quinta-feira, 24 de abril de 2008

SOU PASTOR, MAS NÃO CREIO MAIS...!

Sou pastor, mas não creio mais em programas televisivos de pastores evangélicos. Desde criança assisto TV, em especial aprecio filmes, jornais e documentários. Mas de algum tempo para cá, surgiram muitos programas ditos evangélicos, em que mensagens pastorais são expostas e todo um aparato de show é conduzido pelos pastores televisivos. Aquilo que em princípio parecia ser uma bênção, revelou-se maléfico, na prática. A televisão transforma pessoas comuns em ídolos. E os ídolos existem para serem adorados pelas pessoas. A televisão tem causada profunda transformação na percepção da realidade de muitos pastores, que começam humildes e sozinhos em seus programas. Em pouco tempo, pedem para os telespectadores contribuírem, sendo parceiros ou patrocinadores de seus programas. Infelizmente, a história nos mostra que algum tempo depois, muitos deles caem em contradições, daí os tantos casos de adultérios, sonegações fiscais, associações com gente suspeita, enriquecimento não explicado, dentre tantos outros escândalos. Sou pastor, e no contexto das atividades da igreja, os ministérios de música também me chamam muito a atenção. Os púlpitos de muitas igrejas parecem mais palcos para apresentação dos artistas evangélicos. Eles querem brilhar mais que a própria Luz, que é o Senhor. Alguns até parecem querer transformam a igreja em academia: “vira pro lado e fala...”; “levanta a mão e declara...”; “pula na presença de Deus...”; “agora grita...”. O Brasil evangélico de hoje tem centenas de cantores, instrumentistas e grupos... Cada um querendo se sobressair mais que o outro. Tem “louvor” para todos os gostos: louvor profético, louvor apostólico, louvor extravagante, louvor para evangelismo, louvor para guerra espiritual, louvor para restituição, louvor para determinação, louvor para atrair a presença de Deus, louvor para espantar a presença do diabo, e outros mais. Parece-me, entretanto, que falta louvor para louvar somente a Deus. Sou pastor e crente no Senhor Jesus, sei que Ele é o mesmo, ontem, hoje e eternamente, portanto Ele não muda e continua realizando milagres, mas confesso que não confio mais nos milagres que acontecem. Os evangelhos mostram o cotidiano de Jesus e seus 12 discípulos. De vez em quando, em caráter excepcional, eis que surge algo extraordinário e sobrenatural. Mas hoje, se um culto acabar sem ninguém curado, esse é o fato extraordinário. Na igreja evangélica brasileira milagre virou algo comum. Não confio mais nas pessoas que ficam propagando os milagres recebidos. Muitas foram as vezes em que Jesus disse para os curados não falarem nada pra ninguém. Sou pastor, mas não confio mais quando alguém me diz que é evangélico. Tem evangélico que não vai à igreja, tem evangélico que não toma mais a ceia, tem evangélico que não ora mais nas horas de acordar, comer e dormir. Tem evangélico que passa no farol vermelho, tem evangélico que entra na contramão, tem evangélico que estaciona em local proibido e tem evangélico que compra CD e DVD piratas. Tem evangélico que pirateia CD e DVD pra ganhar um dinheiro extra. Tem evangélico que dá cheque sem fundo, tem evangélico que vende e não entrega. Sou pastor e crente no Senhor Jesus, mas não confio nos profetas modernos. Eles falam em um culto com muitos idosos que há ali gente sofrendo de dor nas costas, nos olhos, nos ossos e com dificuldade de respirar. Eles dizem nos encontros de jovens que Deus está mostrando vários casais se formando ali. Os profetas modernos, no rádio e na televisão, dizem que tem gente que vai receber uma quantia inesperada de dinheiro para saldar as dívidas. Muitos são os profetas modernos que dizem que Deus sempre vai dar 100 vezes mais, e muitos pedem mais até que o necessitado contribua para o “ministério” do tal profeta. Sou pastor, mas não creio mais em muita coisa que está aí, inclusive e principalmente nas igrejas. Principalmente as que têm líderes que se auto-intitularam de apóstolos, bispos e talvez até “arcebispos”! Não, assim não dá, cada vez mais o que presenciamos é o afastamento do homem das coisas de Deus e sua aproximação com as coisas do mundo. Até parece a volta ao começo: não à igreja primitiva (At 2.42-47), mas aos tempos do ministério de Jesus, quando Ele teve que, por diversas vezes, repreender os religiosos fariseus e saduceus, posto que a religiosidade os havia conduzido a um estado de cegueira e hipocrisia sem igual. Por isso que é tão importante crer e confiar mais na Palavra de Deus, e menos na palavra dos homens. Não sem razão sou um apaixonado por Jesus e pela Comunidade Graça e Paz Internacional. NEle encontro Graça e Paz. Nela, comissionado por Ele, sou pastor de um rebanho em que, todos nós, somos ovelhas dEle. Lá aprendemos a “construir relacionamentos solidários e eternos”. Lá aprendemos a nos “esvaziar” para que o Mestre nos “complete” com Sua Graça, com seu inefável Amor, enfim, com Sua Paz, que nos dá Vida. É, então, que nos sentimos “mortos” para o “eu”, e vivos para o compartilhar do “viver comunitário”.