segunda-feira, 9 de maio de 2011

A MULHER QUE GERA VIDA E SUSTENTA EM AMOR

Jesus nos últimos minutos da vida terrena (Jo 19.25-27) teve Seu olhar voltado para a mulher que O havia gerado, por obra e graça do Espírito de Deus, posto que ali crucificado na cruz, Ele fala com Maria e aponta o apóstolo João como aquele que haveria de Lhe substituir amparando Sua mãe, cuidando dela. Então, que extraordinário exemplo de superação da dor pessoal e de cuidados com a mãe! Como discípulos de Jesus devemos tê-Lo como exemplo. Por que Jesus fez isso? Por que se preocupou com Sua mãe? O que de especial tem uma mulher que se torna mãe? Uma mulher que gera vida, gera esperança e gera amor. Ela gera posteridade, gera o futuro. Não há como gerar vida humana que não seja, originalmente, pelo ventre de uma mulher. Não sem razão se afirma que cada criança que nasce é um sinal exteriorizado de Deus anunciando que ainda ama o homem.
I - A MISSÃO DE SER MÃE
Certamente um dos papéis mais importantes da mulher é o de ser mãe, embora todos os papéis sejam igualmente reconhecidos. A função materna era tão importante nos tempos bíblicos que a esterilidade feminina chegava a ser considerada uma maldição divina, porquanto impedia a mulher de exercer uma de suas funções mais importante na vida. Há casos destacados nas pessoas de Sara (Gn 17.15), Raquel (Gn30), e Ana (I Sm 1.2). Mas essa missão apresenta sobrecargas para seu exercício: muitas noites acordadas, cansaços físicos, frustrações, renúncias, ingratidões, uma tarefa difícil, árdua. Ser mãe não é simplesmente gerar e parir uma criança, entregando-a ao mundo. Ser mãe não é eximir-se da responsabilidade e repassá-la a outrem, como babás, parentes, amigos e creches. A função e o propósito missionário é tão peculiar que ninguém substitui o amor e o cuidado de uma mãe. Por outro lado, há benefícios que  a missão de ser mãe produz: é gratificante para ela ver o filho que amamentou crescido, criado, formado, bem encaminhado na vida. É honroso para a mãe ver em seus filhos suas próprias virtudes. É alentador para a mãe ser reconhecida por seus filhos como aquela que esteve ao seu lado nos momentos mais difíceis, educando, corrigindo, formando, protegendo, consolando e animando. Vejamos outras funções da Mãe: Gerar (conceber); Alimentar; Consolar; Proteger; Educar (ensinar, edificar, exortar, corrigir e repreender). Quanto ao papel de educador do pai e da mãe, eis o que a Bíblia nos alerta: “ Ensina a criança no caminho que deve andar e ainda quando for velho não se desviará dele” Pv 22.6. “ Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste. E que desde a infância sabes as sagrada letras que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Jesus Cristo.” II Tm 3.14,15.
II. EXEMPLOS BÍBLICOS DE MÃE
Muitas são as mães citadas na Bíblica, mas me detenho em Ana e Maria.
Ana ora ao Senhor por um filho, pois não mais suportava a vergonha de não ter um; Maria não ora ao Senhor por um filho, mas é graciosamente escolhida por Ele para ser a mãe de Seu próprio Filho. Para Ana (mãe de Samuel) a dor da esterilidade não a faz desistir, antes clama a Deus que lhe responde dando-lhe o primeiro dos grandes profetas do Senhor ( I Sm 1). Depois ainda teve outros cinco filhos como bênção do Deus Altíssimo. 
Já Maria (mãe de Jesus) acompanhou o Filho em todos os momentos e esteve presente até na hora do sofrimento da Cruz. Mãe que é mãe será sempre lembrada em suas virtudes. Não é abandonada na velhice. Não será esquecida nem quando morrer. Será sempre amada. Seu caráter estará evidente em seus filhos e na sua posteridade. Deus a honrará sempre.
III. MÃE É ETERNA, OU DEVERIA SER
“Por que Deus permite que as mães vão-se embora? Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro, puro pensamento. Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, é eternidade. Por que Deus se lembra - mistério profundo - de tirá-la um dia? Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho”(Carlos Drummond de Andrade). Por isso, neste dia, oro a Deus para que abençoe cada mãe, em todos os seus dias. E oro mais: para que cada uma compreenda bem a sua missão na terra, e assim, nunca desfaleça, desista ou desanime, na certeza de que estará plantando uma semente, regando com amor, paciência e oração! Salve você, que é mãe, pelo seu dia! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor, no culto de domingo 08/05/2011).

Um comentário:

dulce disse...

minha irma neste dia 08-05-11 eu estava velando meu filho de anos meu filho era saudavel cristao um verdadeiro adorador com tao pouco tempo que viveu foi o verdadeiro amor de DEUS, um filho perfeito demais para este mundo tao imperfeito......sofro muito de saudades dele sei que ele esta nos bracos de DEUS, mas sofro muito sem ele perto de mim....Porque DEUS permite que meu menino foi embora tao cedo???