terça-feira, 14 de agosto de 2012

JESUS ACALMA A MAIS TERRÍVEL TEMPESTADE!


Em Marcos 4.35-41 há a descrição de algo extraordinário que quero compartilhar com vocês. Era final de tarde e início de noite. Como em todos os dias, Jesus havia ensinado aos discípulos e a multidões, e findo mais um dia, estava exausto. Eles estavam em uma das margens do mar da Galiléia (na realidade um grande lago com mais ou menos 20 km de comprimento e largura máxima de 12 km) e Jesus diz aos discípulos que queria ir ao outro lado. Então tomaram um barco e foram com Jesus. Nisso, outros barcos também O acompanharam. Mas eis que se levantou um forte vendaval e uma terrível tempestade se formara ao ponto de ondas se lançarem sobre aquele barco, de forma que foi se enchendo de água. Logo após a partida, por estar muito cansado, Jesus se deita na popa do barco, apoia a cabeça em um travesseiro e adormece profundamente. Uma explicação natural para o forte vendaval: o mar da Galiléia está situado em uma bacia cercada por montanhas e é muito suscetível a tempestades repentinas e violentas. O ar mais frio do Mediterrâneo desce pelos desfiladeiros estreitos entre as montanhas e é lançado fortemente contra o ar quente e úmido existente por cima do lago.Esta é a situação descrita por Marcos. Ali estavam Jesus e os discípulos em um barco na travessia do mar da Galiléia. Iniciado o percurso, eis que Jesus cansado se põe a dormir. O barco é conduzido por marujos experientes e pescadores que conheciam aquelas águas e aquela travessia. Mas diante da terrível tempestade assistimos a uma situação bem interessante. A viagem não estava sendo tranquila. Em pouco tempo, as ondas estavam batendo contra o barco e lançando água para dentro dele, a ponto de o barco ficar quase inundado. E Jesus continuava a dormir! Os marujos experientes se puseram, então, ao trabalho de manter o barco no rumo. Certamente todos já haviam passado por outros vendavais e tempestades. Mas desta vez, parece de que se deram por vencidos e temendo por suas vidas acordam Jesus e clamam: “ Mestre, não te importas que morramos?”De pronto, Jesus se levanta e sem responder logo a eles, age e se dirigindo ao vento o repreende e diz ao mar:” Fique quieto! Acalme-se!” E o vento se aquietou e se fez completa bonança. E após o vento e o mar Lhe obedecerem à voz de comando, eis que se volta para os discípulos e lhes lança a pergunta: “Por que vocês estão com tanto medo? Ainda não têm fé?” É tranquilizador saber que Jesus, nosso Senhor e Salvador, exerce poder sobre os elementos naturais e que a despeito dos vendavais e das tempestades, quer de natureza espiritual ou física, que enfrentamos no dia-a-dia, Ele se posiciona para os clamam por socorro e justiça. Com Ele, estaremos sempre seguros. Com Ele no comando do barco de nossas vidas, estaremos salvos, jamais perdidos, ou prestes a afundar! Algum tempo depois de acalmar a tempestade, Jesus e os discípulos chegam a salvo à margem oriental. Quanto aos outros que estavam nos barcos que O seguiam, não se tem notícias deles, mas se supõe que tenham sido poupados da intensidade da tempestade e voltados para suas casas.
Ao ler e refletir sobre este episódio de homens experientes, mas que se dobraram e quase morreram (quebrando-se) diante das tempestades terríveis da vida, lembro-me das verdades que o bambu nos mostra quando nos permitimos estudar seu jeito de ser. Você já viu um bambu? Saiba que o bambu se curva muito, mas não se rompe ou quebra, facilmente, não existe isoladamente, enraiza muito, possui nós, é oco, não possui galhos e cresce muito para o alto.Por isso, no bambu (segundo o padre Leo, autor do livro Buscando as coisas do alto, editora Canção Nova) são reveladas sete verdades da vida:
Primeira verdade: é preciso ter humildade diante dos problemas e das adversidades da vida. Quem reconhece suas limitações pessoais, mas nem por isso se conforma, até pode se curvar diante dos problemas, mas não se quebra. Antes, confia no Senhor que é a Rocha e a Fortaleza que nos sustenta.
Segunda verdade: é preciso criar raízes profundas. Quem cria raízes de comunhão e de oração com Deus persevera e se mantém em pé.
Terceira verdade: é preciso compartilhar e manter comunhão com outros. Não se vive isoladamente, mas em conjunto, comunitariamente.
Quarta verdade: é preciso não criar galhos. Quando se tem galhos perde-se tempo precioso, pois se tem que proteger e guardar coisas que são insignificantes, mas que muitos dão importância. Não atribua importância ao que não tem. Não fique criando “galhos” para não ter que “quebrar galhos”!
Quinta verdade: é preciso ser cheio de “nós” e não de “eu’s”. São os nós que nos mantêm em pé. Conosco, os nós são as pessoas que nos ajudam, são os que estão próximos e acabam por ser nossa força nos momentos difíceis.
Sexta verdade: é preciso ser “oco”, vazio de si mesmo. Enquanto não nos esvaziarmos de tudo o que nos prende, não podemos ser cheios do Espírito Santo.
Sétima verdade: é preciso crescer para o alto, buscar as coisas do alto. Com Jesus na direção o barco não afunda! As tempestades até se formam e ameaçam muito, mas nos mantemos salvos!
Você crê nisso! Então, viva segundo a verdade maior: que o Senhor Jesus é o caminho, a verdade e a vida, e que ninguém vai a Deus, se não for por Seu intermédio (João 14.6). Existem vendavais e tempestades se formando sobre sua vida? Então, não se comporte como os discípulos, que embora fossem homens experientes, marujos e pescadores, assustaram-se muito, temeram e não tiveram fé suficiente para repreender o vento e o mar, em nome de Jesus! Use sua autoridade, a que lhe foi concedida por Jesus, e em Seu nome, repreenda o mal, e tudo o mais faça, quando pedir em Seu nome (João 14.12-14)!. (Reflexão com base em sermão proferido na Comunidade, pela pastora Isabel Cristina, no culto de domingo 12/08/2012).

Nenhum comentário: