REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

TRANSGRESSÕES E PECADOS NOS AFASTAM DE DEUS

Ao analisar e refletir sobre o capítulo 59 do livro de Isaías nos deparamos com uma época de muitos conflitos, marcada por violência e hostilidade. Isaias profetizou no período mais crucial da história de Judá e Israel. Ambos os reinos, tanto o  do Norte quanto o do Sul haviam experimentado cerca de meio século de poder e prosperidade crescentes. Mas Israel tinha sucumbido ao culto pagão; Judá manteve uma conformidade exterior à ortodoxia, mas, gradualmente, caiu em sério declínio moral e espiritual. Lugares secretos de cultos pagãos eram tolerados; o rico oprimia o pobre; as mulheres negligenciavam suas famílias na busca do prazer carnal; muitos dos sacerdotes e profetas tornaram-se bêbados que queriam agradar aos homens. Embora estivesse para vir mais um avivamento a Judá sob o rei Josias (640-609 a.C), estava claro para Isaías que a aliança registrada por Moisés em Dt 30.11-20 havia sido inteiramente violada, e o cativeiro e o julgamento eram inevitáveis para Judá, assim como para Israel. O povo fora escolhido por Deus para em tudo exaltá-lo e glorificá-lo. Seria uma testemunha da grandeza, poder e fidelidade do Senhor (Ex 19.5-6). As outras nações, ao contemplar sua prosperidade, deveriam ser atraídas para saber o motivo das bênçãos. A fé e a obediência ao único Deus seriam anunciadas. Os povos seriam convidados para vir adorar ao Senhor! Há algo que precisamos entender de forma definitiva. Dentro de qualquer ambiente histórico/cultural, o povo de Deus influencia e é influenciado. A mensagem da Palavra de Deus e as crenças e comportamentos do “povo santo”, são incorporados à cultura, ao mesmo tempo em que dela absolvem valores e práticas. Como povo de Deus, precisamos influenciar a sociedade difundindo os valores éticos, morais e espirituais da Bíblia Sagrada. Não estamos isentos da influência de elementos culturais, tais como a forma de se vestir, comer, falar, e se relacionar, por exemplo. O que não podemos aceitar são os elementos culturais que ferem os princípios bíblicos. A tensão entre cultura e fé é uma constante. Israel não suportou a pressão. Pouco a pouco foi negociando, relativizando e invertendo os valores. Quebrou a aliança com o seu Deus (Dt 28), rebelou-se contra o seu criador, protetor e provedor. A nação chegou em um nível de relação pessoal com o Senhor tão baixo, com falta de entendimento (perda do bom senso, da razão, da inteligência), tão precário, que a queda era inevitável. Decadência, retrocesso e fracasso, somam-se como resultado na vida de qualquer pessoa ou povo que abandona a Deus, ou que, deixam-se envolver por sincretismos religiosos abomináveis e blasfemam do nome do Senhor. Iniquidade é pecado premeditado. É ação maquinada, planejada, e arquitetada para fazer o mal. A própria condição da nação promovia a sua autodestruição e uma proliferação de doenças. A “cabeça”, centro dos pensamentos e idéias, e o “coração”, centro das emoções, estavam enfermos. Os comportamentos pecaminosos visíveis são resultados diretos de pensamentos e sentimentos invisíveis, maculados e contaminados pelo pecado. “Desde a planta do pé até à cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, contusões e chagas inflamadas, umas e outras não espremidas, nem atadas, nem amolecidas com óleo” (v. 6). Os sintomas das doenças da alma da nação já começavam a atingir o “corpo” (aspectos visíveis da vida cotidiana), produzindo feridas e provocando inflamações generalizadas. Havia algo fétido no ar. Is 59.1,2 afirmam que a mão do Senhor não está encolhida para a salvação, nem surdos os Seus ouvidos que não possa ouvir. Mas o certo é que o Senhor havia retirado Sua majestosa e gloriosa presença do meio do povo. Por quê? Qual foi o pecado que levou Deus a retirar Sua presença? Foi o pecado de “chocar ovos de áspide” e “tecer teias de aranha” (v.5). A mente é o ventre do coração, e os pensamentos são agentes de inseminação. Os maus pensamentos são como inseminações de serpente que se transformarão em ovos se não forem destruídas