quinta-feira, 19 de março de 2015

A DÚVIDA QUE SE CONTRAPÕE À FÉ!

Em Mateus 14.22-33 há um episódio que precisa merecer nossa melhor atenção. Afinal, era madrugada alta, e Jesus surge do nada, no meio do mar, andando sobre as águas. Inicialmente, os discípulos não O reconhecem. Mas, logo Pedro, impulsivamente lhe propõe que se de fato era o Senhor que ordenasse que ele fosse ao Seu encontro. Após a autorização do Senhor, eis que Pedro começa a andar sobre as águas. Mas, eis que de repente, começa a afundar. O que acontecera? Vamos por parte, para melhor compreensão e entendimento do texto: 
1.   A DÚVIDA NOS DISTRAI DE CRISTO: Pedro começou a sentir o vento, teve dúvidas e esqueceu-se de Cristo. A dúvida focaliza nossa atenção em outras coisas, quando devíamos olhar só para Cristo, como Autor e consumador de nossa fé.  Se olharmos para os homens, o fracasso e o perigo virão inevitavelmente.  Há muitos exemplos edificantes, mas igualmente há – mesmo em nosso meio cristão – muitos que fracassam porque põem dúvidas em seu coração.
2.   A DÚVIDA NOS ENCHE DE TEMOR: Pedro teve medo. Só quem crê pode ter confiança. O medo se liga à dúvida e não à fé. Quem confia em Deus não tem medo - Salmo 23.4. O exemplo do confronto entre Davi e Golias precisa ser visto: somente se tornou possível porque em nenhum momento o adolescente judeu teve dúvidas sobre a proteção e os cuidados de Deus sobre ele. Ele sabia que seria vencedor sobre o gigante campeão filisteu.
3.   A DÚVIDA NOS COLOCA EM PERIGO: Pedro começou a afundar. Literalmente, ele começou a afundar. E afundaria por completo se não recebesse de pronto a ajuda de Jesus.  E assim acontece com todos os que duvidam: espiritualmente começam a afundar! A dúvida sempre quer dizer submersão espiritual. Aquele que cultiva a dúvida está em perigo de se afogar e morrer. Se Pedro não tivesse duvidado, nenhum perigo lhe teria ocorrido.
4. MAS A FÉ E A CONFIANÇA EM JESUS NOS PROPORCIONAM SEGURANÇA: O caminho a tomar para anular as investidas satânicas para destruir sua vida é resistir a todas as dúvidas que possam surgir no coração promovendo sentimentos falsos e enganadores. Esses sentimentos não são gratuitos. surgem porque espíritos imundos tomam posse e controlam os corações das pessoas que ainda não tiveram um verdadeiro encontro com o Senhor Jesus, enganando seus sentidos e arruinando suas vidas. Esses espíritos imundos podem também semear a dúvida promovendo a incerteza e a fraqueza, entretanto, o Espírito Santo dá condições para que resistam e sejam vencedores. É possível, por exemplo, que o seu coração, enganado, não o deixe crer totalmente que está curado pelas pisaduras do Senhor Jesus, mesmo que pela razão, na sua mente, você concorde com isso. Você pode, por intermédio da Palavra de Deus, convencer-se dessa verdade, mas, lá no fundo do coração, cultivar a dúvida sobre aquilo que leu ou aprendeu.
E o que deve você fazer? Para resistir ao sentimento de dúvida que há no seu coração, procure tomar atitudes que contradigam os sentimentos enganosos do seu coração.
Aprenda a contrariar, literalmente, os sentimentos do coração a fim de que a sua fé seja exercitada e colocada em ação.
Se o coração lhe diz algo que produza dúvidas em relação a sua fé, então, resista às dúvidas e procure agir pela fé. Habitue-se a tomar atitudes contrárias às dúvidas, receios, temores ou quaisquer outros sentimentos provenientes do coração, contrários à Palavra de Deus; então, você estará se acostumando a viver pela fé. 
É certo que para quem está sentindo a dor, nem sempre é fácil vencer os sentimentos do medo, que é filho da dúvida, e que se firma tão fortemente no coração.
Mas é possível dar um passo de fé, agindo contrariamente ao que se sente, seguindo apenas a orientação da Palavra. Quando Deus vê esse esforço da pessoa para vencer a dúvida, então Ele enche o seu coração de fé, fortalecendo-a para que possa conquistar as vitórias.
A dúvida é tão importante para o diabo quanto a fé é para Deus, não se esqueça disso! O diabo tem colocado dúvidas no coração e na mente das pessoas a fim de afastá-las de Deus. É interessante que mesmo diante das evidências, há pessoas que duvidam e atribuem as bênçãos e os milagres a condições que chegam a ser absurdas.
Por outro lado, o verdadeiro cristão, como discípulo e crente espiritual, não carnal, está cheio de fé e confiança em Deus, portanto, crê sem necessidade de evidências.
Não nos esqueçamos que “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hebreus 11.6)! (Reflexão com base em mensagem ministrada por este pastor na Comunidade, no culto dominical de 15/03/2015).

Nenhum comentário: