segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

ACORDA, TU QUE DORMES...! CUIDA PARA QUE NÃO CAIA E MORRA!

At 20.7-12 descreve um pequeno episódio na caminhada missionária de Paulo que precisa ser bem assimilado para extrairmos ensinamentos. O jovem Êutico assistia a um longo sermão do apóstolo e foi envolvido por sono profundo, como estava sentado em uma janela no terceiro andar, caiu e morreu. Assim como ele, muitos são o que continuam dormindo e, por causa do sono, caem e morrem. Deste texto podemos aprender que:
I – ELE SE SENTIU MUITO SEGURO NA JANELA, MAS FOI TOMADO POR UM PROFUNDO SONO
Muitas são as pessoas que criam para si certo tipo de falsa realidade, um mundo todo seu, onde são senhoras absolutas delas mesmas. Você se sente assim? Senhor de sua vida e seguro sobre o amanhã. Você é senhor de seu próprio destino? Cuidado com a “segurança” de quem está sentado na janela...! A nossa segurança, a nossa verdadeira segurança é o Senhor.
"Porque o Senhor será a tua segurança e guardará os teus pés de serem presos” (Pv 3.26).
É preciso aprender a estar em pé, atento e sóbrio, pois a queda para quem vacila pode acontecer a qualquer momento e o fim pode ser trágico. Êutico se sentia seguro, ouvindo Paulo, mas sem olhar para dentro de si como necessitado de algo mais. Ele ouvia a Palavra como se fosse para os outros. Por isso, muitos como Êutico caem e demoram a se levantar. Aprenda com este episódio bíblico e não se sinta seguro na janela. Por outro lado, muitos são os que caem por estarem tomados por um profundo sono. Há alguns sonos bem típicos, espiritualmente falando. Vejamos a situação do sono e o estado de quem nela está:
- Sono do comodismo: estado de quem não busca mais, pois acha que já atingiu o máximo, ou simplesmente, não quer mais da comunhão com o Senhor e com os irmãos. Situação de quem está satisfeito com o que tem, contrariamente aos “inconformados” de que nos fala Paulo em Rm 12.2.
- Sono da mesmice: estado de quem continua na “vidinha” de sempre. Experiências passadas contam bem mais do que a busca por mais de Deus e do alegre convívio com os irmãos.
- Sono da esterilidade: estado de quem não produz nada, não gera vidas e não tem paixão por almas. É o infrutífero de quem fala Jesus que o Pai (agricultor) arrancará da videira (Cristo), pois não frutifica.
- Sono da precipitação: estado de quem somente age por impulso e não aprofunda sua relação com Deus e com os irmãos; faz e desfaz com a mesma velocidade, sem buscar a orientação do Senhor; não é moderado, paciente e longânimo; não transmite graça, nem paz em seu entorno, características de quem é discípulo de Jesus.
- Sono da empolgação: estado de quem é tocado pelas emoções das campanhas neopentecostais, de quem somente busca “o sobrenatural” de Deus, mas que é superficial em seus relacionamentos com Cristo e com os outros.
O apóstolo Paulo nos adverte em Rm 13.11 que o dia está próximo e que é preciso estar vigilante e não dormir: ” E digo isto a vós outros que conheceis o tempo: já é hora de vos despertardes do sono; porque a vossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio cremos”.
Portanto, Êutico foi tomado por um sono que lhe foi prejudicial, que só lhe fez mal, posto que aquela não era a hora de dormir. Você consegue identificar alguém na igreja que está dormindo (que está com um tipo de sono espiritual)? Quem está neste estagio, dormindo, não consegue receber o melhor de Deus. Portanto, não durma! Caso você esteja dormindo, ou vez por outra, cochilando, tome cuidado e não vacile mais, você pode cair da janela!
II – ELE ESTAVA INDIFERENTE À PALAVRA MINISTRADA E NÃO CONSEGUIU PERMANECER MUITO TEMPO NA PRESENÇA DE DEUS
Reflita sobre a cena: Paulo pregando e Êutico dormindo. É certo que a pregação do apóstolo estava se estendendo muito... era muito longa e nos mostra uma faceta marcante em Paulo, ele falava muito, era prolixo ao extremo. Seu sermão estava se tornando muito cansativo. E isto deve ser evitado em nossas igrejas. Mas, por si só, tal coisa não pode ser motivo para dormir. Observe-se que o texto não cita outros que caíram no sono, mas apenas o jovem Êutico. Ele estava até perto para ouvir bem a Palavra, mais bem longe do impacto que ela produz. Muitos são os que se comportam assim: estão indiferentes à voz de Deus, insensíveis ao que o Senhor está falando. E o Senhor continua falando... uns recebem como para si mesmos, outros murmuram e até afirmam que o pastor está falando aquilo certamente por manobra, pois sabe do seu problema e está lhe expondo no culto. Os que agem assim – de forma indiferente – fazem morrer toda a sensibilidade para ouvir a voz de Deus. Estes não estão atentos quando a Palavra está sendo liberada; aí, adormecem, caem da janela e morrem como Êutico. Nos relacionamentos, tanto com o Senhor quanto com os outros, a maior forma de agressão é a indiferença. Quando se age indiferentemente com alguém, está-se repudiando a pessoa, ou seja, se está sendo agressivo. Reflita sobre isso!
