sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

É NATAL: MAS ESTAMOS COMEMORANDO O QUE, E DE QUE FORMA?

Sabe-se que o nascimento de Jesus não ocorreu em 25 de dezembro.
Mas isto não seria tão importante, se nesta data, todos celebrassem e se alegrassem por seu sentido e significado, pois Yeshua Ha Mashiach, Jesus o Messias, nasceu. Mais do que me posicionar contra a data, desejo me concentrar na razão exata pela qual Ele veio ao mundo. 
No nascimento, um anjo trouxe uma mensagem aos pastores de Belém, de forte impacto e interesse universal. 
Lucas 2.10 cita o anúncio: “Não temam, porque eis aqui que lhes trago novas de grande alegria, que será para todo o povo: pois, na cidade de Davi, nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor”. 
Deus se tornou homem e habitou entre nós.
E por que fez isso? 
As Escrituras Sagradas – desde séculos antes- já enfatizavam a necessidade de um Salvador para o mundo. 
Essa promessa de redenção anularia os efeitos nefastos do pecado sobre a humanidade. Pela queda do primeiro casal, no Éden, todos passaram a andar no caminho da ilusão, do engano e do erro. 
Em Jesus Cristo, somos trazidos de volta ao caminho da verdade que conduz à vida. 
Quem hoje comemora o Natal até comenta sobre o nascimento, mas se esquece do propósito, que Ele veio para habitar espiritualmente em cada um de nós! 
E mais grave, paulatinamente, quase todos passaram a aceitar a figura de um bom velhinho de cabelos brancos e roupas vermelhas, que chega em um trenó conduzido por renas, trazendo presentes e que substitui o Salvador, em especial na mente e na imaginação das crianças! 
O Natal hoje simboliza a chegada de Papai Noel, não o nascimento de Jesus , que trouxe o maior presente que se pode almejar: a salvação e a eternidade com Deus! 
Aos poucos, a mensagem de graça, paz e redenção do Messias, o Filho de Deus, foi e está sendo substituída pelas alegorias e símbolos, tais como árvores, guirlandas (todos de origem pagã), enfeites e luzes artificiais, e muita comida e bebida! 
Lamentável, triste, muito triste!
Até quando, ó humanidade pervertida, idólatra e corrompida, zombará de Deus, o Altíssimo?

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

OBEDECER A DEUS E SUA LEI GERA BENÇÃO, DESOBEDECER PRODUZ MALDIÇÃO

Em Deuteronômio 28 há 68 versículos; no capítulo inteiro são destacadas as bênção sobre quem obedece a Lei e as maldições sobre quem desobedece. Interessente é observar e destacar que existem,apenas, 14 versículos sobre BÊNÇÃOS, mas há 54 versiculos sobre MALDIÇÃO provocadas pela desobediência.
No capítulo anterior, 27, a partir do v.11 ficamos sabendo que Moisés separou as 12 tribos em dois grupos de 6 e determinou que passado o rio Jordão  as tribos de Simeão, Levi, Judá, Issacar, José e Benjamim, subissem o monte GERIZIM e que os membros representantes das tribos de Rúben, Gade, Aser, Zebulom, Dã e Naftali, subissem o monte EBAL.
Barách - "abençoar" significa RECEBER PODER E AUTORIDADE PARA SER BEM-SUCEDIDO E PRÓSPERO.
Kalal - "amaldiçoar" significa o oposto de abençoar, ou seja, TIRAR A ESSÊNCIA DA VIDA DE ALGUÉM, ESVAZIAR, DESNUTRIR.
Os nomes dos montes nos dizem muito deste momento na vida do povo hebreu:
Ebal, de onde viriam o anúncio das maldições sobre os desobedientes. Eivál,  significa " ESTAR DESPIDO, NU". De Eivál vem sua raiz, que significa, no hebraico, "COBRIR DE NUVENS, OBSCURECER". A vida sem Deus é uma maldição.
Mas do monte GERIZIM, cuja raiz é garáz, que significa "SER SEPARADO", AFASTADO, o povo escolheria as bençãos e escolheria de que lado ficaria.
E a cada dia é assim  Deus nos mostra a vida e a bênção, a morte e a maldição para que conheçamos os dois opostos, os dois caminhos e só depois, então, tenhamos a certeza de qual posição tomar.
O livre arbítrio sempre nos acompanhará.
Compete a mim e a você escolher, entre o bem e o mal, entre o certo e o errado, decidir se receberemos bênçãos ou maldições.
Entre as maldições: 
1) a idolatria de imagens esculpidas;
2) desprezar os pais;
3) desrespeitar os bens do próximo;
4) desviar o cego do seu caminho - aproveitar-se da ignorância dos outros;
5) perverter os direitos do estrangeiro, do órfão e da viúva; etc...
DEUS REQUERIA QUE APÓS CADA PROCLAMAÇÃO DESSAS MALDIÇÕES O POVO DISSESSE Amém.... que é o acróstico da frase El Melech Ne Eman ----> Deus é Rei e Fiel para cumprir Suas promessas!
v. 2: A condicional expressa SE OUVIRES A VOZ DO SENHOR, TEU DEUS, VIRÃO SOBRE TI E TE ALCANÇARÃO TODAS ESTAS BÊNÇÃOS;
Se ouvires - SHAMÁ - no hebraico, " CUMPRIR, OBEDECER, VIVER, PRATICAR" e não apenas ESCUTAR!
Este é o segredo OUVIR no sentido de cumprir, praticar a Palavra a fim de ser alcançado pelas bênçãos, dentre elas: ser bendito no campo e na cidade; bendito o fruto do teu ventre, da terra, dos animais; bendito o pão (sustento) de cada dia; bendito será a tua entrada e saída de um lugar.
v. 8- 12: O SENHOR DETERMINARÁ QUE A BENÇÃO ESTEJA NOS TEUS CELEIROS E EM TUDO O QUE COLOCARES À MÃO.
Esta benção é muito comum àquele que crê e vive como servo do Senhor. ELE É UM ABENÇOADOR, próspero e onde coloca suas mãos há prosperidade e bençãos para muitos.
é o homem de bem que recebe honra e admiração dos demais por sua fidelidade ao Senhor.
O Senhor abrirá o bom tesouro, o céu, para dar à sua terra chuva em abundância. O homem de bem empresta, mas não toma emprestado, diz o v.12;
v.13: O SENHOR TE PORÁ POR CABEÇA E NÃO POR CAUDA (....)
Esta bênção está condicionada: SE obedecer aos mandamentos, SE guardá-los, e SE cumpri-los
Assim como as maldições estão condicionadas ao não-cumprimento da Palavra.
v. 9: GUARDAI, POIS,AS PALAVRAS DESTA ALIANÇA E CUMPRI-LAS PARA QUE PROSPEREIS EM TUDO QUANTO FIZERDES.
v.15-45: ...VIRÃO SOBRE TI TODAS ESTAS MALDIÇÕES E TE ALCANÇARÃO.......
Repetição das maldições do capítulo 26 e outras tantas acrescentadas, como:
- DOENÇAS E PESTES;
- CALAMIDADES CLIMÁTICAS, COMO CALOR FORTE, SECA
- MORTES, CEGUEIRA, ATAQUES CARDIACOS, ADULTÉRIO, PERDA DE FILHOS,
SER ROUBADO E LUDIBRIADO POR OUTROS, ESCRAVIDÃO, E OUTRAS....
Importa saber que tanto BENÇÃO quanto MALDIÇÃO resultam de nossas escolhas.
MUITOS PENSAM QUE DEUS É QUEM DÁ AS MALDIÇÕES COMO CASTIGO.
MAS NÃO É ESTA A INTENÇÃO DE DEUS.
É a SUA JUSTIÇA  que deve ser ressaltada com aqueles que decidem VIVER BEM, obedecer aos mandamentos, estatutos e ordenanças de Deus.
este é o OBJETIVO FINAL de Deus.
Ele nos deu os mandamentos como um ato de Amor.
Esta é a real base divina.
Deus poderia não ter nos revelado o que nos traz bençãos ou mesmo o que nos traz maldições;
Mas como Ele é Amor, Ele se revelou em Sua Palavra e Sua vontade, pois nos vê como filhos e filhas bem sucedidos e prósperos.
Esta é a escolha dEle; agora, cabe a nós fazer nossa escolha: Bênção ou Maldição? (Mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 13/12/2015).

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

AS MUITAS BATALHAS ESPIRITUAIS DO DIA-A-DIA!

Em Efésios 6.10 -24 eis que Paulo nos ensina que:
A batalha diária dos filhos de Deus é espiritual, não física ou corporal.
A batalha contra a humanidade surgiu no Éden e tem sido contínua de geração em geração, e irá até o fim dessa dispensação sem dar tréguas a nenhum ser humano.
Para combater um inimigo, seja estrategista e procure conhecê-lo, em especial suas armas e artimanhas.
Preparando-se para as batalhas diárias, NÃO PERCA O FOCO, saiba que a paz de Deus, a partir da Cruz de Cristo é a única esperança da humanidade. 
I – O INIMIGO NOSSO DE CADA DIA (v. 10-12):
Três características são marcantes na vida de nosso inimigo:
PODER
Que poder ele possui? 
Em especial ele possui
PODER DE ARGUMENTAÇÃO (com isso ele quebrou a comunhão do primeiro casal com o Criador – Gênesis 3.1-14). 
PODER DE ILUSÃO (iludiu o rei Saul, em 1 Samuel 28).
PODER DE POSSESSÃO (maltratou um jovem, deixando-o quase morto – Marcos 9.39)
MALDADE
Tiago afirma que toda guerra e contenda está dentro do homem e isso é produzido pelo nosso inimigo, por isso ele ordena: “RESISTI AO DIABO E ELE FUGIRÁ DE VÓS”.
ASTÚCIA
Paulo nos adverte: SEDE SÓBRIOS E VIGILANTES. O DIABO VOSSO ADVERSÁRIO, ANDA EM DERREDOR, COMO LEÃO...... (1 Pedro 5.8).
Paulo chama essa astúcia de “CILADAS DO DIABO”
As ciladas do diabo tomam muitas formas, mas o maior êxito de astúcia de satanás é QUANDO ELE CONSEGUE PERSUADIR E CONVENCER AS PESSOAS DE QUE ELE NÃO EXISTE!
II – A ARMADURA ESPIRITUAL QUE PRECISAMOS USAR PARA VENCER O INIMIGO NAS BATALHAS DO DIA A DIA (v. 13-20)
SEIS SÃO AS PEÇAS PRINCIPAIS DA ARMADURA:
A VERDADE COMO CINTO
A JUSTIÇA COMO COURAÇA
A PAZ EM FORMA DE SAPATOS
A FÉ COMO ESCUDO
A SALVAÇÃO COMO CAPACETE
O ESPÍRITO (A PALAVRA DE DEUS) COMO ESPADA!
A maioria dos cristãos não têm consciência dessa LUTA ESPIRITUAL.
E muitos são os que ORAM apenas algumas vezes e com pouca perseverança.
Cuidado para não cair nas astutas ciladas do inimigo!
Não se esqueça da INCESSANTE LUTA do espírito contra a carne!
Quer sair vitorioso....?
ORE MAIS.... JEJUE MAIS... ESTUDE E MEDITE MAIS NA PALAVRA DO SENHOR!
Quer ser fortalecido  no Senhor e na força de Seu Poder, quer ficar firmes contra as CILADAS DO DIABO, então use a ARMADURA DE DEUS:
USE:
A VERDADE…. Só há um DEUS e o é por meio de Jesus Cristo que se dá o CAMINHO que se chega a ELE, O PAI.
A JUSTIÇA......
0 EVANGELHO DA PAZ....
A SALVAÇÃO...
A  PALAVRA DE DEUS...
Ore mais no Espírito.....
Vigie mais... 
Com perseverança e súplica ….Prossiga para a vitória! 
(Mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 6/12/2015).

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

JESUS DIANTE DA TRAIÇÃO E DA NEGAÇÃO!

Lucas 22.47-62 descreve dois momentos impactantes na vida de Jesus. Afinal, são momentos em que se decepciona com a atuação de dois de Seus discípulos: Judas e Pedro. Vejamos a atitude e o comportamento do Messias em relação aos dois discípulos, a Judas que O traiu, e a Pedro, que O negou. Ambos tiveram atitudes pecaminosas diante do Filho de Deus. O pecado do primeiro foi premeditado. Há dias ele vinha matutando sobre isso, procurou os sacerdotes, combinou como se daria a entrega e qual seria o montante de dinheiro que queria pelo serviço da traição. Entre o momento da conversação e a realização do feito, horas se passaram. Então, tudo aconteceu conforme o combinado. O pecado de Judas foi por apostasia – SEPARAÇÃO PERMANENTE DE CRISTO PELA MALIGNIDADE DE CORAÇÃO. A traição selou a apostasia de Judas e foi seguida de REMORSO SEM PROVEITO. O pecado de Pedro – NEGAÇÃO – expôs sua CONDIÇÃO DE FRAQUEZA, e levou-o a um ARREPENDIMENTO PIEDOSO que o aproximou – ainda mais – de Jesus.
I – A TRAIÇÃO PREMEDITADA: 
- O BEIJO DO TRAIDOR: A agonia do Getsêmane terminara há pouco, e um grupo de pessoas se aproximava. Era lua cheia e se podia ver facilmente o grupo avançando ao longo da estrada poeirenta. Esse grupo era formado por um grupo de soldados romanos, policiais do templo, sacerdotes, membros do Sinédrio, e alguns servos dos sacerdotes. Ali estava Jesus acompanhado por 11 homens que bem poderiam oferecer resistência, daí o reforço do aparato de segurança. Vieram com espadas (os soldados romanos) e cassetetes ( os policiais do templo), e carregaram consigo tochas, para iluminar o caminho, ou procurar Jesus em alguma gruta ou caverna, escondido talvez! O líder era Judas que vinha à frente do grupo. Ele exalava ódio e ali naquele jardim – o Jardim do Getsêmane – onde a Rosa de Sarom seria ferida e atingida pelo ódio de homens. Ele se aproxima de Jesus, abraça-O e O beija, deixando bem claro para alguém da comitiva não tivesse dúvida alguma: aquele a quem ele beijara era Jesus!
    - A RESISTÊNCIA DOS DISCÍPULOS: Os discípulos de pronto fizeram uma pergunta a Jesus (v. 49 c): Senhor, feriremos à espada? Mas antes que respondesse um precipitado apóstolo   corta-lhe a orelha direita (Joao 18.10 identifica Pedro como o apóstolo como o que feriu a Malco, servo do sumo sacerdote), com uma espada. A expressão PODER DAS TREVAS (v. 53) demostra que Jesus era consciente de ser A LUZ, e que a oposição a Ele, eram AS TREVAS. Ele ali se deixa ser submetido à NEGRA INUNDAÇÃO. Ele sabia que a vitória do mal era aparente, e que logo, passaria. Breve era o triunfo das trevas sobre a luz... e levaria à ETERNA VITÓRIA DA LUZ!
     -    A REPREENSÃO DE JESUS: Jesus repreende os agentes das trevas,  situando bem a questão, por que vinham a Ele com espadas e porretes, se Ele ouviam suas pregações e seus ensinamentos, não somente no templo, mas nas ruas, e jamais o prenderam. Por temerem o povo, talvez. Mas agora vocês estão fazendo tudo isso por que É A HORA DETERMINADA POR DEUS para que cumpram o seu maligno propósito. O poder que os impulsiona harmoniza-se com esta hora, porque é o PODER DAS TREVAS!
II – A NEGAÇÃO COMO IMPULSO ( v. 54-62):  
- O CENÁRIO DA NEGAÇÃO: Quando Jesus foi preso, Pedro, como os demais, fugiu. Sua afeição ao Mestre, porém, o atraiu de volta.Ele O seguia a uma distância segura, e acompanhado por João, chegou ao palácio do sumo sacerdote, onde Cristo haveria de ser processado (Ver João 18.15,16). Parece que João entrou com os guardas, e graças a amizade que tinha com a pessoa que cuidava dos portões, conseguiu entrada para Pedro. A casa do sacerdote era edificada ao redor de um alpendre (espécie de pátio coberto) com quatro lados. No centro, os empregados estavam assentados aquecendo-se junto ao fogo. Pedra estava ali inquieto, ora se assentava com eles, ora andava pelo pátio, fingindo indiferença, triste e muito agitado. 
    - O PROCESSO DA NEGAÇÃO: 1)   O INÍCIO DE TUDO  - “E Pedro O seguia de longe”. Era melhor que não seguir de modo algum. De certa forma esse seguir à distância indicava interesse e afeição. Porém, os acontecimentos que se seguiram provam que “ DE LONGE” não é a distância ideal para se estar do Mestre. Tivesse   Pedro se colocado ao lado do Mestre, certamente Sua presença lhe concederia firmeza. A firme decisão pode evitar o ataque do inimigo. Tivesse     Pedro tomado essa posição talvez o tivessem deixado em paz. Os provocadores nos provocam por mais tempo, quando nos veem irritados. A melhor maneira de seguir a Cristo é bem de perto e até o fim! 2)   O ATO DA NEGAÇÃO - Juntando as narrativas dos 4 Evangelhos vemos Pedro ser zombado em 3 ocasiões. As pessoas que o seguiam pelo pátio divertiam-se com os temores do discípulo: - A PRIMEIRA NEGAÇÃO: “ Este também estava com ele”. Falava a criada que ficava de vigia no portão. Pelo também podemos observar que estava se referindo a João a quem conhecia e parece indicar que sabia, mas nada dissera sobre isso; mas ao ver a inquietação de Pedro, pergunta para tirar a dúvida. Ele poderia simplesmente ter respondido que sim, e creio que nada aconteceria. - A SEGUNDA NEGAÇÃO (v. 58): Pela segunda vez (v.58) acontecera a pergunta; parece que a esperança de Pedro quanto ao esquivar-se de perguntas não acontecera. - A TERCEIRA NEGAÇÃO (v.59,60):O sotaque de Pedro indicava que era da Galileia e como a maioria dos seguidores de Jesus vinha daquela região, supunham ser ele um discípulo, mas Pedro afirma:  .... ! Homem não sei o que dizes. E logo, estando ele ainda a falar, cantou o galo”.    O ARREPENDIMENTO APÓS A NEGAÇÃO (v. 60-62): Simultaneamente ao cantar do galo, Jesus voltou-se e olhou para Pedro da parte interna da casa que dava para o pátio. Demonstrava Jesus com seu olhar que mesmo com os sofrimentos e tristeza, não se esquecera do apóstolo fraco. O olhar de Jesus atingiu o coração e a consciência de Pedro. Pedro fugiu dali, desaparecendo na noite, com o coração partido, querendo ficar a sós com sua consciência e com Deus, para levar a efeito seu arrependimento. Diz a tradição cristã que a partir daí não mais podia Pedro ouvir um galo cantar sem que caísse de joelhos e chorasse. O que diferencia o arrependimento de Pedro do remorso de Judas. REMORSO  traz uma inquietação, um sentimento de mal-estar, mas que não gera mudança! Tivesse o Senhor escapado da morte, Judas ficaria satisfeito pelas moedas de prata no bolso, e não mais pensaria sobre o ocorrido. ARREPENDIMENTO, não, ele traz dor e o desejo de não mais fazer o que fizera.
III. OS ENSINAMENTOS EXTRAÍDOS DO EPISÓDIO
        - A FRAQUEZA DA FORÇA: Pedro foi sincero ao afirmar que seguiria o Senhor até a morte. Não tinha ele conhecimento de suas fraquezas; confiava demasiadamente em suas forças. Mas o que aconteceu: o apóstolo, tremendo, ficou à distância. Temos mais possibilidades de cair por nossos pontos fortes do que por nossas fraquezas. Isso porque a confiança em nosso própria força nos torna descuidados. Preparamo-nos para enfrentar um leão, e perdemos a coragem por causa de umas picadas de mosquito! Paulo escreveu:
- Aquele que cuida está de pé, olhe que não caia (1 Coríntios 10.12).
- De si mesmo, disse: “ Porque quando estou fraco, então sou forte” (2 Coríntios 12.10).  
- TOMANDO POSIÇÃO FIRME POR CRISTO: O que o Salmo 1 nos alerta! Que diante de uma roda de escarnecedores de Deus não devemos parar e muito menos se assentar! Posicione-se diante dos detratores de Cristo, de Deus ou do Cristianismo! Tome uma posição firme por Cristo! 
 -  DIZENDO NÃO AO DISCIPULADO À DISTÂNCIA: A maneira mais fácil de seguir à Cristo é de bem de perto. Pedro foi derrotado por sua hesitação. Fosse sua resposta um testemunho de coragem, teria sido respeitado. A melhor maneira de seguir a Cristo é se declarar corajosamente seu discípulo! 
    -  O OLHAR DE JESUS E SEU TRÍPLICE SIGNIFICADO:1)    Jesus viu e lamentou pela negação e a covardia de Pedro.2)    Jesus entristeceu-se com a negação. 3)   Mas, apesar de tudo isso, o olhar revelou o AMOR de Cristo, não era um olhar de rejeição, mas de compreensão e acolhimento
   - ESPÍRITO QUEBRANTADO E CONTRITO: É o espírito quebrantado que move o Espírito de Deus! Não há como Deus não responder a uma oração sincera de um coração quebrantado, contrito e arrependido! Glória a Deus, por isso! (Mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 29/11/2015).

