REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

A FORÇA DO FRACO!

Em Apocalipse 3.7-13, eis que Jesus Cristo, na visão do apóstolo João, está falando à igreja de Filadélfia, que se sentia fraca.  Ele lembra à igreja que a porta que abre, ninguém fecha, mas que as portas que fecha, ninguém abre.
Jesus alerta que ninguém pode contrariar a Sua vontade. Ele abre portas que há muito estão fechadas: portas de oportunidades, caminhos e direções. Mas, por outro lado, Ele constantemente fecha portas para ajudar você a não seguir por caminhos errados.
Problemas ocorrem, muitas vezes, porque não queremos enxergar quando uma porta está fechada. Somos cabeças duras. No v.8 o Senhor está falando que sabe que aquela igreja tem pouca fé. Na verdade, a igreja de Filadélfia tinha a humildade de admitir que tinha pouca força. Isto sinaliza que aquela igreja entendia que sua capacidade, seus recursos, seus talentos não eram nada diante de Deus.
Admitir sua própria fraqueza não é aceitar a derrota. Ao contrário, é entender que a vitória vem de Deus. Antes, admitir a fraqueza é confiar, única e exclusivamente, no poder de Deus.
O apóstolo Paulo havia aprendido bem a lição, conforme confessa em 2 Coríntios 12.9,10: “ E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando estou fraco, então, sou forte”.
Como podemos reconhecer nossa fraqueza? Quando contemplamos o poder de Deus; então, nos colocamos em nosso devido lugar.
Como podemos fazer isso? Apegando-nos na Palavra de Deus, guardando-a em nosso coração.
Não podemos nunca nos esquecer do que nos ensina o Salmo 119. 105: “Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra e luz para o meu caminho”, mesmo quando vem em forma de exortação.(Detalhe da aprendizagem do Estudo de Pequenos Grupos, nº 12, ministrado na Comunidade).    

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

LUZ REPRODUZ LUZ, VIDA GERA VIDA E UMA VIDA COM LUZ E CONSAGRAÇÃO NOS APROXIMA DE DEUS

O apóstolo Paulo em 1 Coríntios 10.32 alerta: “Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus”. E em 2 Coríntios 6.11- 7.1 nos convoca a termos uma vida consagrada ao Senhor. Vejamos, por partes: 
        I – DEUS EXIGE UMA VIDA CONSAGRADA.
           - Devemos, pois, nos separar do mundo
 II Coríntios 6.17. 
“Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei”.
    - Devemos levar uma vida correta.
Tito 2.11,12.
“Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens,ensinando-nos que, renunciando à impiedade e aos desejos mundanos, vivamos neste presente século sóbria, justa e piamente”. 
-  Devemos fugir do mal.
I Tessalonicenses 5.22.
“Abstende-vos de toda a aparência do mal”.
  II – COM UMA VIDA CONSAGRADA, OBTEREMOS SUCESSO.
     - É impossível amar a Deus e ao mundo.
I João 2.15.
“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele”.
- Não se pode servir a dois senhores.
Mateus 6.24.
“Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom”.
(Mamom é o deus–dinheiro, usado aqui para indicar todo o sistema do materialismo).
     - Deus destruirá se mancharmos o seu templo.
I Coríntios 3.16,17.
“Não sabeis vó que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo”.
    III –COM UMA VIDA CONSAGRADA SEREMOS LUZ PARA OS OUTROS.
 João 8.12:
“De novo, lhes falava Jesus, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não          andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida”.
Mateus 5.14
“Vós sois a luz do mundo”
Daí se extrai que:
1. Falhando a luz, outros podem se perder.
2. Raiando a luz, outros podem ver o caminho.
Mas como seremos raios de luz para outros?
a)  Assistindo aos cultos.
b) Tomando parte ativa nas atividades e trabalhos missionários da Igreja.
c) Contribuindo para a expansão do Evangelho.
d) Evangelizando e falando do amor de Deus para os que estão nas trevas e não têm intimidade com Deus.
e)  Assistindo e ajudando aos necessitados.
Reflita, pois, sobre isso. Agindo conforme a orientação paulina, verdadeiramente seremos Luz! 
(Reflexão com base em mensagem anunciada na Comunidade, por este pastor, em culto de domingo 28/09/2014).