de imediato. Deus olha o que está acontecendo dentro do ventre da mente. Ele julga não pelas aparências exteriores; Ele leva em consideração o coração. “Como (o homem) imaginou na sua alma, assim é” (Pv 23.7). Devemos cuidar para que nossos pensamentos maus, assim como nossos pecados ocultos, não retardem a obra do Senhor em nossas vidas e na vida da igreja. A condição miserável do rebelde coração humano é duramente exposta nesta passagem. Comportamentos egoístas quebram a nossa comunhão com Deus. Desconsiderando Seus conselhos nos afastamos de Seu Caminho (Cristo) e somos levados ao caos e à depressão. As palavras desta passagem foram dirigidas ao “Povo de Deus”, que conhecia o caminho da retidão, mas recusou-se a trilhá-lo em obediência.  Para crescermos no amor de Deus, precisamos nos submeter à Sua soberania em nossa vida. É necessário que estejamos dispostos a nos deleitar no Senhor, e não em nós mesmos.
I – A INCREDULIDADE E A FALTA DE FÉ NOS AFASTAM DO SENHOR
Enfatizando: os versículos 1 e 2 do capítulo 59 afirmam que o Senhor não é surdo, pois ouve, tampouco tem recolhidas as mãos, pois as estende para os que O amam. Ocorre que nós,muitas vezes, não obtemos respostas porque não confiamos, não esperamos e não acreditamos que a resposta vem do Senhor.
II – OS PECADOS OCULTOS NOS AFASTAM DO SENHOR
Espiritualmente, os pecados nos afastam de Deus. O profeta Isaías alertava a todos sobre esses pecados:
- v.3,4: mãos contaminadas pelo sangue; dedos sujos de maldade; bocas que falam mentiras; como uma gestante, o povo concebia o mal e dava à luz à maldade.
- v.5: tal qual cobra, pessoas punham ovos de serpentes e como aranhas, teciam.
- v.6: obras  de maldade e violência.
- v.7: pés que correm para o mal, velozes para derramar o sangue inocente;  pensamentos de maldade; caminhos de desolação e abatimento.
- v.8: desconhecimento de caminhos de paz. Esperam pela luz, mas só há trevas.
 -v.9: esperam pelo resplendor (=brilho intenso, fama, glória), mas andam na escuridão.
- v.10: por andar na escuridão não vêem paredes, apenas apalpam como cegos;por não ver, tropeçam ao meio-dia (embora o sol esteja em todo o seu fulgor).
- v. 11: urram (bramam) como ursos e gemem como pombas, procurando justiça, mas nada encontram. Buscam livramento, mas este está longe.Isso acontece quando muitas são as transgressões e os pecados que testificam contra nós. As transgressões estão sempre com o ser humano, mas falta-lhe reconhecer suas maldades, que são:rebelar-se contra o Senhor, deixando de segui-Lo; fomentar opressão e revolta; proferir mentiras que os corações concebem (v.12 e 13). Por tudo isso, nas transgressões não háJUSTIÇA – porque  retrocedeu; RETIDÃO (DIREITO) – porque ficou à distância; VERDADE – porque ficou na praça, e HONESTIDADE – porque não consegue entrar (v. 14). E mais: não se acha a verdade em parte alguma e quem se desvia do mal é tratado como presa, sendo vítima de saque. Como o  Senhor viu tudo isso entre Seu povo, desaprovou a falta de justiça. E o Senhor viu que não havia nenhum INTERCESSOR. Mas Seu braço trouxe LIVRAMENTO: e Sua JUSTIÇA deu apoio ao povo.E com armadura queria vestir o povo: usando a justiça como couraça, a salvação como capacete na cabeça, a vingança, como vestes e o zelo, como uma capa ou manto.
O Senhor afirma, ainda,  (v.18) que os transgressores serão tratados segundo suas obras, e haverá a retribuição; mas aos adversários trará furor. No v. 19 há a afirmação de que TODOS temerão o nome do Senhor, pois Ele virá como torrente impetuosa, impelida pelo Seu Espírito. Pois, Ele virá, o Redentor virá a Sião e aos de Jacó, que se converterem, diz o Senhor (v. 20).
Finalizando, há a certeza de que Ele, apesar de tudo, continuará com Sua aliança:“O Meu Espírito está sobre ti, e as minhas palavras, que pus em tua boca, não se apartará dela, dem da de teus filhos, nem da boca dos filhos de teus filhos, não se apartarão desde agora e para todo o sempre", diz o Senhor" (v.21). Amém! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 27/02/2011).

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<< Página inicial