sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

VIVENDO COMO FILHOS E FILHAS DA LUZ!

Em Ef 4.17-5.21 o apóstolo Paulo exorta os crentes da comunidade de fé para a busca constante por maturidade espiritual, que se revela em uma caminhada com mais santidade e menos dissolução. Aprendemos que o verdadeiro discípulo de Cristo é aquele cujo comportamento reflete os ensinamentos do Mestre. Paulo, então, exorta os efésios - e a todos - que não andem mais como os gentios, presos à vaidade (inutilidade) de seus próprios pensamentos. Os que assim procedem estão obscurecidos no entendimento, e separados de Deus, pela ignorância em que estão, tornam-se endurecidos em seus corações.Tornam-se insensíveis, uma vez que se entregam à depravação, à corrupção e a uma vida conhecida por sua impureza.  Em resumo, para prosseguir com Cristo é PRECISO:
- despojar-se do velho homem que se corrompe segundo os desejos do engano;
-  renovar-se, no espírito do entendimento; e
- REVESTINDO-SE do NOVO HOMEM criado segundo Deus, em Justiça e Retidão, procedente da Verdade!
A conversão deve fazer com que as velhas práticas deixem de existir:
- quem furtava, não furta mais (v.28), ao contrário, trabalha, fazendo algo útil para que tenha o que repartir com quem estiver em necessidade.
- quem usava e abusava de palavras torpes, não permite que outra palavra saia de sua boca, senão apenas a que for útil para edificar os outros (v. 29).
- não mais se permite que amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, ou qualquer forma de maldade, persista, mas gestos e atitudes de bondade e compaixão uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo (v. 31,32).
- não deve haver menção a qualquer imoralidade, impureza e cobiça; não às obscenidades, nem conversas tolas, nem gracejos imorais.
Outrora, todos éramos trevas, mas agora que estamos no Senhor, somos luz no Senhor. Portanto, devemos viver como Filhos e Filhas da Luz, sabendo que o fruto da luz é (5. 8-11) Bondade, Justiça e Verdade!
Quem é da luz não participa das obras infrutíferas das trevas; antes, expõe suas obras à luz (v. 12).
Desejo ressaltar nestas últimas horas de 2011, que devemos tomar cuidado com a maneira como estamos vivendo (v. 15):
não sejamos insensatos, mas sábios;
aproveitemos ao máximo cada oportunidade para a prática do bem, porque os dias são maus;
sujeitemo-nos uns aos outros, em amor, é a recomendação do apóstolo (v.21). Enfim, quem guarda os ensinos do Senhor e de Seus apóstolos, é filho/filha da luz; ao contrário, quem ainda continua com as práticas que desagradam e afastam o Espírito Santo, é filho/filha da desobediência (Ef 2.2.e Cl 3.5)! Então, cuidado, pois o Senhor não tem parte nisso!
Oro a Deus para que estas últimas horas de 2011 sirvam para uma análise mais profunda sobre o sentido e o significado da existência e da vida e que em 2012, em todo o tempo, sejam alvas as tuas roupas, e jamais falte azeite sobre a tua cabeça (Ec 9.8); e que receba, a cada dia, a guarda, a luz e a proteção de Deus, segundo Nm 6.24-26: que o Senhor te abençoe e guarde; faça resplancer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; sobre ti levante o rosto e te dê a paz! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de quinta-feira, 29/12/2011).

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

REFLETINDO SOBRE O SENTIDO E O SIGNIFICADO DO NATAL!

Qual o sentido e o significado do Natal? Existem diferenças entre sua celebração nos dias atuais e as práticas de algumas décadas passadas? Infelizmente existem! Antes, pensava-se, refletia-se e se celebrava o relacionamento do homem com o Senhor. Agora, pensa-se em termos do relacionamento do homem consigo mesmo e com os outros homens. O foco do Natal há muito foi esquecido e este fato se reflete nas decorações de lojas e casas! Há cartões – cada vez mais esquecidos – que apenas trazem uma mensagem: “Boas Festas!” Em Gl 4.4-7 o apóstolo Paulo afirma: “vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou Seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. E porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de Seu Filho, que clama: Aba, Pai. De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus”. É este o PROPÓSITO verdadeiro do Natal. As canções, a coisificação mercantil e até a troca de presentes ou o simples hábito de desejar Feliz Natal, que são práticas correntes nestes dias, tendem a obscurecer o significado verdadeiro deste dia. O Natal não pode ser um tributo à infância ou uma declaração de amor às mães que geram e dão à luz seus filhos; de igual forma, o Natal é mais que uma iniciativa de generosidade e de bondade; é mais do que um incentivo ao comércio e ao lucro; é mais do que uma ocasião para comidas e bebidas, ou até para fartas alegrias, muitas até vazias e desprovidas de sentido. O mundo ocidental se envolve tanto, nesta época, com os papéis, as embalagens, as fitas e os barbantes que perde, a cada ano, o real sentido do presente real que a humanidade recebeu com o nascimento do Messias, predito por Isaías, 700 anos antes (Is 9.1-7). Deus cumpre o Plano de Salvação do homem lançado em Gn 3.15 quando gerou um filho em uma jovem israelita para que nascesse, vivesse e morresse para redimir aqueles e aquelas que estão sob a maldição do pecado. Este é o Verdadeiro Presente de Natal! Lc 2.14 afirma que para anunciar aos pastores que guardavam os rebanhos nas vigílias daquela noite natalina, o anjo e uma milícia celestial louvavam a Deus e declaravam “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra entre os homens de boa vontade”. Portanto, muito mais do que congraçamento entre “homens de boa vontade”, Natal significa “boa vontade para com os homens, da parte de Deus”. Não adianta comemorar sem saber o significado do que se comemora! Uma celebração sem substância do Natal torna nulo o seu verdadeiro espírito.
Por isso, neste Dia, em que se comemora o nascimento de Jesus Cristo – embora saibamos que Ele não nasceu em 25 de dezembro – vamos celebrar! Mas não esqueçamos: mais que Seu nascimento e vida terrena, a morte de Jesus na cruz e Sua ressurreição selaram o compromisso divino de resgatar o homem do pecado, retirando-o de uma vida desprovida de sentido, posto que imersa em profundas trevas! Neste Natal oro ao Pai, em Cristo Jesus, para que transforme as vidas humanas que se consomem sem sentido e esperança, dando-lhes alento e significado de existência! Oro para que a alegria do Senhor e as vozes dos Seus anjos ressoem em nossos corações e nos tragam Sua Graça, o favor imerecido, e Sua Paz que excede todo o entendimento humano! Feliz Natal! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, na noite natalina, domingo 25/12/2011).