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

JESUS, O PRÍNCIPE DA PAZ , VEIO VEIO TRAZER DIVISÃO ÀS FAMÍLIAS?

Paulo afirma que a “paz de Cristo excede a todo o entendimento humano”, mas quando lemos Mateus 10.34-35, vemos Jesus afirmar: “Não penseis que vim trazer paz à terra. Não vim trazer paz, mas espada. Pois eu vim trazer divisão entre o homem e seu pai, entre a filha e sua mãe, entre a nora e sua sogra. Assim, os inimigos do homem serão os seus próprios familiares”. O que Jesus quis dizer com isso, afinal?
Esta afirmação tem provocado muita confusão no meio cristão. Ora, se Jesus, também, afirma que bem-aventurados são os pacificadores, por que agora parece contradizer-Se dizendo que Ele mesmo veio trazer discórdia em vez de paz? E o mais grave: esta discórdia teria como cenário a família. Afinal, o que significa trazer espada e divisão na família? Aonde é que Ele queria chegar com uma declaração como essa? Jesus estava, apenas, deixando Seus discípulos de sobreaviso. O fato de segui-lo provocaria efeitos colaterais imediatos e momentâneos, que atingiriam inclusive seus relacionamentos familiares. Porém este não seria o resultado final. Jesus estava apenas revelando os efeitos colaterais imediatos de Sua revolucionária mensagem. Naquela época, qualquer judeu que se convertesse à fé cristã era considerado traidor, e por isso, era deserdado e espoliado. Um pouco antes, Jesus havia dito: “Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai ao filho; e os filhos se levantarão contra os pais, e os matarão” (v.21). Em momento algum, Jesus estimulou desavença na família. Por conta disso, com o propósito de estimular Seus discípulos a se manterem fiéis naqueles tempos tempestuosos, Jesus os conclamou a abrir mão de suas próprias vidas. “Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim, não é digno de mim; quem ama o filho ou a filha mais do que a mim, não é digno de mim. E quem não toma a sua cruz, e não vem após mim, não é digno de mim. Quem achar a sua vida perdê-la-á, e quem perder a sua vida por minha causa, achá-la-á” (v.37-39). Observe que tais desavenças familiares seriam efeitos colaterais imediatos, e não os efeitos permanentes da pregação do Evangelho. Haveria perdas, porém, não seriam definitivas. Perde-se agora, para ganhar depois. Portanto, a paz permanente pode custar para nós um mal-entendido provisório. É claro que um familiar que ainda não conheça o amor de Deus, poderá sentir-se desprezado por aquele que O recebeu. O marido quer ser a pessoa mais importante da vida da esposa, e quando percebe agora que este lugar é ocupado por Cristo, naturalmente se sente enciumado. O mesmo acontece na relação entre pais e filhos. Mas, esta sensação tende a diminuir à medida que o convertido passa a demonstrar o amor de Cristo em seus relacionamentos. Aos poucos, os pais vão percebendo que seu filho, uma vez convertido a Cristo, tornou-se num filho melhor. O marido ficou mais atencioso, a esposa mais carinhosa, os pais mais amorosos. E assim, paulatinamente, tudo vai se adequando, e a crise inicial cede à paz. Não se pode julgar um remédio pelos seus efeitos colaterais. O importante é o resultado permanente. Ao ser questionado por Pedro por haver deixado tudo para segui-lo, Jesus lhe respondeu: “Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho, que não receba cem vezes tanto, já no presente, em casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições, e no mundo por vir a vida eterna” (Marcos 10.29-30). Não se trata aqui de uma promessa que só será cumprida na eternidade, mas “já no presente”. E para que desfrutemos desta paz, precisamos aprender a cultivá-la. Por exemplo: se a esposa se converteu a Cristo, mas o marido não, isso poderá gerar uma crise inicial no casamento.  O marido talvez não compreenda o fato de que agora Cristo é a pessoa central da vida de sua esposa. Como reverter isso? Não adianta argumentar, discutir, ou mesmo brigar, tentando convencer o outro sobre o Evangelho. Deve-se, antes, ganhar pelo procedimento, pelo testemunho, sem a necessidade de palavras. Este princípio pode ser aplicado a qualquer relacionamento, e não apenas o conjugal. Nossas boas obras devem preceder qualquer argumentação. Chegará o momento em que os argumentos contrários cederão, e quem nos rebatia passará a pedir que lhe exponhamos a razão de nosso procedimento. Se quisermos cultivar a paz em nossos relacionamentos, precisamos deixar de sempre buscar ter razão. Na discussão acalorada, a melhor saída é o silêncio. Importa, também, evitar questões que produzem contendas. Busque a paz! Glória a Deus por isso ! (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 15/11/2015). 

terça-feira, 3 de novembro de 2015

O JEJUM QUE AGRADA A DEUS!

O capítulo 58 do livro de Isaías descreve tempos difíceis em Israel e sustenta que o povo estava jejuando, mas não obtinha respostas de Deus e se perguntava, por quê?
Todo o texto é muito esclarecedor, vamos, pois, por etapas, procurar entender o que a Palavra de Deus nos revela sobre jejuns e atitudes que agradam ou que não agradam ao Senhor. Muitos são os que jejuam mas sentem que não obtêm respostas de Deus.
Jejum é abstinência de alimentos, mas somente isso não basta para Deus. De que se agrada, então, o Senhor? A resposta é esclarecedora da parte de Deus.
Muitos são os que quando jejuam cuidam de seus próprios interesses, cuidam que os outros façam o seu trabalho (oprimem e escravizam).
Quando jejuam para contendas e rixas o fazem, querendo impor suas vontades e, assim, brigam, discutem, tentam impor sua justiça.
O jejum que o Senhor escolhe (v.6), aquele jejum que Lhe agrada, é aquele em que o pecador:
- salta as ligaduras e amarras da impiedade (ou seja, deixa sua raiva, seu ódio, sua mágoa, sua frieza quanto às necessidades do outro), e passa a ser piedoso, caridoso, generoso e solidário.
- desfaz as ataduras da servidão, deixa livre os oprimidos e despedaça todo jugo. Mas também (v.7), é ele quem:
- reparte o pão com o faminto e necessitado.
- recolhe em casa os desabrigados.
- cobre o que está nu.
- não se esconde de seu semelhante, ou seja, torna-se mais sensível às necessidade do outro.
Então, diz a Palavra do Senhor, quem assim procede:
- Terá rompida a luz como o amanhecer.
- Terá cura, ficará curado de qualquer enfermidade, física e da alma.
- Terá justiça sobre si, adiante de si.
- Terá a glória de Deus como retaguarda.
E aí, poderá clamar ao Senhor (v. 9b) e Ele responderá: “Estou aqui".
Se assim procederes diz o Senhor (v.9 c até o v.12): Se retirares da prática diária de vida, os julgamentos que fazes, o dedo acusador, o falar injurioso e se após isso, mudando de atitudes, abrires a tua alma ao faminto e fartares a alma aflita (com consolos e palavras e atitudes de ânimo e de ajuda ao outro, que está aflito), ENTÃO, a tua luz nascerá nas trevas e a tua escuridão será como o meio dia, e MAIS: o Senhor te guiará continuamente, fartará a tua alma ATÉ em lugares áridos (secos) e fortificará os teus ossos, serás como um jardim regado e como um manancial cujas águas jamais faltam.
Que promessas lindas, maravilhosas e impactantes!
Sim, Senhor, aprendi que não basta sacrificar, mas vale obedecer.
Tanto que no v.13 o Senhor fala da lei quanto a guarda do dia do descanso.
Mas o entendimento se estende. Não basta também somente obedecer a lei, é preciso algo mais, não seguindo os "meus" caminhos e não fazendo a "minha própria" vontade, mas também não falando palavras vãs.
Ou seja, o jejum que agrada ao Senhor é, acima de tudo, abstinência de palavras ofensivas, de vínculos de maldade, de opressão sobre outros, de intrigas, fofocas e murmurações, do julgamento e das acusações sobre outros. É preciso falar menos, ouvir mais.
É preciso ser mais generoso, menos egoísta, mais solidário, praticar mais o bem e conjugar mais o verbo amar.
Essas são as práticas diárias dos que verdadeiramente "têm prazer em saber os Caminhos do Senhor e dos que têm prazer em se chegar à Deus". 
O v.14 finaliza o capítulo de forma única, posto que revela a maravilhosa graça e o favor do Deus Todo-Poderoso, com promessas de bênçãos sem limite àquele que pratica o jejum que agrada a Ele: "então, te deleitarás no Senhor. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor o disse." (Mensagem anunciada por este pastor no culto de domingo 01/11/2015).


domingo, 11 de outubro de 2015

QUANDO A MORTE GERA VIDA!

João 12.20-26 descreve um encontro de Jesus com gregos, que queriam vê-lo (v.21b); na ocasião, Ele lhes fala sobre Sua morte e glorificação, que estava próxima.
Para ensinar sobre morte e vida, conta-lhes a parábola do grão de trigo. 
Para que haja colheita, o grão de trigo precisa ser lançado na terra e morrer. 
Por si mesmo, o grão de trigo não germina; mas, se cair na terra, a natureza o multiplica, e da morte surge a vida. 
Usando uma lei natural, Jesus ilustra o que acontece no mundo espiritual. 
Somente se o grão for enterrado, o gérmen pode brotar e produzir folha, talo e espiga. A morte resulta em vida, liberando o poder vital interior que a casca, até então, esconde. Esse poder vital multiplica-se em muitos grãos, gerando colheita abundante. 
A lei espiritual da vida surge da morte a este mundo. Se a vida for, por si mesma, valorizada e amada, estará perdida! 
Egoísmo e impiedade nunca resultam em colheita aprovada por Deus. 
Mas se a vida está perdida no bem-estar dos outros, então, essa vida perdida é salva e mantida! 
Enquanto vivo entre os homens, Jesus seria como um grão de trigo e teria em Si a vida para todos, mas não seria liberada.
Somente através de Sua morte (e ressurreição), a vida brotaria e haveria permanente colheita.
Ele precisava, então, morrer, para que Sua morte na cruz trouxesse vida a todos nós, aos que crêssemos nEle. 
Para viver em Cristo, você precisa ser lançado à terra e deixar sua velha natureza morrer! Então, perde a “casca” e “morre” para as coisas do mundo, que até então julgava importante, e “nasce” para as coisas espirituais, sendo guiado por Deus. 
Por esta razão, a “vida” do “eu” é MORTE; a “morte” do “eu” é “VIDA”!
Reflita sobre isso!  

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

HOMEM NATURAL x HOMEM ESPIRITUAL x HOMEM CARNAL

Em 1 Coríntios 2.14,15 o apóstolo Paulo afirma que há dois tipos de humanos.
Nasce-se homem ou mulher; ambos têm uma centelha de Deus – pois foram criados por Ele – constituídos por corpo e alma (centro dos sentimentos, emoções, sentidos, vontade), mas o espírito que possibilita ter uma relação com Deus, não está ativado, já que os conecta com o Espírito Santo, e ainda com Ele não têm comunhão. 
Eles são naturalmente humanos, crescem, tornam-se adultos e não compreendem as coisas de Deus, pois lhes parecem loucura. 
E não podem entendê-las, porque coisas espirituais só se discernem espiritualmente. 
Mas quando se relacionam espiritualmente com Deus, tornam-se eles espirituais e podem discernir bem todas as coisas. 
Daí a grande dificuldade que a maioria das pessoas tem, não conseguem entender como nós – discípulos de Cristo – vivemos distante do que é valorizado, naturalmente, pelas pessoas: as festas, as bebidas, as baladas, o carnaval, a pornografia, as drogas, a ostentação, a corrupção, as intrigas e a ambição desmedida, enfim, tudo o que dá até muito prazer (naturalmente)! E isso parece loucura para essas pessoas.
Mas e quanto ao que se diz religioso, mas dá mau testemunho? 
Nos versículos seguintes – capítulo 3 da carta – o apóstolo afirma que há um terceiro tipo de pessoa. 
É quem um dia foi espiritual, mas foi se desviando do Caminho de Cristo, e mesmo dentro de uma igreja, não age mais segundo o espírito, mas segundo a alma (sua carne, seus desejos). 
Este ser humano carnal, antes espiritual, nutre fortes sentimentos e desejos próprios do homem natural, deixando-se levar pelos preconceitos, pela inveja, pelas contendas! Portanto, saiba distinguir: há muitos homens naturais de bem; todos os homens espirituais deveriam ser, igualmente, do bem. 
Mas não: há aqueles que não são, e deveremos chamá-los de homens/mulheres carnais. Infelizmente estes são mais reprováveis que os naturais, que têm a seu favor o fato de que não conhecem Deus, enquanto aqueles sim! 

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

O PERDÃO E A LIBERAÇÃO DAS BÊNÇÃOS DE DEUS!

Por que é tão difícil, às vezes, perdoar?
Todos querem ser abençoados, mas muito poucos aceitam perdoar a quem, por alguma razão, o ofendeu ou prejudicou.
Saiba que há uma relação bem direta entre a bênção e o perdão! Quem quiser que a bênção prossiga e seja abundante em sua vida deve perdoar, porque, à medida que perdoar, será perdoado (Lucas 6.37).
Uma das palavras para perdoar, encontradas na Bíblia, é "apoluo", que no grego significa "soltar, deixar ir, cortar as correntes, liberar". O contrário de perdoar é "prender, reter".
Quando você não perdoa ao outro, está retendo a bênção na vida dele.
Perdoe, então, a quem ofendeu você, e de igual forma, peça perdão a quem você ofendeu, para que as bênçãos de Deus não sejam impedidas ou retidas, mas sim liberadas!
Reflita sobre isso e perdoe...... e no Senhor, aguarde, pois, as bênçãos, que até agora estavam retidas, jorrarão como cachoeira sobre você!
Quem verdadeiramente ama, perdoa!
À todos vocês, leitores deste blog, um final de semana abençoado e na proteção de Deus, que, em essência é Amor, e, portanto, Perdoador, por excelência!
Não se esqueça: quem verdadeiramente ama, perdoa! 

terça-feira, 8 de setembro de 2015

COMO DEVE SER IDENTIFICADA A IGREJA QUE DERIVA DOS ENSINAMENTOS DE CRISTO?

A Igreja de Cristo deve ser aquela em que são evidenciados dois pontos centrais: o amor a Deus, o que nos leva a buscar incessantemente a salvação; e o amor ao próximo, o que nos leva a buscar incessantemente relacionamentos mais solidários e fraternos com todos. Tanto em um caso quanto no outro, o destaque deve ser a verdadeira conversão. 
É preciso entender que o processo de conversão é mais do que a simples aceitação de Jesus como Senhor e Salvador. 
Conversão é sinônimo de transformação – embora gradual e contínua -  que implique em mudança radical de vida. 
Antes, não resistíamos ao pecado; agora, convertidos, o pecado continua a nos rondar, mas resistimos a ele, resistimos a Satanás e ele foge de nós. 
Outro aspecto a considerar: Jesus não confirma a essência da teologia da prosperidade, posto que a palavra prosperidade assume um conceito bem mais amplo do que muitos entendem. Há prosperidade material, mas há, principalmente, prosperidade espiritual. Para Jesus, quem frutifica, espiritualmente, supera em muito quem frutifica materialmente. Não adianta, apenas, ter; é preciso ser. 
A bênção – ou a graça, o favor de Deus – não pode ter o propósito de deixar alguém mais rico, mais próspero, mas o de transformar em uma pessoa melhor.
E quando digo melhor estou me referindo a ser uma pessoa que se doa, entrega-se ao outro e à outra, em atitudes generosas de amor e aceitação. 
A verdadeira Igreja de Cristo é uma igreja onde os relacionamentos são evidenciados, sendo, então, cada vez mais inclusiva, acolhedora, que prega e vive o jeito doador de Jesus, que a Si mesmo se entregou por amor a todos. 
A Igreja de Cristo precisa ser conhecida não pela denominação dada por homens, mas por que prega e vive o amor, posto que   não aceita intolerância, hipocrisia e qualquer forma de preconceitos, uma vez que compreendeu – definitivamente – que não existem méritos, em nós mesmos, que nos façam especiais e dignos de sermos salvos, mas que Deus – que é Amor – deseja que Sua Igreja alcance a todos e que todos – sem exceção - sejam salvos! Assim, quem ficar de fora é por que assim escolheu, assim preferiu! 

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

" E DISSE DEUS: FAÇAMOS O HOMEM À NOSSA IMAGEM, CONFORME NOSSA SEMELHANÇA”... (Gênesis 1.26 e seguintes):

Ser imagem não é ser igual. Imagem é algo que é refletido, partindo –se de uma fonte de luz.
Por exemplo, a sombra de uma pessoa é uma imagem refletida dela mesmo.
A sombra não é a pessoa, apenas reflete suas características e particularidades como pernas, braços, cabeça, ...
Quem é Deus?
A Bíblia define Deus como Espírito.
Deus não é dotado de corpo, matéria ou algo sólido.
Não é também uma alma. É Espírito. É Espírito criador que não teve início e nem terá fim; é Aquele que sempre existiu. Ele é o Espírito que domina e cria. Sendo Deus Espírito, pode-se concluir que o homem, em sua essência, é também espírito.
O homem como produto de Deus, é, em si, dotado de características espirituais.
Lendo os demais versículos do ato da criação, em Gênesis, fica evidente que essa imagem e semelhança com Deus está relacionado ao fato de que o homem é espírito, exerce domínio e sujeição sobre a terra, pode criar; expressa amor e pode se comunicar com o Criador através da fé.
A função de criar é algo natural para o homem, assim como natural é a função de voar dada aos pássaros e de nadar dada aos peixes.
Ao homem foi dada a função natural de criar, planejar, projetar, ter idéias, construir, fazer, ter, e também, de dar e doar-se. Isso não é fruto de evolução.
É algo natural, ou que se aprende ou se faz por si só, sem esforço, ou seja, de maneira natural. Deus criou o homem com um espírito que cria e que domina situações e problemas.
É natural, então, que o homem resolva problemas, crie soluções, vença desafios, conheça e busque aquilo que lhe é desconhecido.
É possível, ainda, ao homem chamar à existência aquilo que não existe, na firme convicção daquilo que se espera, através da fé, que é, também, proveniente da natureza divina.
O macaco não pode ter fé, pois não foi criado à imagem e semelhança do Criador.
Mas o homem, sim, pois, dEle recebeu a medida da fé!

COMENTÁRIOS SOBRE O SIGNIFICADO DE AMÉM!

Você sabe realmente o completo significado da palavra AMÉM?

Normalmente aprendemos que significa "assim seja".

Mas no hebraico é bem mais que isso, à rigor, é muito mais que isso.

No hebraico é comum formar frases e palavras a partir de palavras.

Assim, amém é a abreviatura da frase ("El Mélech Neeman") que significa  "Deus, meu Rei, é Fiel", 

Por extensão, significa: " Deus, meu Rei, é Fiel para cumprir todas as promessas que fez a mim".


Entendeu você, agora, como é profundo o significado de Amém, muito mais que um simples, "assim seja", ou "isto mesmo", "é verdade"?

A ENTREGA DE JESUS NA CRUZ E A EXPRESSÃO DO AMOR DE DEUS POR CADA UM DE NÓS

Para sua leitura e meditação:
"Ele olhou ao redor da montanha e previu uma cena.
Três corpos pendurados em três cruzes. Braços estendidos.
Cabeças inclinadas para frente.
Eles gemiam por causa do vento.
Homens fardados estavam sentados no chão, perto dos três.
Homens com roupas de religiosos se afastaram para o lado... arrogantes, convencidos.
Mulheres envolvidas em sofrimento estão reunidas ao pé da montanha...
rostos marcados pelas lágrimas.
Todo o céu se levantou para lutar.
Toda a natureza se ergueu para o resgate.
Toda eternidade posicionou-se para dar proteção.
Mas o Criador não deu ordem alguma.
"Isso deve ser feito...", disse, e retirou-se.
O anjo disse outra vez: "Seria menos doloroso se..."
O Criador o interrompeu brandamente: "Mas não seria amor..."

(autoria desconhecida).

quarta-feira, 29 de julho de 2015

REJEITANDO OS VALORES E O PADRÃO DESTE MUNDO!

Em Romanos 12.2a o apóstolo Paulo enfatiza que não devemos nos conformar com este mundo, antes devemos nos transformar pela renovação do nosso entendimento, da nossa mente.
De igual modo 1 João 2.15-17, o apóstolo João afirma que não devemos amar o mundo, nem o que no mundo há, pois se alguém ama o mundo, o amor de Deus não está nele. Pois tudo o que há no mundo, que se expressam nos desejos da carne, desejos dos olhos e na soberba da vida, não provém de Deus, mas do mundo. E afirma mais, que o mundo passa, e com ele, esses desejos, mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre.
Por outro lado, Efésios 5.8-17 o apóstolo Paulo nos ensina que antes nós éramos trevas (vivíamos na escuridão espiritual, sem discernir as coisas espirituais), mas agora somos Luz no Senhor, então, devemos andar COMO FILHOS DA LUZ.
Pois o fruto do Espírito ESTÁ em toda a bondade, e justiça e verdade).
Temos que viver aprovando o que é agradável ao Senhor.
Assim, não devemos ter parte com as obras infrutuosas das trevas, ao contrário, devemos condená-las.
E aí nos alerta:"DESPERTA, TU QUE DORMES, E LEVANTA-TE DENTRE OS MORTOS, E CRISTO TE ESCLARECERÁ".
Então, nesse caso, precisamos estar atentos e prudentemente ver como andamos, não como néscios (ignorantes), mas como SÁBIOS; neste caso, remindo (resgatando) o tempo, já que os dias são maus.
Não devemos agir insensatamente, pelo contrário, precisamos procurar entender  qual seja a vontade de Deus para nós.
Certamente, que é viver como sábios e não como ignorantes.
Nos dias atuais, o cristão precisa se posicionar diante de muitas situações que podem levá-lo a fraquejar na fé e sair do Caminho de Cristo.
I- É PRECISO SABER QUE DEVEMOS REPUDIAR O QUE NÃO AGRADA A DEUS.
Somente existem dois caminhos, espiritualmente falando, e estes são bem definidos. Não há meio termo em relação à salvação; o homem se propõe a servir e agradar a Deus ou ao pecado (Mateus 6.24 e Romanos 6.22).
1.1.       Importa rejeitar as coisas deste mundo: não se conformar com o mundo implica em não tomar a sua forma, não aceitando suas imposições e suas regras.
1.2.       É importante ter clareza de que o mundo é dominado pelo poder do maligno, em que o pecado impera, e cresce a cada dia, querendo sufocar ou tripudiar os bons propósitos que ainda existem.
1.3.       Não se pode vacilar diante das ofertas atraentes que o mundo oferece. E o que ele oferece: o namoro com sexo, as baladas, rodadas a bebidas, drogas, sexo e rock and roll.
1.4.       Importa ter noção calar quanto aos limites: é preciso possuir uma consciência sensível para conceder ao Espírito Santo a interferência quanto aos limitas das ações do cristão.
1.5.       O ser humano – para os estudiosos das ciências comportamentais – é um ser insaciável. Ele está sempre à procura do mais, do maior e do melhor.
1.6.       Quanto mais se atingem os limites, mãos eles são estendidos. Quanto mais se estendem as permissões, mais o homem deseja.
1.7.       Atualmente, porque a sociedade estendeu os limites, o que antes era indecoroso, ilícito e pornográfico, já não é mais, pois muitas são as imoralidades que estão se tornando naturais. 
1.8.       O que sabemos, à luz da Palavra de Deus, é que isso leva o homem à perdição.
1.9.       O verdadeiro discípulo de Jesus não pode e não deve se conformar com essa situação libertina que é conhecida com o conceito de liberdade ( 1 Coríntios 6.12; 10.23).
 II. É PRECISO SABER QUE O RELATIVO DO HOMEM ESTÁ SE SOBREPONDO AO ABSOLUTO DE DEUS.
Mas isso não pode continuar!
III. PARA ASSEGURAR A SALVAÇÃO, IMPORTA AO CRISTÃO MANTER-SE FIRME EM SUAS CONVICÇÕES.
Finalmente, importa saber:
O discípulo de Cristo – aquele que faz jus a este nome – é separado do mundo; está no mundo, mas se separa para Deus. Não se conforma, não se adapta mais ao pecado, aprendeu a dizer NÃO à imoralidade, à corrupção do corpo e da mente, às festas mundanas, ao pagode, às baladas, aos shows de músicas que enaltecem a carnalidade, e que, portanto, fazem muito mal à espiritualidade.
Quem possui a mente de Cristo, muda o ambiente em que vive; não é mudado por ele.
Quem vive na graça de Deus, aprendeu que é luz, logo deve iluminar o ambiente de escuridão e trevas em que vive. Como bem afirma Paulo em Romanos 5.20: a graça deve superabundar onde o pecado abundou! (Reflexão com base me mensagem anunciada no culto de domingo 26/07/2015).