REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

terça-feira, 17 de março de 2009

QUAL É O SEU PEDIDO?

O texto de Lc 8.40-56 fala muito comigo e gostaria de compartilhar com vocês. Jairo, chefe da sinagoga, prosta-se aos pés de Jesus e lhe suplica que fosse até sua casa, pois tinha uma única filha de doze anos, que estava à morte. Às vezes nos prostamos confrontados pelos problemas mas não nos prostamos aos pés do Senhor. Jesus aceita o convite e parte para lá, sendo seguido por grande multidão. Logo mais na frente, acontece algo muito conhecido e comentado na igreja até hoje, o encontro de Jesus com a mulher hemorrágica. Após ter sentido o toque da mulher, Jesus parou, e perguntou quem lhe havia tocado. Jairo neste momento deve ter ficado aflito e muito ansioso.Para ele importava que Jesus não parasse e que fosse logo curar sua filha. Mas, então, aconteceu o milagre da cura com aquela mulher e certamente Jairo se alegrou, pois suas esperanças foram renovadas, ele pode ver que realmente Jesus curava! Mas continuaram a caminhada, e eis que uma pessoa chega trazendo uma péssima notícia, sua filha havia morrido, portanto, não fazia mais sentido incomodar o Mestre. Que aprendemos aqui?Sempre encontramos pessoas para dar conta de tudo o que acontece. Sempre há pessoas que se dispõem a abalar a sua fé! Mas Jesus foi firme e afirmou: Não temas, crê somente e ela será salva! Seja em qualquer circunstância, pois, minha irmã, meu irmão... creia somente, não se desespere. Ao chegar na casa do chefe da sinagoga Jesus permitiu apenas que Pedro, João e Tiago, o pai e a mãe da menina entrassem com Ele. Aqui Jesus nos ensina que devemos ser cautelosos e discretos em nossas escolhas. Cuidado com quem você anda, cuidado com quem você está partilhando seus problemas ou seus sonhos. Seja mais reservado!Nos v.52 e 53 lemos que ao chegar lá e se deparar com os que choravam e prantearam Jesus disse que não deviam chorar pois a menina apenas dormia, mas o texto afirma que todos riram dEle, pois "sabiam"que ela estava morta. Quem não crê debocha, tripudia, zomba, age com cinismo, não vê a Glória de Deus... e sempre será um derrotado e infeliz. Mas Jesus agiu com autoridade, foi até a menina e realiza o milagre. O texto afirma no v.55 que "voltou-lhe o espírito, ela imediatamente se levantou, e Ele mandou que lhe dessem de comer". Quando encontramos Cristo saimos da morte (pecado) para a vida. Ele, então, pede que nos alimentamos da Palavra para que sejamos fortalecidos no Espírito. E é isto que estamos fazendo aqui agora, alimentando-nos dEle. Qual a sua preocupação? Qual o seu problema? Enquanto muitos falam que não tem jeito, confie e espere nEle. Pois o Senhor continua dizendo a mim e a você: "Não temas, crê somente". Portanto, seja qual for o seu problema, Jesus está aqui para ajudar você! Simplesmente abra a boca e peça a Ele pelo milagre. Faça seu pedido, com fé e Ele atenderá! Seja qual for a situação não deixe de ouvir a voz de Jesus. Acredite, Ele continua dizendo: "não temas, crê somente". (Síntese da mensagem da pastora Isabel Cristina levada à Comunidade no culto do Ministério de Mulheres, quinta-feira 12/03/2009)

COMO SEMEADORES, SAIAMOS A SEMEAR E SEJAMOS PRODUTIVOS!

