REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

segunda-feira, 13 de junho de 2011

A GRATIDÃO E SUA PRÁTICA NA PERSPECTIVA CRISTÃ

Há quem afirme que quem quiser amar o homem, não espere muito dele. Neste contexto, ao se dispor a ajudar alguém não espere por gratidão. Pelo contrário, muitas vezes quem ajuda deve até está preparado para se dar por feliz se não receber críticas ou até calúnias. Mas na perspectiva cristã essas afirmações estão equivocadas. Para encontrar confirmação, façamos uma reflexão sobre Lc 17.11-19. Na perícope é descrito o momento em que dez leprosos se dirigem ao encontro de Jesus e clamando, gritam, de longe (v.13): “Jesus, Mestre, compadece-te de nós”.
I – JESUS RESPONDE AO CLAMOR DOS QUE SOFREM, SEMPRE.
Ali estavam dez homens reunidos por doença terrível, a lepra. Eram eles considerados impuros e deviam permanecer excluídos do convívio social pelo resto da miserável vida que levavam. Eles formavam um pequeno grupo, com a participação, inclusive, de um samaritano. Somente a doença e o infortúnio poderiam estreitar laços entre pessoas que não se relacionavam, posto que samaritanos e judeus eram inimigos! Ali juntos viram Jesus e juntos clamaram por ajuda e cura! E eles foram curados!
II – A DIFERENÇA MARCADA POR AQUELE QUE RETORNA PARA AGRADECER PELA CURA DA LEPRA.
Apenas um, dentre os dez abençoados com o milagre da cura da lepra, retorna a Jesus e se prosta aos Seus pés para agradecer. Que belo e impactante gesto de gratidão! Mas o que é gratidão? A gratidão é o ato de reconhecimento de uma pessoa por alguém que lhe prestou um benefício, um auxílio, um favor ou uma ajuda. A gratidão é uma emoção, que envolve um sentimento de dívida emotiva em direção de outra pessoa; freqüentemente acompanhado por um desejo de agradecer, ou retribuir um favor que fizeram por você. Em um contexto religioso, gratidão também pode referir-se a um sentimento de dívida em direção da divindade; por exemplo temos a expressão de gratidão a Deus que é um tema central do cristianismo.
III – QUAL TEM SIDO SUA ATITUDE DIANTE DE DEUS E DO OUTRO, GRATIDÃO OU INGRATIDÃO?
Sabe-se que a ingratidão é característica de quem tem frieza no coração e quem pouco valoriza o outro. Há pessoas que não valorizam o outro. Há pessoas que consideram até obrigação o que se faz por elas. Quando se lembrar de coisas boas, recorde-se de quem proporcionou isso a você e seja agradecido! Portanto, gratidão é lembrança. Ao contrário, ingratidão é esquecimento, memória curta. Eram dez os leprosos, nove foram ingratos, ou seja, noventa por cento dos abençoados que receberam a cura – graciosamente – negaram-se a agradecer. Quanta gratidão verdadeira, espontânea e autêntica Deus encontra em nossas vidas? O que acontece com você? Você abre a sua boca e verbaliza, mas de que forma? Você demonstra felicidade, contentamento e gratidão? Ou, protesta, por que é pouco, ainda? Reage violentamente, revoltando-se... é assim que você se comporta?
Pelo texto sagrado, conhecemos a atitude de Jesus quando vê que apenas um foi até Ele para agradecer, prostrando-se, já curado, adorando-o e dando-Lhe graças! E Ele pergunta: '..."Não eram dez os que foram curados? Onde estão os nove? Não houve, porventura, quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro?"(v. 17,18). O Senhor abençoa e libera graça, mas espera que, no mínimo, possamos agradecer, ou seja, dar graças! Quando agradeço, estou reconhecendo que o Senhor liberou amor, misericórdia e compaixão sobre mim, e me importa, então, demonstrar minha gratidão e meu amor. Faça você o mesmo! Em Cristo, é assim que se deve agir!
Minha oração é para que todos nós - sem uma exceção sequer -  livremo-nos do pecado da ingratidão; que não tenhamos memória curta; que corramos para reparar os nossos erros, ajoelhando-nos diante do Trono da Graça e suplicando a Deus perdão pela ingratidão que demonstramos em nossas vidas; que sejamos exemplos de gratidão e serviço; que aprendamos com o apóstolo Paulo quando dá as últimas instruções em I Ts 5. 18:” Em tudo (e o que é tudo?) dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”. Aqueles dez homens, verdadeiros párias e excluídos sociais, receberam o milagre da cura, experimentaram a maravilhosa graça de Deus, mas apenas um foi agradecido! Na perspectiva cristã, aprendamos que por tudo devemos agradecer a Deus - o que significa que devemos dar graças pelo que de bom e maravilhoso acontece conosco, mas igualmente, dar graças pelo que não é bom. Quer pelas coisas boas, quer pelas coisas más e ruins, em tudo devemos agradecer, posto que é desta forma que Ele (o Pai) deseja que, em Cristo Jesus, façamos! Desconcertante e impactante é esta conclusão, mas é o que o Senhor deseja e espera de cada um dos que são discípulos dEle! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 12/06/2011).