REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

quinta-feira, 2 de abril de 2015

JESUS É QUEM REALMENTE LIBERTA!


Em João 8.31-59 vemos um quadro com um grupo de judeus que se considerava livre, mas que logo a seguir se revela escravo do pecado.
A conversa que Jesus teve com esses judeus revela as diferenças essenciais entre os que queriam se apegar à Antiga Aliança, e Cristo que veio cumpri-la.
Enquanto aqueles homens enfatizavam o lado histórico da religião, Jesus exalta o lado espiritual.
Os homens apelavam aos privilégios externos da religião, enquanto Jesus ressalta as qualificações morais.
Os homens valorizam muito a liberdade política; Cristo oferece a liberdade espiritual.
Quando aqueles homens religiosos descobrem que Jesus exige uma completa transformação do coração, o rompimento com o judaísmo ortodoxo e a fé pessoal nEle como Filho de Deus, o sentimento deles para com Jesus se transforma em ódio violento.
Jesus, então, se dispõe a ensinar-lhes sobre o verdadeiro discipulado, a verdadeira liberdade e o verdadeiro caráter.
  1.   EM QUE CONSISTE O VERDADEIRO DISCIPULADO (v. 31,32):
Somente a verdade pode libertar a mente e a alma da ignorância, do preconceito e dos maus hábitos.
Quando a Luz do mundo brilha nos lugares escuros e frios do coração, não apenas são reveladas as correntes que amarram a alma, mas essas correntes são rompidas pela mesma intensa Luz.
A Luz faz revelar o pecado e aí quando se distingue toda a sujeira e escuridão – ou seja, quando se vê a podridão do pecado como realmente é – o pecador fica com nojo do pecado.
Aquelas palavras de Jesus não agradaram aos seus ouvintes porque Ele lhes disse que:
- teriam que consertar suas vidas se quisessem permanecer na doutrina dEle (mas aqueles homens se julgavam impecáveis em suas condutas e santidade);
- eram ignorantes quanto às verdades da salvação (mas aqueles homens se consideravam conhecedores de todas as verdades).
- não tinham liberdade religiosa, uma vez que estavam supersticiosamente presos à letra da Lei mosaica.
  2.    EM QUE CONSISTE A VERDADEIRA LIBERDADE (v. 33-36):
Os orgulhosos judeus não concordaram, pois declaram que eram da descendência de Abrão e se orgulhavam dessa origem, como se certidão de nascimento fosse passaporte para o Céu (veja Mt 3.9).
Então, eles protestaram que nunca estiveram escravizados a ninguém. Mas se esqueciam que já haviam sido subjugados pelos egípcios, babilônios, sírios, e naquele momento estavam sob o domínio de Roma.
O que eles queriam dizer é que mesmo com seu país subjugado, nunca aceitaram tal situação, recusando-se a curvar-se diante das nações opressoras. Os judeus mostravam, assim, que se sentiam superiores aos seus opressores.
Mas aí Jesus responde a esse orgulho nacionalista e afirma o verdadeiro significado da liberdade: “Todo aquele que comete pecado é servo -escravo- do pecado”. Portanto, livre é o que não peca. Livre é o que agrada a Deus.
Atos pecaminosos revelam uma coisa: quem os comete está sob o domínio, o jugo, do pecado, logo, é escravo do pecado.
O pecado –e não Roma – era o verdadeiro inimigo de Israel.
Nos v. 35 e 36 Jesus explica aos judeus que um escravo, diferentemente de um filho, não faz parte da família, podendo ser vendido à vontade.
Portanto, aqueles homens como eram escravos do pecado e da letra morta da Lei, não eram verdadeiros membros do Reino do Messias, e dele seriam expulsos.
Somente o Filho de Deus poderia lhes dar a liberdade, transformando-os em membros da família de Deus. Aí, sim, eles passariam a ser verdadeiramente livres.
 3.    EM QUE CONSISTE O VERDADEIRO CARÁTER (v. 37-44,56-59):
Neste trecho Jesus está afirmando algo assim:" por que vocês se orgulham de ser da descendência de Abraão, esquecendo-se se que a descendência física não traz consigo a semelhança espiritual. Somente os que agem como Abraão são a sua descendência espiritual, mas a atitude de vocês para comigo e meus ensinos demonstra que vocês não têm o mesmo espírito que tinha o seu ancestral.
Ao contrário, vocês expressam aquele espírito de ódio à verdade e de violência que é próprio do diabo".
Assim, de todo este trecho bíblico, sobressaem quatro ensinamentos práticos para nós, se quisermos o reconhecimento que somos discípulos de Cristo:
 i.  A perseverança é um teste do discipulado.
A perseverança é o segredo para vencer as dificuldades que enfrentamos. E o segredo da perseverança é permanecer naquilo que se faz e se crê: “Se permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos”. A constância é um profundo teste de caráter. Muitos deslizes na caminhada cristã ocorrem porque os convertidos não conseguem prosseguir em uma vida consagrada, e em vez de afastaram-se, aproximam-se mais e mais da beirada do profundo abismo de onde foram retirados. Avançar é preciso e é a melhor garantia contra as recaídas.
 ii. A liberdade se concentra em encarar com coragem os fatos. 
 Geralmente os caídos e renitentes pecadores não têm a mínima consciência de sua escravidão ao pecado. A escravidão lhes parece algo natural. Na parábola do Filho Pródigo, durante muito tempo depois que saiu de casa, certamente que ele teria repudiado rispidamente a mínima sugestão de que era um escravo; afinal, ele tinha saído de casa para ganhar e usufruir da liberdade. Mas eis que certo dia caiu em si e percebeu sua verdadeira situação. Foi este o começo de sua libertação. Quando alguém se dispõe a enfrentar a verdade acerca de si mesmo, a verdade o libertará.
iii.  A necessidade de assumir a condição e declarar a independência de ser cristão.
Em Gl 5.1 o apóstolo Paulo deixou registrada uma declaração de independência que precisamos compreender e assumir como nossa regra de vida diária: “Estai pois firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a meter-vos debaixo do jugo da servidão”.
Uma vez liberto, não há sentido em tornar-se novamente escravo.
Por isso é sempre válida a pergunta: Estamos desfrutando desta liberdade concedida por nosso Salvador e Senhor, ou continuamos a carregar fardos, quando temos direito a viver uma vida plena no amor de Deus?
 iv. A graça de Deus não é hereditária.
Os judeus, mencionados no texto bíblico, queriam aquecer-se no calor irradiado pelo seu pai Abraão, sem levar em conta que ser um filho de Abraão incluía a responsabilidade de viver como ele. Você não é discípulo de Cristo por ser filho de um discípulo de Cristo. Os discípulos de Cristo, se parecem com Ele, têm o seu jeito de ser, apresentam-se com Seus valores, têm o Seu caráter; é o caráter dEle impresso em nós que revela que somos filhos de Deus, irmãos e co-herdeiros com Cristo (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade por este pastor, no culto dominical de 29/03/2015).