quinta-feira, 24 de julho de 2014

ACEITAÇÃO E ACOLHIMENTO!

Em João 4.5-30 eis que se descreve o encontro de Jesus com a mulher samaritana, da cidade de Sicar, junto ao poço de Jacó. Muitos são os detalhes desse marcante encontro. Inicialmente, destaca-se que ele era indevido e impróprio, pois os judeus consideravam inadequado um rabi falar com uma mulher em público. E mais grave: ela era de Samaria, terra de gente impura e idólatra, inimiga de Israel. Por tudo isso, e por sua condição, revelada ao longo da conversa com Jesus, ficamos sabendo que a mulher sofria discriminação e rejeição. Vejamos uma análise - embora parcial - do texto: ´
É da natureza humana se associar, apenas, com os semelhantes ou com os iguais. O cenário bíblico indica um quadro, em princípio, de pura rejeição. O foco da cena mostra uma pessoa (mulher) com uma determinada nacionalidade (samaritana). Formara-se ali um duplo impedimento para a época: Jesus (homem judeu) jamais deveria dirigir a palavra a alguém de Samaria (inimiga de Israel), muito menos a uma mulher. O impedimento era real e levado muito a sério, naqueles dias. Mas a restrição cultural, social e religiosa não impediu Jesus, não somente de se dirigir `aquela mulher, mas de construir um grande e expressivo diálogo com ela.
Com isso, Jesus destaca, a todos nós, o valor da tolerância, da aceitação e do acolhimento, e diz um  grande e sonoro NÃO  à rejeição e à exclusão. Jesus conviveu com marginalizados, buscou os rejeitados e aceitou os excluídos, colocando-os ao alcance dos que não eram tolerados. Ele demoliu as barreiras, os impedimentos e os rótulos, demonstrando, graciosamente, que aceitava a todos e a todas. Uma de Suas muitas marcantes características - por Suas atitudes e ações - que Jesus deixou para que fossem seguidas foi a de aceitar as pessoas como são e acolhê-las. Eu e você precisamos fazer o mesmo!
Quem promove profundas transformações no ser humano é o Espírito Santo, não nós! Portanto, acolhamos o próximo que ele é, como ele está, e oremos ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, para que molde seu caráter, deixando-o inconformado com as coisas e os valores desse mundo, e que renove sua mente para que seja gerada a transformação, segundo Romanos 12.2! (Reflexão com base no detalhe da aprendizagem do Estudo dos Pequenos Grupos, ministrado nas casas).

Nenhum comentário: