segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

A FÉ REMOVE OBSTÁCULOS, DERRUBA MUROS E SUPERA AS IMPOSSIBILIDADES!

Em Mc 5.21-43 assistimos a uma caminhada de Jesus em que dois milagres de cura são realizados. Ambas as curas somente foram possíveis a partir dos gestos de fé. Jesus estava junto ao mar cercado por grande multidão (v. 21) e eis que Jairo, um dos principais da sinagoga, chega e roga que vá a sua casa e imponha as mãos sobre sua filha que estava à beira da morte. Jesus como sempre não discute, atende ao apelo de Jairo e o segue; e com eles, a multidão. No caminho outra pessoa assume, também, papel de realce neste episódio. Eis que uma mulher – não se sabe o nome – que há doze anos padecia de uma enfermidade, com um fluxo de sangue contínuo, surge na multidão e ao vê Jesus pensa que se tão somente tocar nas vestes de Jesus seria curada. Não satisfeita em somente pensar, a mulher decide agir, pois tem a certeza que seria curada, e isto é fé (Hb 11.1).
Os v.21-43 evidenciam a dupla realização do milagre a partir da fé, tanto da mulher que tocou Jesus, sem dizer uma palavra, quanto de Jairo, um pai pesaroso que intercedia pela filha moribunda. No semão destaco a ação da mulher do fluxo de sangue, que movida por uma fé inabalável obteve a cura e pode testemunhar, pelo resto de sua vida, o milagre que o Senhor operara (v.25-34). Aquela mulher decidiu se aproximar de Jesus e ter um contato pessoal com Ele. Ela poderia ter escolhido falar com Ele, mas sabia que era tarefa difícil, a multidão O cercava. Ela poderia ter esperado chegar à casa de Jairo e então abordá-Lo. Mas não, ela resolveu simplesmente tocá-Lo. E ao fazer isso, rompeu com algo muito forte, na tradição e na cultura de Israel. Vejamos o que podemos extrair do texto sagrado:
I – PARA IR AO ENCONTRO DO SENHOR É PRECISO SUPERAR RESTRIÇÕES LEGAIS E CULTURAIS.
Para se aproximar de Jesus e se dispor a tocá-Lo, submetendo-se aos rigores das conseqüências de seu toque nas vestes dele, aquela mulher teve que enfrentar e superar dois preconceitos, um de ordem legal e outro, cultural. O primeiro preconceito (legal): segundo Lv 15.19-31 ela era impura; ninguém lhe poderia tocar, senão impuro se tornaria; e nada poderia ela tocar, pois tudo que tocasse impuro se tornaria. Segundo preconceito (cultural): por ser mulher, era considerada ser humano de qualidade inferior, e não tinha direitos como o homem. Quem quiser saber como a sociedade, cerca de duas décadas depois desse episódio, considerava a mulher, leia as instruções de Paulo à igreja da época, em 1 Co 14.34,35! A sociedade judaica era eminentemente patriarcal e machista. Logo, aquela mulher teve que se armar de muita coragem para romper e superar as fortes barreiras da proibição legal que a considerava imunda e do preconceito cultural por ser mulher e, em público, ousar falar ou tocar em um homem. E hoje, como a questão se coloca? Preconceito é algo bastante presente em nossos dias, também; não há mais a classificação de imundície pela religião ou de mulher, necessariamente como ser humano inferior. Não, a questão não é essa! Mas existe e está presente nas discriminações entre as diversas denominações religiosas, nas classes sociais, nas questões étnicas, e região de nascimento, para citar algumas. Há um alento e um alerta de Jesus a todos os que creram e aos que creriam nEle: Jo 16. 33: “ Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo”.
II – É PRECISO SUPERAR A OPRESSÃO QUE AFLIGE E A PRESSÃO QUE O MUNDO EXERCE NOS IMPEDINDO DE CHEGAR A JESUS.
Muitos são os obstáculos com que se deparam os que buscam Deus. Muitos não conseguem ser abençoados porque se deixam intimidar pela pressão de pessoas ou até de multidões que os mantêm afastados de Jesus. Outros mais sucumbem diante dos prazeres do mundo e das tentações que as multidões nos oferecem. Tg 4.4 nos alerta: “Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo, constitui-se inimigo de Deus”? Isso porque há pessoas que desagradam a Deus, pois querem se juntar às multidões para fazer, simplesmente, o que "todo mundo” faz! A multidão que a tudo e todos comprimia não foi obstáculo para a mulher com fé. Que não seja para você, também!
III – É NECESSÁRIO SUPERAR O RECEIO E ATÉ O MEDO PELAS INCERTEZAS QUANTO AO FUTURO APÓS TOCAR EM JESUS.
Segundo a lei, a mulher poderia ser apedrejada; mas ela não teve medo. Muitas pessoas não são abençoadas porque têm medo (do que as pessoas vão pensar ou dizer, de perder alguns amigos, de perder o emprego, medo, medo, medo!).É preciso vencer o medo, a fé em Jesus supera o medo. É Ele, o Senhor, quem afirma: Não temas, Eu sou contigo!(Is 41.10).
Quem crê em Jesus sabe que pode ser abençoado, pois Ele remove de sua vida os preconceitos das pressões sociais e dos medos que nos afastam de Deus. Reflita sobre isso! Não permita que os obstáculos que surgem impeçam-no de se achegar a Deus e de alcançar as bênçãos que Ele tem reservado para você! Simplesmente creia, não desista, tenha fé! Se houver uma multidão a sua frente, não se intimide, avance e atinja o alvo. E o alvo é Jesus, então, toque-O e você receberá o milagre de Deus! Creia, tenha fé e faça acontecer! Reflita sobre isso e rompa com fé, crendo que o Senhor que abençoa deseja ter um encontro pessoal e definitivo com você! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 11/12/2011).