Mt 13.1-23 nos descreve um momento especial em que Jesus mais uma vez ensina através de parábolas. Desta feita o que aprendemos é que há no processo de evangelização três agentes: O Semeador, a Semente e os Solos aonde é lançada a Semente. O Semeador é Jesus, é o Espírito Santo, mas na realidade é você, sou eu, somos nós que cremos nEle, temos recebido o melhor e queremos que os outros também recebam o Logos, a Palavra, que é Caminho, é Verdade e é Vida, ou seja, é a Semente, que é falada, lançada, semeada. O único objetivo, a única motivação que devo ter como Semeador é a de Semear, deixando o Espírito Santo fazer com que o solo fértil abra milhares e milhares de bocas, absorvendo a Semente e frutificando. A palavra Semeador, na parábola, simboliza a perfeita identidade e a incorporação entre a Semente e aquele que a recebe. Somos responsáveis pela Semente, mas não por aqueles que a recebem. Como a Palavra de Deus é a Semente, e Cristo veio como o Verbo de Deus (Jo 1.1), Ele mesmo é a Semente. A Semente que semeamos não é, apenas, a respeito de Cristo, é Cristo. Os Solos, os terrenos, precisam receber nossa melhor atenção. O nosso foco deve estar mais nos diferentes tipos de Solos, e suas reações à Semente plantada. A Semente plantada é a mesma nos quatro tipos de solos, mas há enorme diferença de resultados. Os solos são diferentes por que há diferentes disposições de corações e suas reações ao Evangelho. Qual dos solos você representa? O primeiro tipo de Solo é o que representa os de mentes fechadas, os de corações duros, os incrédulos; são os ouvintes à beira do caminho. Essas pessoas recebem a Semente pelo ouvido, mas não a deixa frutificar. A Semente fica na superfície, e não penetra. Pessoas assim são destituídas de percepção espiritual. Podem até serem religiosas, até assíduas à igreja, mas a Verdade recebida nunca satisfaz à alma. A Semente não pode penetrar e germinar; então é comida pelas “aves”, agentes do “maligno”. A Verdade não toma posse, pois há uma dura crosta da negligência que impede a sua recepção. Essa primeira classe de pessoas representa os que não se apossam da Semente. O segundo tipo de Solo é o que representa os de mentes emocionais, os de corações vacilantes, os ouvintes do terreno pedregoso. Essas pessoas recebem a Semente, mas esta não cria raízes. A Semente foi lançada no solo, está no Solo, mas não está debaixo do Solo, não se firma. Há aqui aquelas pessoas excitadas e entusiasmadas. Sua adesão é imediata, mas é apenas superficial e sua fé, muito frágil. Tais pessoas não sabem o que é nascer de novo, não têm raízes em si mesmas. As impressões são transitórias e quando surgem tentações, perseguições e provações, logo se desviam. Faltam-lhes a profundidade na fé e no caráter. Essa segunda classe de pessoas representa os que se apossam superficialmente da Palavra. O terceiro tipo de solo é o que representa os de mentes inconstantes, os de corações medrosos, ou os ouvintes do terreno espinhoso. A Semente lançou raízes, mas não produziu resultados. A Semente caiu no Solo, penetrou no Solo, mas não germina. A Semente é sufocada e Solos assim representam pessoas preocupadas. A Semente é apossada, mas a posse é disputada por um tríplice conflito: os cuidados desse mundo que sufocam, a sedução pelas riquezas materiais e as demais ambições (todas as formas de prazeres da vida). Por último, há o quarto tipo de Solo que representa os de mentes firmes e compreensivas, os de corações preparados por Deus, os comprometidos, ou os ouvintes de Boa Terra. Por terem raízes profundas, há muitos frutos. A Semente estava no Solo, sob o Solo, dentro do Solo, e acima do Solo. A Semente apossou-se por completo, penetrando alma, mente, coração, a constância, inclusive a vontade. A parábola é finalizada quando Jesus apresenta diferentes níveis de profundidade: a trinta, a sessenta e a cem por um. O primeiro é o nível menor de frutificação, o segundo é o nível intermediário, mas o terceiro, é o mais elevado nível de produtividade. Lançamos a Palavra, lançamos a Semente, preparamos o Solo e colhemos 100 corações com mentes firmes e comprometidas com Jesus! Que nós possamos nos esforçar mais, cada vez mais, não apenas para produzir frutos, como discípulos, mas para sermos abundantes nisso, para a Glória de Deus. (Síntese da mensagem deste pastor levada à Comunidade no culto de domingo 08/03/2009)