segunda-feira, 11 de outubro de 2010

EXISTÊNCIA HUMANA: FAZENDO DISTINÇÃO ENTRE OS SINAIS DE VIDA E DE MORTE!

Os textos básicos motivadores de nossa reflexão são Ef 2.1-10 e Jo 11.31-44. Os dois textos se completam. Em um, temos o apóstolo Paulo esclarecendo sobre o processo que conduz o homem do estado de pecador – espiritualmente morto – para a condição de salvo - espiritualmente vivo - pela Graça de Deus. Em outro, temos o momento da morte física de Lázaro, dos sonhos que se desfizeram, da esperança que havia morrido, mas Jesus se faz presente e ressuscita-o, após ter afirmado que “ Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crer em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá eternamente.Crês isto?” (Jo 11.25,26). Pode-se assegurar que, em um sentido amplo e de forma geral, os homens estão mortos. Física e materialmente falando, muitos podem até estarem em boa situação financeira, com saúde e apresentando sinais de prosperidade material, família em situação estável, negócio bem sucedido; estão vivos para as coisas do mundo, mas estão mortos. Suas vidas, embora se apresentem como vitoriosas, não fazem muito sentido para eles mesmos. Existem em cada um deles um imenso vazio não preenchido pelo sucesso profissional ou pessoal, pelo dinheiro, por bens e outros prazeres mundanos. Tudo lhes parece muito bom, mas lhes falta satisfação interior. Há vida exteriormente, mas há morte em seu íntimo, no mais secreto de seu ser.
I – PARA ENTENDER A MORTE, É PRECISO DISTINGUIR OS TRÊS NÍVEIS DE VIDA HUMANA.
Primeiro nível: a vida física
Aí estão os sentidos, os sistemas corpóreos que se manifestam na vida e existência do homem e da mulher. É o físico que materializa o nosso interior. É com o físico que a simpatia é demonstrada mediante o sorriso. É com o físico que a solidariedade é vista através de ações sociais e comunitárias; é por esse nível que a beleza é contemplada e admirada. No caso de Lázaro, fisicamente ele estava morto, seu físico estava apodrecendo; não mais havia vida física.
Segundo nível: a vida da alma
Aí está o centro dos sentimentos, desejos e vontades. É com a alma que sentimos e experimentamos o prazer, a emoção, o apetite, a vontade de fazer ou deixar de fazer algo. No caso de Lázaro, já não podia experimentar nada disto, pois estava morto.
Terceiro nível: a vida espiritual
Aí está a capacidade de contato com Deus em um relacionamento pessoal.
II – PARA ENTENDER A VIDA HUMANA, É PRECISO DISTINGUIR OS DOIS NÍVEIS DE MORTE.
Há a morte física e a morte espiritual. Elas não atuam de forma simultânea, necessariamente. Assim, pessoas podem estar fisicamente vivas e espiritualmente mortas, bem como podem estar espiritualmente vivas e fisicamente mortas.
Tanto a morte física (caso de Lázaro) quanto a morte espiritual são evidenciadas através de alguns sinais, que podem ser comuns e compartilhados:
1) Mortos não têm apetite
Lázaro não mais podia saborear os pratos preparados por sua irmã Marta, porque estava morto. A pessoa morta espiritualmente, também, não tem apetite de Deus. Não anseia por comunhão, conhecimento da Palavra, oração, por nada disso. Pode até vir à Igreja e participar de algumas atividades, ou seja, pode até ser religioso, mas não tem fome de Deus.
2) Mortos não têm ação
Lázaro estava ali atado, sem ação, morto. Pessoas mortas espiritualmente, também, não têm vida espiritual, não têm testemunho, oração, não compartilham o Evangelho nem com palavras, nem com atitudes, pois estão atadas, amarradas, presas, mortas.
3) Mortos não amam
Marta e Maria amavam Lázaro e estavam ali chorando pelo irmão. Jesus ali estava e por amor chorava por ele, mas Lázaro não podia responder ou fazer coisa alguma, pois estava morto. É isso que acontece com os mortos espirituais:
Eles não respondem ao amor de Deus.
Eles não se importam com o amor que os outros – vivos espiritualmente – manifestam por eles, seja o marido, a mulher, os filhos, os amigos, os irmãos; enfim, os mortos espirituais não conseguem perceber e enxergar o amor, simplesmente não reagem a gestos de amor.
III – AS DIFERENTES NECESSIDADES DOS MORTOS, NOS DOIS NÍVEIS.
Os mortos, em sua dimensão física, não necessitam de nada, exceto terem seus corpos enterrados, por uma questão de saúde pública. Gn 3.19c descreve o fim físico do homem:"...porque tu és pó e ao pó tornarás".
E quanto aos mortos espirituais, de que necessitam?
Eles não precisam de estímulos, nem de humor, conforto ou solidariedade. Lázaro tinha ali tudo isso: a família estava presente, seus amigos também. Ali havia conforto e solidariedade, mas não havia o principal, não havia vida.
O que, então, os mortos espirituais precisam é de vida espiritual, precisam de Jesus Cristo! Ele que é Vida, posto que até quem morre fisicamente, nEle terá vida, a vida eterna. Por isso ali onde havia cheiro de morte, após a intervenção miraculosa de Jesus exalou-se Seu suave e doce perfume, o perfume de Vida. Como fez com Lázaro, Jesus pode fazer com que o morto espiritual venha para fora da sepultura, levante e ganhe vida (Jo 11.37,38). Hoje ainda, agora mesmo, Jesus quer chamar alguém, que está morto ou morrendo espiritualmente, para tirá-lo da situação de comodismo, de mornidão espiritual e dar-lhe vida, fazendo-o experimentar a plenitude de Seu amor. Há um apelo celestial para quem assim estiver: sair da sepultura e experimentar vir para fora, deixar a morte espiritual e vir para a vida.
Saibamos todos que em Ap 3.14-22 Jesus adverte a igreja de Laodicéia severamente: “... Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca."
Com o Senhor não existe talvez/vou pensar ou mais-ou-menos. Com o Senhor deve ser sim-sim ou não-não. Não existe meio-termo, não existe o morno (espiritualmente morto), mas o quente (espiritualmente vivo/tem parte total com Deus) ou o frio (aquele que não tem parte com Deus). Na dimensão integral do ser humano (corpo, alma e espírito) ser "frio" (descrente, agnóstico ou ateu) é preferível a ser "morno" (conhecedor da verdade, mas que se afastou do Senhor, e que está morrendo espiritualmente). Precisamos tomar cuidado, pois sabemos  que o Senhor rejeita o "morno", que Lhe dá "náuseas", e portanto, o "vomita"! E quanto a você, como está espiritualmente? (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 10/10/2010).