REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

QUANDO CHAFURDAR SE TORNA COMUM NO AMBIENTE DA IGREJA CRISTÃ!

Paulo bem retrata a natureza do ser humano, em busca permanente de identidade. Muitos são os que complicam tudo, são os maledicentes, os que - em tudo - veem maldades e segundas intenções. Em Romanos 14.19 o apóstolo nos alerta: "Por isso, esforcemo-nos em promover tudo quanto conduz à paz e à edificação mútua". 
A doutrina verdadeiramente cristã está firmada neste princípio: cada cristão e cada cristã deveria viver de forma tal que TUDO que fizesse fosse em promoção da PAZ e da EDIFICAÇÃO MÚTUA!
Mas não é assim que o ser humano age. Quer estejam dentro ou fora do ambiente da igreja, muitos são os que confundem tudo, atropelando a ordem das coisas e como diria minha avó, "chafurdam" tudo! Eis uma palavrinha que me veio à mente, muito empregada pelos mais antigos. E aí me ocorreu verificar no Aurélio seu real significado. E não é que chafurdar  é revolver-se (em lamaçal) e atolar-se (em vícios)?
Interessante, muito apropriado, obrigado Espírito Santo por me trazer à memória esta palavrinha que bem expressa o que muitos andam fazendo!
Eu e minha mulher, pastora Isabel Cristina, definitivamente, estamos cheios de tamanha hipocrisia! Esperávamos mais maturidade espiritual, mas o que presenciamos - dentro e fora do ambiente eclesiástico - é a tristeza do chamusco (cheiro de coisa chamuscada, ligeiramente queimada)! Não adianta espernear ou mesmo reclamar para Deus! Ele sabe o ser que criou! Ele sabe de suas capacidades e incapacidades; de seus gestos de grandeza, mas também de sua pequenez; de seu clamor sincero, mas também de seu grito odioso e malévolo; de sua entrega no amor; porém de sua odiosa perversidade! 
Enfim, serei obrigado a dar plena razão ao desditoso autor de Eclesiastes que em 4.1-3 (NVI)?
" De novo olhei e vi toda a opressão que ocorre debaixo do sol: Vi as lágrimas dos oprimidos, mas não há quem os console; o poder estar do lado dos seus opressores, e não há quem os console. Por isso considerei os mortos mais felizes do que os vivos, pois estes ainda têm que viver. No entanto, melhor do que ambos é aquele que ainda não nasceu, que não viu o mal que se faz debaixo do sol. Descobri que todo trabalho e toda a realização surgem da competição que existe entre as pessoas. Mas isso também é absurdo (vaidade), é correr atrás do vento".
De uma coisa, graças a Deus, tenho certeza, em Cristo, posso esperar e nEle confiar! Do Senhor veem tanto as palavra de consolo quanto a libertação e a salvação!
Reflita sobre este tema e tenha a continuidade de mais uma semana na presença de Deus, pois somente Ele pode nos livrar da presença chamuscada dos que chafurdam!