e verdade que a humanidade conheceria. Mas sua proposta não foi entendida por muitos. Ele foi condenaram e crucificado. Houve dor, angústia e escuridão. 
Por três dias, o sol se recusou a brilhar, a lua se negou a iluminar a Terra. Mas ao ao terceiro dia, a vida aconteceu. A Páscoa cristã existe para nos lembrar deste espetáculo inigualável chamado ressurreição. Acreditar na ressurreição de Jesus é uma condição de existência: somente faz sentido ser cristão porque se acredita que Jesus está vivo, triunfou da morte, ressuscitou, e é, para todos os humanos, o único mediador entre Deus e os homens. 
A fé na ressurreição de Jesus é algo essencial para o cristão, por isso Paulo declarou: “Se Cristo não ressuscitou, a nossa pregação é vazia, e vazia também a vossa fé” (1Co 1.14).
A ressurreição de Cristo não é apenas o milagre de um cadáver reanimado.
Não se trata do mesmo evento que ocorreu com outros personagens bíblicos como a filha de Jairo ( Mc 5. 22-24) ou Lázaro (Jo 11. 1-44), que foram trazidos de volta à vida por Jesus, mas que, mais tarde, num certo momento, morreriam fisicamente. A ressurreição de Jesus marcou algo totalmente novo - uma vida já não sujeita à lei do morrer e do transformar-se - mas situada para além, posto que inaugurou uma nova dimensão de ser homem.
Jesus ressuscitado não voltou à vida normal que tinha neste mundo. Isso aconteceu com Lázaro e outros mortos ressuscitados por Ele. Mas Jesus partiu para uma vida diferente e nova. Ele partiu para Deus, e é a partir daí que Ele se manifesta aos  seguidores e discípulos. A ressurreição de Cristo é um acontecimento dentro da história que, ao mesmo tempo, rompe o âmbito da história e a ultrapassa.
Portanto, a ressurreição de Cristo não se reduz à revitalização de uma  pessoa qualquer. Com ela foi inaugurada uma dimensão que interessa a todos seres humanos, uma dimensão que criou para os homens um novo âmbito da vida, o estar com Deus, enquanto vivos estamos. 
Em Jesus cumpriu-se a promessa de Deus feita desde as origens da humanidade. E o fato de Jesus estar vivo e atuante na história, a partir do Pai,veio confirmar a esperança que depositamos em Deus de que a verdade e o bem, a justiça e a paz hão de triunfar, terão a última palavra, porque Deus é fiel.
"Ainda por um pouco, e o mundo não me verá mais; vós, porém, me vereis; porque eu vivo, vós também vivereis." João 14.19
"Porque Ele vive, posso crer no amanhã; Porque Ele vive temor não há."  
Porque Ele vive......
Faz toda a diferença!!!!
Glória a Deus, por isso! (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por ocasião da celebração da Ressurreição de Cristo, domingo 27/03/2016).

sábado, 26 de março de 2016

JESUS CURA DA CEGUEIRA E SALVA!

Marcos 10.46-52 relata o encontro de Jesus com Bartimeu, que além de cego era pedinte. Pouco sabemos sobre ele, mas por suas atitudes podemos conhece-lo melhor. Afinal, quem era ele? Ele era um cego do corpo, mas não da alma. Via coisas que nem Anás, nem Caifás, nem os escribas e fariseus chegaram a ver. Via pela fé a Jesus como o verdadeiro Salvador prometido. - Isaías 35.3-6.  Pela fé vira os assombrosos milagres de Jesus.  Era uma fé incipiente, mas robusta. - João 20.29. E onde estava ele? Ele não estava em casa, lamentando-se, estava ali. E ali era o lugar da oportunidade. O lugar em que Jesus passou e pela última vez. 
Você sabia que Jesus ainda passa entre os homens quando os amigos advertem, quando há exortações do pregador, quando há doenças e mortes. Tanto eu quanto você devemos nos assentar no lugar onde Jesus passa, onde se lê a Sua Palavra e se reúne Seu povo. Quem profana o Dia do Senhor, descuida-se da leitura da Palavra e recusa orar, não se assenta junto ao caminho onde Jesus passa. Mas o que Bartimeu queria mesmo? Que Jesus lhe abrisse os olhos do corpo. Para isso muitas foram as dificuldades que teve de enfrentar. Uns admoestavam-no a que não molestasse a Jesus. Outros mandavam-no calar-se. Estes não sabiam quão grande era a miséria de ser cego; ele sabia. É certo que as belezas naturais eram-lhe desconhecidas. 
Todos os que desejam ser salvos devem notar bem a conduta de Bartimeu. 
Como ele, não devemos nos importar com o que os outros pensem e digam de nós, nem com os escárnios e zombarias. - João 15.18-20. Outros dirão: "É muito cedo"; ou "Não abandones a religião dos teus pais" ; mas em tais ocasiões devemos clamar como Bartimeu. - Salmo 119.18. O conforto de Jesus. - v. 49. Grandes problemas ocupavam-lhe o espírito – ia a Jerusalém para morrer; no entanto, interrompeu a sua viagem para proporcionar conforto a um sofredor. Se no mundo não encontramos conforto e paz, o mesmo Jesus, que passa, nos diz: "Tende bom ânimo", "Vinde a Mim" e "Quem vem a Mim não o lançarei fora". E aí Jesus o cura. - v. 51, 52. Aquela mesma mão ainda está pronta a se estender para curar nossa cegueira espiritual. 
E o que fez Bartimeu? Antes de chegar a Jesus deixou tudo. - v. 50. Assim foi com os primeiros discípulos. De igual forma, ainda hoje devemos deixar tudo que nos impeça aproximar-nos de Cristo. Depois de obter a cura e a salvação, Bartimeu seguiu Jesus - v. 52.
Aquele que recebe graça de Jesus deve ir aonde quer que Ele queira conduzi-lo. O mesmo que lhe deu a vista não o enganará; estará com você "até o fim do mundo". 
Portanto, o que você deve fazer? 
Suplicar no mais íntimo de seu ser: Senhor, eu estou cego espiritualmente, pois não consigo mais te ver, então, abra os meus olhos! 
(Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 20/03/2016).