REFLEXÕES PASTORAIS COM GRAÇA

segunda-feira, 25 de junho de 2012

ORAR CONTINUAMENTE É A INSTRUÇÃO APOSTÓLICA... MAS E QUANDO AS ORAÇÕES CESSAM?

Paulo nos alerta em 1 Ts 5.17 que devemos orar sempre, sem cessar, ou seja, continuamente. Como isso é possível?
1.     É PRECISO ORAR SEM CESSAR: Certamente que se pode entender que o apóstolo não afirmou que devemos estar com cabeça baixa e olhos fechados o dia todo. Paulo não está se referindo a falar sem parar, mas em uma atitude de consciência da presença de Deus e de render a Ele tudo o que fazemos o tempo todo. Todo momento que estamos acordados deve ser vivido com a consciência de que Deus está conosco e está ativamente envolvido em nossos pensamentos e ações. No decorrer de cada dia, oração deve ser a nossa primeira resposta a toda situação indesejada, que cause temor ou ansiedade.A de oração faz com que paremos de depender da graça de Deus e passemos a depender de nós mesmos. Orar sem cessar é, em essência, dependência da comunhão com o Pai. Quando nascemos de novo e passamos a fazer parte da família de Deus, entramos em uma atmosfera espiritual onde a presença e graça de Deus exercem pressão, ou influência, nas nossas vidas. Oração é a resposta normal a essa pressão. Como cristãos entramos na atmosfera divina para respirar o ar da oração.  Todo cristão deve estar continuamente na presença de Deus e constantemente respirando Suas verdades para ser vitorioso em suas caminhada. Neste mundo capitalista e consumista por excelência, muitos são os que ficam satisfeitos com as bênçãos físicas e têm pouco desejo por bênçãos espirituais. Ao se tornarem tão dependentes dos seus recursos físicos, acham que pouco precisam dos recursos espirituais. Quando são os programas, métodos e dinheiro que produzem resultados que impactam pessoas, há uma frequente inclinação para confundir sucesso humano com benção divina. Muitos são os cristãos que se comportam como se Deus não fosse necessário. Quando isso acontece, o desejo ardente por Deus e a necessidade de Sua ajuda vão faltar, assim como o Seu poder. Por causa desse grande – e comum – perigo, Paulo encorajou os cristãos a orar “em todo tempo” (Efésios 6.18) e a perseverar na oração (Colossenses 4.2). Oração contínua, persistente e incessante é uma parte fundamental da vida cristã que tem sua origem na dependência em Deus.
2.     E QUANDO AS ORAÇÕES CESSAM? Há momentos na vida onde parece que as orações chagaram ao fim. Você já passou por uma situação assim? Entendamos,então, que as orações cessam ou são interrompidas quando:
1)       EXISTEM MENTIRAS, ENGANOS E ÓDIO (Salmo 109.1-7): Não adianta ter o coração cheio de ódio para com o outro e ir à reunião de oração louvar a Deus. Vá á reunião, mas com o propósito de buscar solução para tal sentimento. Se estiver vivendo em clima de mentiras e enganos, vá orar e pedir para Deus trazer consciência ao seu coração, pois de outra forma sua oração é afronta a Ele.
2)      PREDOMINAM PRÁTICAS DE DESOBEDIÊNCIA À LEI DE DEUS (Provérbio 28.9): A oração dos que, deliberadamente, desobedecem à Deus, torna-se abominável. Existem pessoas que pecam acintosamente, sabem que estão fazendo algo que a Bíblia recrimina; mas em vez de procurarem auxílio e aconselhamento pastoral, preferem assumir uma postura religiosa na igreja. As orações dessas pessoas são abomináveis a Deus.
3)      IMPERA DESEMPENHO DE APARENTE SANTIDADE (Mateus 6.5,6): Há pessoas que ensaiam orações, que programam como vão falar. Isto não é oração, mas uma encenação, um desempenho teatral ou cênico.
4)      HÁ, APENAS, UM FALAR MECÃNICO (Mateus 6.7,8): Há pessoas que perdem sono, acordam cedo e convocam toda a família para orar. Mas se todos – inclusive filhos crianças, se for o caso – não estiverem dispostos, as orações logo perdem o sentido e não trazem nenhum benefício, pois deixam de ser espontâneas.
5)      HÁ AMARGURA LATENTE (Mateus 11.25): Há pessoas que vivem amarguradas, tristes, angustiadas, azedas, sentido-se desamparadas e entristecidas. E sendo assim, não conseguem superar o amargor de suas vidas e suas orações soam frias e desesperançosas. Essas orações não surtirão efeito algum
6)      NÃO HÁ UNIÃO, MAS DISCÓRDIA (1 Pedro 3.7): Há maridos que agridem suas esposas, que são ríspidos e indiferentes com os filhos, suas vidas são depressivas e há muita opressão entre todos. Há mulheres que são rixosas e somente criam e fomentam discórdia e desamor. Nessas famílias as orações são interrompidas. 
7)     PREVALECEM IMPUREZAS (1 Pedro 4.3,7): Há homens e mulheres que se dizem servos de Deus, sendo até pastores e líderes, mas que usam sua influência  para satisfazer seus próprios prazeres. Muitos são os casos de pastores e líderes que seduzem jovens e senhoras no aconselhamento, ou líderes que instigam a separação de casais, ou que se apropriam de bens e só querem desfrutar os benefícios da vida pastoral. A Bíblia afirma que o fim está próximo e que devemos ser criteriosos pelo bem de nossa oração. 
8)      HÁ CULPA NO CORAÇÃO (Salmo 51.3): Há pessoas que vivem grandes dilemas, inventam mentiras e já não sabem como se livrar delas. Aquilo que era mentira, de tão assumida, transforma-se em “verdade”. Nesses casos há a plena intervenção de satanás, posto que ele é o pai da mentira; assim ele quer usar o sentimento de culpa que brota nos corações para cessar as orações. 
Ore continuamente e não permita você que suaas orações cessem! Neste sentido, pastoralmente, oro a Deus para que possamos viver como Jó que era alguém íntegro, justo, temente a Deus e que evitava fazer o mal (Jó 1.1b), para que nossas orações - as minhas e as suas - continuamente cheguem ao Trono da Graça e sejam respondidas pelo Senhor! Amém! (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, por este pastor. no culto de domingo 24/06/2012).

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<< Página inicial