segunda-feira, 7 de maio de 2012

COMPREENDENDO MAIS SOBRE A UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO!

Em Lc 4.15-19 há uma descrição de Jesus em que, após ter chegado a Galiléia, mais especificamente em Nazaré, onde fora criado, entra em uma sinagoga, senta-se, e ao se levantar para ler as Sagradas Escrituras, abre em Isaías 61.1,2, e lê: “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, a pregar liberdade aos cativos, e restauração da vista aos cegos, a por em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor”. E ali começou a se cumprir a profecia, pois Jesus tendo recebido a unção do Espírito de Deus fez o que fez: evangelizou, curou, libertou,  promoveu restauração a visão e anunciou o ano da Graça do Senhor. E Ele fez o que fez não porque era o que era, é e será eternamente, mas porque era o Homem Perfeito, absolutamente rendido ao Espírito Santo, obedientemente, então,  recebeu a unção e fez toda a diferença. Jesus fez o que fez porque era totalmente dependente de Deus, de Seu Espírito.Nós também podemos assim fazer, se recebermos unção do Espírito Santo! Mas o que é a Unção? É o ato ou efeito de ungir ou untar. Espiritualmente falando pode-se dizer que a unção é um revestimento que visa a proteção, o dinamismo e a formação de um caráter piedoso e carismático.
Reveste-se a unção com proteção porque o cristão com o Espírito Santo busca estar livre da contaminação pelo mundo onde vive.
Reveste-se a unção com dinamismo porque o ungido encontra força e coragem para realizar as obras de Deus sem temor.
Reveste-se a unção como carismática porque sendo o Espírito Santo doce e sensível este mesmo sentimento tem que fazer parte daqueles que possuem Sua unção.
O cristão precisa estar em sintonia com o Espírito Santo e, através de suas ações, produzir frutos que evidenciem a unção. Existem pessoas que confundem unção com pulos, gritos, danças e outras manifestações que surgem nas ministrações com ênfase no Espírito Santo. Mas a unção é algo muito maior, porquanto é a transformação que alcança a vida do discípulo que crê e permanece nEle. Ser uma igreja avivada não é ser barulhenta, em todo um estilo pentecostal; uma igreja avivada é aquela que demonstra e evidencia transformações de vidas de adoradores que passaram por todo um processo de desconstrução de conceitos e valores de independência, individualismo e autossuficiência, e agora, rendidos aos pés de Cristo, tornaram-se plenos do fruto do Espírito (Gl 5.22). Aprendamos, então, que a unção – disposta segundo o texto citado por Jesus – está intimamente relacionada a três aspectos:  autoridade, legitimidade e capacidade.
I – COM A UNÇÃO, O ESPÍRITO SANTO LIBERA AUTORIDADE SOBRE QUEM UNGE: 
Há autoridade sobre quem se comunica movido pelo Espírito Santo. O texto de 2 Co 5.20 nos reveste da autoridade de embaixadores (”De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio”). É importante, então, compreender qual o papel de um embaixador. Um embaixador representa um reino, um principado ou um país. Ele fala com a autoridade como representante do governante a quem se reporta. As palavras de um embaixador devem expressar o pensamento de seu governante.
Quando Deus nos chama, pela graça, para um relacionamento duradouro e profícuo com Ele e com o nosso próximo, somos conduzidos invariavelmente com autoridade, em busca de integridade. O embaixador de Cristo deve lutar para ter uma vida íntegra, para que a mensagem de Jesus Cristo não seja maculada em sua vida. A mensagem da cruz de Cristo deve conduzir a comunidade cristã a uma reflexão sincera e profunda, sobre a importância de seu chamado para uma vida como embaixadora e testemunha de Cristo. 
II – COM A UNÇÃO, O ESPÍRITO SANTO ASSEGURA LEGITIMIDADE SOBRE QUEM UNGE:
Como somos filhos e filhas de Deus – e segundo Paulo, aquele que se deixa ser guiado e conduzido pelo Espírito Santo é filho de Deus (Rm 8.14) – então, a unção do Espírito de Deus em nós confere legitimidade à nossa filiação. Victor Frankl, médico e psiquiatra austríaco, que explorou o sentido existencial do indivíduo e a dimensão espiritual da existência e foi o precursor da Logoterapia ( "logos" é termo grego que significa "sentido"; assim, a logoterapia concentra-se no sentido da existência humana, bem como na busca de pessoa por este sentido; para a logoterapia a busca de sentido na vida da pessoa é a principal força motivadora do ser humano), disse que  assim como temos o cordão umbilical que nos diz que viemos de outro corpo, de outro organismo, existe em nós uma dimensão que nos vincula a outro ser, a um universo espiritual; Para Frankl a consciência é o umbigo da alma, assim nossa consciência nos diz que temos origem em outra consciência. A unção do Espírito Santo, verdadeiramente, permite-nos ter ciência de que há legitimidade em nossa relação, sendo guiados por Ele, somos todos filhos e filhas do Senhor.
III – COM A UNÇÃO, O ESPÍRITO SANTO PROPORCIONA CAPACITAÇÃO SOBRE QUEM UNGE:
Ao conceder unção, o Espírito Santo confere autoridade e legitimidade; mas e quanto a capacidade? Somo capazes de fazer? Somos capacitados para fazer algo, movidos pelo Espírito Santo? Como acontece isso? Para melhor entendimento atentemos para a seguinte ilustração: 
Certa vez estavam duas crianças patinando em um lago congelado. Era uma tarde nublada e fria e as crianças brincavam despreocupadas. De repente, o gelo se quebrou e uma delas caiu, ficando presa na fenda que se formou. A outra, vendo seu amiguinho preso e se congelando, tirou um dos patins e começou a golpear o gelo com todas as suas forças, conseguindo por fim quebrá-lo e libertar o amigo. Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:
-Como você conseguiu fazer isso? É impossível que tenha conseguido quebrar o gelo, sozinho, sendo tão pequeno e com mãos tão frágeis?
Neste instante, um ancião que passava pelo local, comentou:
-  Eu sei como ele conseguiu.
Todos perguntaram:
- Pode nos dizer como?
- É simples – respondeu o ancião: – Não havia ninguém ao seu redor, para lhe dizer que não seria capaz.
Deus nos fez perfeitos e não escolhe os capacitados. Ele capacita os escolhidos. Fazer ou não fazer algo só depende de nossa vontade e perseverança”. É uma frase atribuída a Albert Einstein, embora haja quem discorde e afirme ser de origem desconhecida ! Mas não importa, o que nos interessa é saber que a unção do Espírito nos capacita para enfrentar os desafios e cumprir Is 61.1,2 em nossas vidas, como ungidos de Deus. Portanto, oro para que, autorizados, legitimados e capacitados pelo Espírito Santos, como ungidos, possamos agir no mundo como filhos e filhas de Deus, levando a mensagem da salvação, curando e libertando os oprimidos e, sendo luz em meio às trevas! . Amém! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 06/05/2012).