sexta-feira, 21 de novembro de 2014

O SENHOR FAZ UM NOVO CONCERTO COM SEU POVO EM MOABE! MAS NÃO HAVERÁ OUTRO... DEPOIS, SERÁ O JULGAMENTO, COM SALVAÇÃO OU CONDENAÇÃO ETERNA

O livro de Deuteronômio foi escrito quando Moisés tinha 120 anos e relata os fatos ocorridos nos dois últimos meses, pouco antes da morte de Moisés e da entrada na Terra Prometida. Após quase quarenta anos da peregrinação no deserto, Canaã estava  à frente. O livro é um grande relato, um discurso de Moisés, ao povo, expondo o que recebera do Senhor e repetindo os acontecimentos dos últimos quarenta anos.
Eis que no capítulo 29 e 30 Moisés descreve o concerto, a aliança que o Senhor, torna a fazer na terra de Moabe, além do concerto que fizera em Horebe (Sinai), com os israelitas.
Inicialmente, o Senhor traz à memória os Seus feitos, os sinais, os milagres e as maravilhas, para com o povo na travessia dos desertos e no sustento pelos quarenta anos.
Adverte-os quanto à desobediência, e os que se desviarem dEle e de Sua lei, para que não suscitem Sua ira. As consequências serão terríveis, advindo daí maldições e muito pesar e tristeza.
Os v. 1 a 10 do capítulo 30 revela a predição que vai de um futuro cativeiro causado pela desobediência a um período de arrependimento e restauração. Os passos para a restauração incluem:
- lembrar que estão no cativeiro como consequência inevitável da desobediência ao concerto (v.1).
- arrependimento (v.2).
-compromisso sincero em dar ouvidos à sua voz (v.2).
Deus, então, os fará voltar do cativeiro (v.3), se apiedará deles (v.3), os trará à terra (v.5),e circuncidará o seu coração (v.6) (UMA REFERÊNCIA AO CONCERTO MESSIÂNICO QUANDO DEUS LIDARIA COM O PROBLEMA ESPIRITUAL DO HOMEM POR MEIO DE UMA TRANSFORMAÇÃO INTERIOR).
 No v. 11 a 14 (cap.30) Moisés recorda o povo de que o mandamento NÃO IMPUNHA sobre o povo condições que não o pudessem compreender ou cumprir. Era prático e realista, logo, não HAVIA DESCULPA PARA A DESOBEDIÊNCIA.
A essência do capítulo 30 destaca a misericórdia de Deus para com os que se arrependem.
Mas se ocorrer o contrário no coração endurecido do homem, Ele sentencia a morte, a maldição.
Ontem, assim como hoje, o Senhor – na expressão do Pai, do Filho e do Espírito Santo -  espera pelo arrependimento e verdadeira conversão dos Seus filhos e filhas.
Mas o ser humano, por sua natureza pecaminosa, afasta-se de Deus, sofre, padece a miséria desse afastamento, algum tempo depois, arrepende-se e obtém a misericórdia e a graça de Deus.
Em um círculo quase sem fim.
A aceitação de Deus, a doce comunhão com Ele e com os irmãos, mas com o tempo, o desânimo, a frieza, o afastamento, os pecados, os prazeres, depois, novamente, o cansaço, a tristeza pela ausência de Deus e dos irmãos, o arrependimento, e aí, novamente, a busca a Deus, à igreja, o recomeço.
Até quando?
Assim como os israelitas, o povo de Deus, ali no deserto, após bênçãos, milagres e maravilhas, a murmuração, o afastamento, a busca, o reencontro, o novo concerto...!
Ontem, hoje, qual a diferença, mesmo?
Até quando? Será que não acabará nunca?
Acabará, sim! Com o advento, com a segunda vinda de Jesus, tudo isso cessará!
Esse ciclo de pecado -arrependimento – aceitação – liberação de perdão – comunhão- graça e paz -  esfriamento – pecado ....... terá um fim!
Com a chegada de Jesus, como Juiz, cessará a dispensação da graça, cessará a intercessão do Advogado e intercessor Espírito Santo!
Não haverá nova chance! Será o momento do julgamento!
Você está preparado para isso? (Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 16/11/2014).