segunda-feira, 20 de setembro de 2010

AS ORAÇÕES RESPONDIDAS E AS NÃO RESPONDIDAS: O SENTIDO E O SIGNIFICADO DE Jo 14.13,14.

 ("E TUDO quanto pedirdes em Meu nome, isto farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. Se Me pedirdes alguma coisa em Meu nome, Eu o farei")!Jo 14.13,14 constitui um exemplo típico de versículos bíblicos em que tropeçam muitas pessoas. A afirmação de Jesus possibilita promessas tão grandes, tão vastas, enfáticas e ilimitadas que não exclui nada. O erro de se ler a Bíblia, segundo alguns versículos, tomados isoladamente, resulta em fracassos, decepções e muitos desapontamentos de pessoas que oram, esperam pela resposta prometida, mas não alcançada, pois o tempo passa e nada acontece. As experiências místicas com Cristo, então, mostram-se frustradas, porquanto pediram, conforme recomendado, mas não receberam, Fizeram um apelo com clamor à Deus, mas nada resultou. Geralmente os mais contundentes problemas religiosos e as primeiras perplexidades na mente, surgem neste ponto. Este é o caso de muitas orações não respondidas, segundo a expressão de muitos. Orações e mais orações, tempo passando e nada de resposta!
Por mais gerais e, aparentemente, incondicionais que pareçam, as promessas bíblicas não deixam de ter suas condições.
I – A RESPOSTA DA ORAÇÃO ESTÁ INTIMAMENTE LIGADA AO CARÁTER E À NATUREZA DE DEUS PAI.
Ele não pode negar Sua natureza, Sua santidade, Sua bondade, Sua vontade, Sua justiça e Sua graça. Por essa razão, o Senhor, sob nenhuma hipótese, responderá àquela oração que é contrária à Sua glória, posto que se assim for, na realidade, é algo defeituoso quanto à Sua bondade intrínseca, positivamente má, ou pelo menos, destituída de qualquer valor autenticamente espiritual. Logo, não tem parte alguma com Ele, então, não será atendida.
II – A ORAÇÃO PARA SER RESPONDIDA DEVE SER FEITA EM NOME DE JESUS.
Esta verdade precisa ser analisada em seis pontos:
1) Não significa que se deve acrescentar meramente o nome de Cristo, como parte de uma fórmula litúrgica.
2) Mas significa que a oração deve ser feita por que se pertence a Cristo, está-se identificado com Ele, por que se é, efetivamente, discípulo dEle. Isso não significa que Deus não atenda às orações de outros, que não são cristãos em qualquer sentido, porquanto até mesmo tais orações podem possuir algum elemento que redunde na glória de Deus, estando mesmo em harmonia com a Sua vontade universal. Porém significa que a promessa de respostas incondicionais pertence exclusivamente aos filhos de Deus, os quais estão sendo conduzidos à glória, como o que têm recebido o nome de Jesus, que gozam de uma relação integral com Ele.
3) A expressão em Nome de Jesus significa que aquilo que pedimos ao Pai está de acordo com os Seus desígnios e propósitos, promovendo a Sua glória, direta ou indiretamente, ou mesmo o avanço espiritual daquele que ora, a fim de que este se torne mais semelhante ao Seu Senhor e Mestre.
4) A expressão em Nome de Jesus significa, também, o que se aplica àquelas orações que resultam dos impulsos do Espírito Santo, o qual é concedido para orientar os que oram em suas caminhadas de volta ao Senhor. Somente aqueles que estão completamente cheios do Espírito Santo é que sentirão a inclinação de orar por aquelas coisas que realmente são espiritualmente benéficas, para eles mesmos ou para outros, contribuindo para o avanço da mensagem e da causa de Jesus Cristo neste mundo. Estas são orações que o Senhor responde incondicionalmente.
5) A expressão em Nome de Jesus também deve, necessariamente, incluir a idéia de que tais orações são oferecidas na fé que temos na pessoa sacrossanta de Jesus.
6) De modo geral, portanto, a idéia de orarmos em nome de Jesus envolve o conceito inteiro de nossa comunhão ou intimidade espiritual com Cristo. Aí há uma participação que gradualmente vai crescendo e se tornando mais profunda em sua própria natureza moral e metafísica, então, neste estágio o que ora está mais interessado na glória de Deus, em Sua obra e propósitos, em Seus planos e desígnios, pois, naturalmente, confia e espera nEle.
III – UMA ORAÇÃO EGOÍSTA NÃO OBTERÁ RESPOSTA DE DEUS
Alguém que alimenta uma natureza egoísta jamais terá sua oração incondicionalmente respondida, pois se faz um pedido que reflita essa natureza não precisa esperar nada da parte de Deus (Tg 4.3: “Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres”-NVI).
IV – A ESSÊNCIA DE DEUS ESTÁ INTIMAMENTE RELACIONADA À SUA  GRAÇA, SEU AMOR E SUA FIDELIDADE. A ESSÊNCIA DE SEUS FILHOS QUE OBTÊM RESPOSTAS ÀS ORAÇÕES NÃO PODE SER DIFERENTE
Nunca é demais se lembrar que Deus é Amor (1 Jo 4.8) e que por amor Ele entregou Seu Filho aos algozes. Por amor a mim e a você, Ele fez. O novo mandamento explicitado por Jesus – naquilo que é síntese de toda a Lei de Deus – é expresso na conjugação do verbo amar: amar a Deus, amar ao próximo (1 Jo 4.11-21).
Fazemos progresso em nossa caminhada espiritual e estaremos amadurecendo, tornando-nos amados discípulos do Senhor, quando começarmos a ter cuidado pelos outros, da mesma forma como cuidamos de nós mesmos; quando aquilo que é importante para o outro, também é importante para nós. E mais: quando em tudo desejamos para os outros não menos do que para nós mesmos.
O amor é uma profunda motivação que provoca a partilha e o mais autêntico altruísmo; isso é marcantemente ilustrado na vida terrena de Jesus que viveu para os outros e morreu pelos outros. O amor é produto da influência do Espírito no coração do que crê (um dos marcantes aspectos do fruto do Espírito – Gl 5.22: “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio”) e faz parte da transformação ética que o Espírito Santo opera nos remidos, servindo também da evidência de seu desenvolvimento espiritual.
Aprendamos, portanto, a cultivar o amor, a construir relacionamentos verdadeiramente solidários e eternos, e aí, sendo para a glória de Deus, somos guiados pelo Espírito Santo e, então, poderemos orar ao Pai, em nome de Jesus, que Ele nos atenderá e concederá toda a sorte de bênçãos! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 19/09/2010).

Nenhum comentário: