terça-feira, 25 de novembro de 2008

A ROCHA, A AREIA E SEUS FUNDAMENTOS

Tanto em Lc 6.46-49 quanto em Mt 7.21-29 nos é descrito um episódio em que Jesus ilustra seu ensino com o uso de mais uma parábola. Desta feita, é destacado que: chamar Jesus de Senhor e não se submeter a Ele em obediência mostra uma total contradição. Assim, nos é ensinado que nossas atitudes, aceitando e vivendo (pondo em prática), ou não, o senhorio dEle sobre nós, configura dois fundamentos. O Fundamento na Rocha: quem ouve as palavras (ensinos) de Jesus e pratica é semelhante ao homem prudente. Homem prudente para Jesus é o que se firma na Rocha, que é Ele, o próprio Cristo. O homem prudente é obediente, sábio, pois usa a sabedoria do alto em tudo o que faz. O homem prudente constrói a sua casa (toda a sua vida) sobre as rochas do verdadeiro discipulado, em uma submissão genuína a Cristo. O salmo 18.1,2 diz: “Eu te amo, ó Senhor, força minha. O Senhor é a minha rocha, a minha cidadela, o meu libertador, o meu Deus, o meu rochedo em que me refugio; o meu escudo, a força da minha salvação, o meu alto refúgio”. Jesus é a Rocha sobre a qual construímos nosso dia-a-dia, nossa vida. Cristo ensina aqui a importância do FAZER tanto quanto do OUVIR. Em Sua descrição de dois construtores deixa bem claro que ambos foram julgados, não pelo cuidado que tiveram ao construir suas casas, mas pelo Fundamento com que alicerçaram suas construções. Jesus ilustrou extraordinariamente a importância do fundamento quando edificamos a vida. Aprendamos, pois, que é somente pela nossa união com Cristo, que é a Rocha, que podemos conseguir a firmeza das paredes, sem a qual, até os nossos mais firmes objetivos serão como areia movediça. O construtor sábio e prudente cavou, abriu profunda vala e lançou o alicerce sobre a Rocha. E aí sim pode vir a enchente, o rio pode arrojar-se sobre a casa, mas não será abalada, por ter sido bem construída.O Fundamento na Areia: O que um fundamento arenoso representa? Mostra-nos uma base frouxa, o ato de professar a religião de forma vazia, como uma mera religião externa. A areia explica os sentimentos inconstantes e incertos de algumas pessoas (os insensatos da parábola). Para muitos destes, o único solo sobre o qual agem, tem a ver com amar a si mesmos, gostar de serem louvados, sendo fiéis aos costumes. Este segundo tipo de construção, externamente pode até assemelhar-se a uma mansão, mas é desprovido de alicerce, não tem fundação e, portanto, está condenada à destruição. Os homens que ouvem, mas não praticam os ensinos de Jesus tomam decisões sem levar em conta a ajuda de Deus, e têm suas casas edificadas sobre a areia. Seu fundamento é frágil, e pode desmoronar a qualquer momento, basta que chuvas provoquem inundações e destruam tudo. Essas pessoas podem até ter:- alegria, mas não é baseada na confiança do amor de Deus;
- confiança, mas não é fundamentada na presença revelada de Deus;
- virtudes, mas estas não têm raízes;
- bondade, mas não tem motivação para fazer o bem, e,
- esperança, mas não tem fundamento algum.

Há outras pessoas – e são até boas pessoas – que não são do Senhor, mas que constroem bem e acham que suas casas estão bem edificadas, lidam sabiamente sobre o dinheiro, os amigos, a saúde e o sucesso nos negócios, mas essas coisas embora sejam louváveis em si mesmas, são desastrosas, se não forem alicerçadas sobre a Rocha. Há, ainda, outras pessoas que constroem de forma diferente, e elas agem aumentando diariamente:
- o seu poder de Servir,
- o seu conhecimento de Deus,
- as suas vitórias sobre os seus defeitos,
- as suas alegrias e esperanças, até que suas vidas se tornem um palácio digno para Deus habitar. Estas são do Senhor, e edificam suas casas sobre Jesus Cristo, a Rocha.
Sobre qual fundamento você tem edificado sua vida? Sobre a Rocha ou sobre a Areia? (Síntese da mensagem deste pastor levada à Comunidade no culto de domingo, 16/11/2008)

Nenhum comentário: