segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

A FÉ INABALÁVEL DE QUEM SE SENTE INSEPARÁVEL DO AMOR DE CRISTO!


"Quem nos separará do Amor de Cristo? A tribulação? A angústia? A perseguição? A fome? a nudez, o perigo ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro (Salmo 43.23). Mas em todas estas coisas, somos mais que vencedores, por meio daqueles que nos amou. Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura bem profundade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Romanos 8.35-39).
A carta aos Romanos é impactante na história do cristianismo e na vida diária de tantos quantos se detêm a meditar em suas preciosas doutrinas. Em especial, no texto citado, me detenho na indagação: O QUE PODE NOS SEPARAR DO AMOR DE CRISTO? Estamos continuamente nos preparando para enfrentar dificuldades? Temos consciência de que já somos vencedores?
Retornando à pergunta: Quem ou o que nos separará do amor de Cristo? A pergunta do apóstolo possui resposta? Certamente sim...! É da vida espiritual e da união com Cristo que ele se refere. E pode a alma, após ter experimentado a presença viva de Deus em si, separar-se Dele? Na caminhada de uma alma rumo à intimidade com Deus, certamente irá enfrentar tribulação, angústias, perseguição, fome, nudez, perigo e até espada, pois está escrito: Por amor a ti somos entregues à morte o dia inteiro, somos tratados como gado destinado ao matadouro (sal. 4.3).
Qual a melhor forma de aproximar-se dEle? Muitas são as formas. Há uma que é muito comum. Você está doído, carente, necessitado e precisa de socorro e de apoio. Você precisa dEle, e como Ele é o socorro bem presente na angústia, logo lhe socorre e aí você fica ao lado dEle, muito mais por necessidade e por egoísmo. Outra forma é por ter nascido em um lar cristão, logo ali parece ser um bom lugar e você já se acostumou a ir ou a estar na igreja.  Uma última  forma, ainda, é a da verdadeira busca por sentido de existência e significado para sua vida. E aí você se pergunta: Por quê? Quando se age assim podem-se ver confrontadas as lógicas, a de Deus com a lógica dos homens. E aí o Espírito Santo ajuda você a descobrir a verdade que liberta!
Geralmente, porém, as pessoas se dão mal em suas caminhadas em busca de salvação e de intimidade com Deus, quando continuam entendendo a vida a partir do prisma das coisas que aprenderam em escolas, no seio da família, no trabalho, em seus próprios mundos, por maiores que sejam.
As que conseguem resistir e que portam uma fé inabalável e que se sentem seguras de que nada as separará do amor de Cristo, como nos afirma o apóstolo Paulo, são as que verdadeiramente se converteram e são discípulas de Cristo.
São aquelas pessoas que entenderam que precisam se distanciar das suas paixões e vícios, fazendo valer a afirmação: Por amor de ti somos entregues à morte o dia inteiro, ou seja, por amor de ti me renuncio todos os dias, por amor de ti morro para mim mesmo para possuir a tua vida.
Creio que, renunciando-me (ou seja, renunciando a mim mesmo, às minhas vontades) a cada dia, todas aquelas dificuldades serão superadas de forma que eu me torne vencedor pela virtude daquele que nos amou.
E assim nem as alturas e nem os abismos, nem qualquer criatura irá apartar-nos do amor de Deus, porque ao buscar a intimidade com Jesus, que é testemunha do amor de Deus, se a conseguirmos, não precisaremos de mais nada. Isto é fé, e fé inabalável!
Infelizmente, na caminhada com Cristo, muitos são os que ficam à beira do caminho...! 
Não adianta ler este texto e tantos outros que nos incentivam e motivam a prosseguir no caminho, se não estivermos dispostos a meditar profundamente em seu conteúdo e apreendermos seu sentido e significado espiritual para a vida diária cristã!
Muitos ficam para trás e se separam de Cristo por uma primeira e elementar razão: não internalizam o que leem, não vivenciam na mente (em um processo racional) o que a emoção plantou em seus corações, inicialmente.
Quantas respostas positivas a apelos em igrejas já presenciei e que não resistem ao tempo!
Quantos testemunhos emocionais que ouvi em que pessoas narram suas desventuras, que souberam resistir ao mal e às astutas ciladas do inimigo, seguidas por bênçãos alcançadas, mas que algum tempo depois, somos impactados por notícias de que deixaram de congregar e estão separados do amor de Cristo?
E você como se situa? Consegue ver as diferenças, ou não? Prossegue com Cristo ou não? (Reflexão com base em mensagem proferida por este pastor na Comunidade, no culto de domingo 16/12/2012).

Nenhum comentário: