REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

terça-feira, 17 de junho de 2008

GRAÇA É GRAÇA... MESMO QUE VENHA EM MIGALHAS!

Mt 15.21-28 nos descreve a partida de Jesus e de Seus discípulos para os lados de Tiro e Sidom (território cananeu, cujo povo adorava aos deuses Baal e Astarote, e não a Javé). Lá Jesus teve um encontro com uma mulher siro-fenícia, ou seja, alguém não israelita. Ao ver Jesus a mulher passa a clamar: “Senhor, Filho de Davi, tenha compaixão de mim, pois minha filha está horrivelmente endemonhada”. O que acontece a seguir deixa-nos até hoje perplexos. É isto mesmo que aconteceu? Jesus parece não dar a mínima importância ao clamor daquela mulher. A descrição é de que “Ele não lhe respondeu palavra”. Ou seja, viu e ouviu a mulher, mas não lhe respondeu nada. É assim que você está agora: clama e clama ao Senhor e Ele não lhe responde? Aprendamos com aquela mulher o que devemos fazer nessa situação para alcançarmos a misericórdia do Senhor. Voltando ao episódio bíblico. Saiba que Jesus – não somente nada fez ou falou – porém a situação ainda se agrava mais, pois Seus discípulos sentem-se incomodados com aquela gritaria toda e pedem ao Mestre para que a despeça, livrando-se logo daquela impertinente. Quando Jesus fala, passamos a conhecer Seus pensamentos posto que revela que “Ele fora enviado apenas às ovelhas perdidas de Israel”. Assim, fica claro que Sua missão era para buscar e salvar os perdidos de Israel, e a ninguém mais. Porém algo aprendemos aqui: aquela mulher poderia ter recuado e, como fora rejeitada, ter ido embora. Mas no v. 25 vemos que a resposta não intimidou a mulher. Ao contrário: movida pela fé, ela veio e O ADOROU, dizendo: ”Senhor socorre-me”. Jesus ainda parecia não querer ajudar e declarou: “Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-los aos cachorrinhos”. Aqui Ele se refere aos israelitas como filhos de Deus e à benção como o pão, e que os outros, seriam como cachorros. Nem assim a mulher recua. Ao contrário ela retruca e faz um último apelo: “Sim Senhor, mas os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa de seus donos”. Aqui algo extraordinário acontece. Jesus reconsidera e muda de idéia, aceitando a fé da mulher, libera Graça sobre ela, e declara que sua filha está salva e liberta. O que aprendemos com Jesus: Seu ministério é então não restrito aos judeus, mas universal e atinge a todos quanto demonstrarem fé nEle e O recebam como Senhor e Salvador. Uma mulher não judia reconhece Jesus como Senhor e o procura, pedindo ajuda, demonstrando fé. O que a fé fez àquela mulher? Levou-a a Jesus. Levou-a a interceder por sua filha. Levou-a a perseverar na hora da prova, quando Jesus revelou que não iria ajudá-la posto que não era filha de Israel. Levou-a a vitória, sendo atendida em seu pedido. Não sei por quais problemas e dificuldades você está passando, não importa a dimensão e a intensidade de cada um deles, saiba que na angústia clame ao Senhor. Mesmo que as circunstâncias indiquem que Ele não está ouvindo você deve INSISTIR, PERSISTIR E NÃO DESISTIR, NUNCA! Em resposta à sua fé, Ele responderá. Assim aconteceu com aquela mulher. Assim acontecerá com você. Quando se tem fé e se demonstra isso com atitudes firmes, a graça é liberada e a bênção chega. Mesmo que venha aos poucos, como que em forma de migalhas, a graça liberada é suficiente! (Síntese da mensagem deste pastor levada à Comunidade no culto de domingo 15/06/2008)