segunda-feira, 7 de junho de 2010

EXPRESSAMOS O AMOR À DEUS SEMPRE QUE AMAMOS PESSOAS, NÃO AS COISAS DO MUNDO!

O apóstolo João em sua primeira carta (cap.3) nos apresenta uma mensagem que merece toda a atenção, pois, sintetiza as Boas Novas, o verdadeiramente "novo" em Cristo Jesus. As Sagradas Escrituras, até então, enfatizavam as leis e a necessária obediência, sem o que não haveria salvação. Após ter apreendido em Jesus - ao longo de uma saudável e sacrossanta convivência com o Mestre por mais de três anos - o apóstolo João, nessa carta, evidencia a essência da mensagem do Senhor Deus, expressa na vida de total entrega do Seu Filho Amado. Aprendamos, então, em síntese o que representa essa mensagem:
O Amor de Deus nos concedeu a Graça de sermos chamados filhos de Deus. Espiritualmente, por sua origem, o ser humano é dividido em duas classes, ou é de Deus ou é do Maligno. A mensagem de Deus é clara: o amor deve predominar entre os homens. Amor e ódio substituem a retidão e o pecado, como características respectivas. Amor é sentimento que provém de Deus, pois Ele é amor. Se Deus é Amor o ódio não tem parte com Ele. Há outra alegoria que representa característica de Deus e do Adversário: Deus é Luz, logo, filhos/as Dele não podem viver em trevas, ambiente em que predominam os/as filhos/as de Satanás.
O Senhor, o Cristo, manifestou-se para tirar os pecados do mundo, pois Nele não existe pecado. E todo/a aquele/a que está Nele não vive pecando. Ao contrário: aquele/a que vive pecando não O viu, não O conheceu.
Quem é nascido de novo (quem experimenta regeneração/novo nascimento/conversão verdadeira/entrega total, incondicional), permanece Nele, portanto vive na essência do amor e da justiça, e não na prática do pecado (que passa a ser ocasional/fortuito). É preciso entender que A UNIÃO COM CRISTO É INCOMPATÍVEL COM O PECADO.
Não sem razão reconhecem-se  como filhos/as do diabo os/as pecadores/as, aqueles/as que não praticam justiça e que não amam seu irmão. 
A mensagem do Senhor, como síntese na Nova Aliança, expressa na dimensão da Graça,  é que deve predominar o amor entre os homens.
Não nos devemos impressionar se o mundo nos odeia. O mundo é dominado por Satanás e seus filhos. Logo, por que esperar o bem de quem é do mal?
Quem não ama o outro (ou quem, manifesta-se ao outro com atitudes de discriminação, preconceito, intolerância, rancor,ressentimento e ódio) está espiritualmente morto, pois é um assassino e não terá vida eterna.
Ao contrário, se amamos os irmãos já passamos da morte para a vida e é nisto que conhecemos o amor, sabendo que se Cristo deu Sua vida por nós, então, em contrapartida devemos dar nossa vida pelos irmãos. Assimilaram a lógica do amor em Cristo?
Quem, possuindo condições financeiras e econômicas para tanto, negar-se a ajudar o irmão que passa por dificuldades, não está no Senhor, pois não permanece nele o amor de Deus.
O apóstolo nos alerta que não basta falar em amor, não podemos amar de palavra, nem de língua, mas de fato, ou de verdade, ou seja, não basta falar, deve-se demonstrar em atitudes o amor que é falado.
Somente assim seremos conhecidos e reconhecidos como Dele, e aí, estaremos em paz. Ao contrário, se o coração nos acusar, não adiante fingir, Deus a tudo e a todos conhece. Portanto se o coração não acusar, teremos confiança diante de Deus... e AQUILO QUE PEDIRMOS, DELE RECEBEREMOS porque guardamos os seus mandamentos (na essência do que Cristo nos ensinou: Amar a Deus, amar ao próximo como a si mesmo), e assim faremos diante Dele o que Lhe é agradável.
Finalmente, nos v.23 e 24: Crendo em Jesus Cristo e amando-nos uns aos outros, permaneceremos em Deus, e Ele permanece em nós. Somente assim conheceremos que Ele permanece em nós, pois esta é a direção que o Espírito nos deu. Quem se declara cristão e cristã - seguidores/as e discípulos/as do Senhor - somente deve expressar seu amor à Deus, e assim ser reconhecido por Ele como Filho/a, se e somente se, amar ao/à outro/a e não o mundo. Devemos amar as pessoas, não as coisas. Precisamos respeitar e cuidar mais do/a outro/a, não apenas dos bens! Administre bem seu patrimônio material, preserve-o, cuide de suas coisas, o Senhor deseja que Fihos/as sejam prósperos/as, mas não marque sua vida e seu coração por objetos e coisas móveis e imóveis. Antes, aja para promover o bem-estar das pessoas, com justiça e com amor, sempre. Na dimensão da Graça, o que recebemos não é por merecimento nosso, logo, faz sentido espiritual esperar por merecimento do/a outro/a para liberar bênçãos sobre ele ou ela?
No Antigo Testamento há uma ênfase: "...obedecer é melhor do que sacrificar"... (1 Sm 15.22b). Certamente que a obediência é bem melhor que o sacrifício, e isto não foi revogado, posto que continua válido. Mas, nos tempos da Graça, na leitura da Nova Aliança, a ênfase é ampliada: ... amar é melhor do que obedecer ! Reflita, pense, entenda a essência da mensagem de Deus e, se for o caso, mude! (Mensagem deste pastor levada à Comunidade no culto de domingo 06/06/2010).

Nenhum comentário: