terça-feira, 19 de julho de 2011

EM BUSCA DA MATURIDADE!

Ef 4.1-24 comenta sobre unidade da fé, exercício de dons, mas em especial se destaca a busca que os discípulos de Cristo devem empreender para alcançar maturidade espiritual. Lanço meu olhar e minha melhor atenção nos v. 13 a 18 (NVI): ... “até que todos nós alcancemos a unidade da fé e o conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função. Assim, eu lhes digo, e no Senhor insisto, que não vivam mais como os gentios, que vivem na inutilidade dos seus pensamentos. Eles estão obscurecidos no entendimento e separados da vida de Deus por causa da ignorância em que estão, devido ao endurecimento do seu coração”.
I- O SENTIDO E SIGNIFICADO DE MATURIDADE
Maturidade deriva de maturação ou amadurecimento, que é o processo de desenvolvimento dos seres vIvos ou suas partes no sentido de tornar o organismo apto para a reprodução. Em relação aos animais, diz-se que, nessa altura, eles atingem a maturidade. Os seres que ainda não atingiram a maturidade designam-se como imaturos. Na linguagem corrente, é comum falar-se da maturação das frutas quando se encontram em condições de serem consumidas. Classifica-se um fruto como maduro quando a sua semente se encontra totalmente formada e pronta para a disseminação. O fruto pode, então, adquirir características como: intensificação do cheiro, mudança da cor ou mesmo a queda do fruto de seu vegetal originário (ex: as maçãs que caem da macieira). O antônimo de maduro é imaturo (ainda que, na linguagem corrente, se utilize a expressão "verde", devido à cor típica dos frutos ainda em desenvolvimento). Quando se sabe que uma pessoa tem maturidade, como se comporta?
Vejamos um texto de autoria desconhecida sobre a maturidade:
Maturidade é ter o poder de controlar a raiva e de resolver divergências sem violência nem destruição.
Maturidade é ter paciência e disposição para abrir mão de um prazer imediato, com vista a uma vantagem de longo prazo.
Maturidade é ter perseverança, é empenhar-se à fundo em um programa, a despeito da oposição e dos contratempos desalentadores.
Maturidade é ter abnegação, é atender às necessidades alheias.
Maturidade é ter a capacidade de enfrentar o desagradável e a decepção sem nos tornarmos amargos.
Maturidade é ter humildade. Uma pessoa madura consegue dizer: "Perdoe-me." E, quando fica provado que estava com a razão, não sente a necessidade de se vangloriar: "Eu não disse?"
Maturidade significa credibilidade, integridade e cumprimento da palavra.
Os imaturos encontram pretexto para tudo. São os retardatários crônicos, os contadores de vantagens, que falham no momento das crises. A vida dessas pessoas é um emaranhado de promessas não cumpridas, assuntos inacabados e amizades desfeitas.
Maturidade é ter a capacidade de viver em paz com o que não se pode mudar”.
II - SINAIS EXTERIORES DE MATURIDADE
Quais os sinais de que você é maduro? Vejamos Mt 5.3-12: Jesus mostrou como seria um crente maduro e felizhumilde (não se considera superior a ninguém), sensível (chora), manso (submisso e confiante no controle que Deus tem sobre tudo em sua vida), tem fome e sede da justiça de Deus (quer ser como Ele é), ama e perdoa sem limites (não tem preconceitos para amar), tem coração limpo de maldade, malícia, más intenções ou malignidade, e se esforça por manter a paz com todos, reconhecendo seus próprios erros. 
A maturidade espiritual é um processo que leva tempo e requer que deixemos os nossos desejos pessoais. Aprendemos mais em 1 Co 3.1-4.  A maturidade espiritual requer que deixemos as coisas infantis. O apóstolo Paulo afirma em 1 Co 13.11 “Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.”  Portanto, aprendemos que maturidade espiritual é o alvo do discipulado. Neste sentido, observe que  a ênfase de Jesus, na Grande Comissão, é “fazer discípulos”. Nosso compromisso, então, vai além da evangelização. O Senhor quer mais do que seguidores ou novos membros em Sua igreja. Ele quer discípulos. O discipulado é efetivado pela integração na igreja local, pelo batismo, e pelo sistemático e contínuo ensino. O ensino que Jesus estabeleceu vai além da comunicação verbal da verdade. O discípulo é um seguidor e imitador de Cristo. Seu alvo é aprender com Cristo. Sua vida deve refletir a vida de Cristo. Ele deve andar assim como Cristo andou. Sem maturidade espiritual, não podemos viver e andar como Ele.  Sem maturidade a igreja fica vulnerável aos ventos de doutrinas (Ef 4.14). Sem maturidade espiritual a igreja corre o risco de fazer dos dons espirituais uma matéria de conflito e desarmonia em vez de canal para edificação do corpo (1 Co 12.12-31). A maturidade espiritual é medida pelo conhecimento e pelo amor. Quando a igreja despreza ou subestima o ensino sólido e fiel das Escrituras, sucumbe diante das muitas novidades, estranhas à verdade, que aparecem no meio religioso. Mas, a maturidade espiritual é medida, principalmente, pelo amor. O mundo vai nos conhecer como discípulos de Cristo através do amor (Jo 13.34,35). Não nos esqueçamos: ..."o cumprimento da lei é o amor"(Rm 13.10b). Sem amor nossa prática cristã torna-se farisaica.
III - QUE TIPO DE CRISTÃOS SOMOS: MADUROS OU IMATUROS?
À luz das Escrituras, você é um cristão maduro? Há em você busca por mais intimidade com Deus, lendo diariamente a Bíblia? Tem procurado equilíbrio e discernimento espiritual? Tem partilhado com outras pessoas o Evangelho da Graça? Tem amado ao outro, mesmo sendo inimigo? As pessoas que convivem com você podem atestar, que de fato, você vive de modo digno do Evangelho? Maturidade espiritual não é apenas para uma minoria privilegiada, mas o propósito de Deus para todos os Seus filhos. Ela é imperativa para mim e para você!
Destaco, finalmente, três pensamentos, extra mundo eclesiástico, sobre maturidade que nos levam à mais reflexão!
 "Um dos maiores ganhos da maturidade é a perda dos medos juvenis. Os problemas continuam existindo, mas são mais fáceis de serem contornados" (Maria Tereza Maldonado, psicoterapeuta brasileira).
 "Sua maturidade começa a crescer quando você começa a perceber que sua preocupação com os outros é maior que consigo mesmo" (John MacNaughton, cineasta americano).
 "Na juventude, aprendemos; na maturidade, compreendemos" (Marie von Ebner-Eschenbach, escritora austríaca).  (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 17/07/2011).