Não fique indiferente, pois você pode cair da janela! O tempo na presença de Deus não deve ser negligenciado ou racionado, mas deve ser aproveitado em sua totalidade. Vejamos o Sl 84.10: o salmista declara ao Senhor e a todos nós que “ ...um dia nos teus átrios vale mais que mil; prefiro estar à porta da casa do meu Deus, a permanecer nas tendas da perversidade". Muitos são os que têm tempo para todos e tudo, mas quando estão na presença de Deus todo pouco tempo é muito. Mas não aja assim. Não se apresse em sair da presença de quem ama e tem muito para ensinar. Quando se raciona o tempo na presença de Deus há insensibilidade à Sua voz.
III – ELE SE ISOLOU DOS OUTROS
Quantas vezes ouvi a expressão em auditórios, em salas de aula e até em templos: “Vou ficar aqui perto da porta, pois posso sair primeiro e mais rápido”! Pessoas que agem assim não querem muito se socializar. São avessos ao contato com o outro; não gostam de toques e abraços. Não querem viver comunitariamente, como na igreja primitiva. Há pessoas que gostam de viver isoladamente. Cuidado, com isso! O isolamento pode atrofiar o seu crescimento. O isolamento é como uma arma mortífera que sufoca e mata nosso relacionamento com Deus e com o outro, o nosso próximo. Quem se isola passa a não ter o sentimento de pertencer, antes fica distante da linguagem, do jeito de ser e da visão compartilhada por todos os outros. Sabemos que Deus não faz acepção de pessoas (At 10.34), logo Ele não escolheu alguns e outros não, nós mesmos nos isolamos dessa escolha. Ele quer ter parte com todos os pecadores, mas como concebeu e concedeu liberdade a todos, muitos são os que O rejeitam e não querem ter parte com Ele. Até aí tudo bem, é um direito de escolha, mas o problema está quando surgem as conseqüências geradas por nossas escolhas, quando O rejeitamos. O que sabemos sobre isolamentos é que o interesse de quem se isola nunca é baseado no bem comum, mas no bem individual. Todos estavam juntos, o texto não diz que Êutico situava-se com os ouvintes, mas sentava-se na janela (v.9). Ali no cenáculo – sala espaçosa de encontros, orações e também lugar de refeições – aquele jovem não parecia estar entre os demais, mas isolava-se sentado na janela. Provérbios 18.1(NVI) nos ensinam que “quem se isola busca interesses egoístas e se rebela contra a sensatez”
IV – ELE BRINCOU COM O PERIGO
Que cena! Ele estava sentado em uma janela no terceiro andar! Como é arriscado estar nessa situação. Será se nós temos casos assim entre nós: pessoas que brincam com coisas sérias, como Ministérios, Lideranças, e até com o próprio Senhor? Quem brinca com o perigo, quem gosta de viver perigosamente, como que a praticar esportes radicais, sem a devida segurança, pode ser surpreendido pela morte. Muitos são os que brincam, mas têm sido surpreendidos pela morte espiritual. A janela tem uma função em uma obra, em uma construção, mas certamente sua função não é servir de assento. Muitas são as vezes que nos damos mal por que queremos mudar as coisas e inverter as funções para adaptar a nossa deficiente visão das coisas. Ele viu uma janela e resolveu fazer dela um assento. Mas ela não serve para assentar-se. Logo, o fato de querer fazer uso indevido dela, não a torna um assento. Em nossa relação com Deus isso funciona também. Não é por que você deseja que algo seja de uma forma, que a forma vai se adequar ao seu desejo. O certo é Certo. O errado é Errado. Isaías 5.20 expressa essa questão:
” Ai dos que ao mal, chamam bem, e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!”
O errado vai continuar errado. Não dá para improvisar. Nossas escolhas e decisões produzem resultados e conseqüências. O que é que você tem feito? O perigo deve ser evitado.Não se julgue acima do bem e do mal. Você e eu somos limitados e não devemos nos julgar sábios aos nossos próprios olhos e prudentes em nosso próprio conceito (Is 5.21).
Pv 3.5 igualmente nos ensina: “Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento”.
Finalmente, aprendamos todos a não vacilar, a não confiar em nós mesmos, a não dormir quando a situação exige olhos e ouvidos bem abertos, a confiar mais no Senhor e aí, certamente, será possível evitar o dano que Êutico sofreu, pois nossas atitudes serão bem diferentes das dele!(Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 06/02/2011).

Um comentário:

Derland disse...

Seu blog e excelente, seus textos também são ótimos, vou tentar me inspirar no seu blog para melhorar o meu, se quiser depois e só da uma olhada o link ta logo a baixo: http://derlandreflexivo.blogspot.com/